Professora reaproveita sacos de ração e faz ecobags, estojos e mochilas para doar em Santa Cruz do Sul - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema é Nosso08/09/2020 | 09h45Atualizada em 08/09/2020 | 09h47

Professora reaproveita sacos de ração e faz ecobags, estojos e mochilas para doar em Santa Cruz do Sul

Mônica Inês Schuck quer entregar material a crianças carentes do Vale do Rio Pardo

Professora reaproveita sacos de ração e faz ecobags, estojos e mochilas para doar em Santa Cruz do Sul Lauro Alves/Agencia RBS
Máquina de costura de 1894, que pertencia à avó de Mônica, é usada no trabalho Foto: Lauro Alves / Agencia RBS

De ferro fundido, a máquina de costura, com uma chapa de aço que indica a patente de 1894, é herança da avó materna. Costureira com 10 filhos, ela utilizava o equipamento para fabricar roupas para a mãe de Mônica Inês Schuck e para os nove tios da professora de inglês.

O equipamento do século 19, protegido por uma caixa de madeira no apartamento da neta, voltou à ativa em 2020, e por uma razão nobre: reaproveitar sacos de ração que iriam parar no lixo, transformados em mochilas, estojos e ecobags que terão como destino o transporte dos materiais escolares de crianças carentes da rede pública de Santa Cruz do Sul, no Vale do Rio Pardo.

– Eu fiz isso, foi minha ideia. Ficou bonito, né? - diz Mônica, com orgulho, enquanto observa o material finalizado.

LEIA MAIS
Escola Municipal de Porto Alegre arrecada celulares para alunos terem acesso à aulas remotas
Após arrecadar valor em vaquinha online, menina recebe cadeira de rodas nova
Projeto social de Santa Cruz do Sul busca arrecadar material escolar para 3 mil estudantes

Aos 53 anos e tutora de três vira-latas, Nina, Suzy e Otti, a docente teve a ideia de utilizar o material descartável quando estava na fila do caixa de um supermercado do município. Avistou, ao lado do atendente, uma bolsa de pano, remetendo à lembrança do estoque de pacotes de comida animal que se acumulavam em uma agropecuária, também localizada nos arredores. E voltou ao comércio de suplementos.

– Me disseram que em geral isso era enchido com lixo. Pedi para levar para casa. Era até um favor para eles – relembra.

Mantendo o isolamento da embalagem, colada na base e nas laterais, a professora explica que o trabalho exige perícia apenas na abertura superior das sacolas. Um bolso externo foi costurado para expandir a utilidade do acessório.

Para as mochilas, o manuseio exige cuidado maior com o fecho, e a inclusão de uma tira de pano para costura do zíper. A estampa das ecobags conserva as imagens dos animais, fotogênicos cãezinhos escolhidos pelas agências de publicidade que atendem as marcas de rações.

Há ainda uma versão feita a partir do mesmo material interno, mas com uma cobertura extra de pano xadrez, e pequenos gatos - retirados dos sacos de ração - colados na sobrecapa.

A produção, que até o momento tem quatro mochilas e sacolas, além de dois estojos, ganha novas sugestões de quem é apresentado à iniciativa: uma mateira, suporte para cuia e garrafa térmica, deve ser o próximo item da lista.

A educadora elenca dois objetivos como os primordiais do projeto: uma parceria que entregue gratuitamente os objetos a estudantes da região, e o incentivo à costura caseira de novos produtos a partir de material que seria descartado.

– Qualquer um pode fazer, não exige ter máquina ou experiência. É simples e ajuda a natureza - reforça Mônica, que pode ser contatada pelo Facebook.

Nas ruas, as sacolas impermeáveis passaram a ser item indispensável para a professora, que há tempos deixou de usar sacos plásticos para carregar as compras. Quem vê, elogia o produto, e sugere que eles sejam comercializados, como um complemento de renda aos artesãos.

Uma escola de alemão da cidade contatou Mônica e propôs uma campanha: os alunos fornecem a matéria-prima e a costureira devolve em forma de pastas retangulares. Além de ganharem o brinde, os estudantes são incentivados a reutilizar o plástico.

O grupo de escoteiros de Santa Cruz do Sul também comprou a ideia, através da esteticista e influencer digital Gabriela Xavier, 36 anos.

– Quando eu vi o que a Mônica está fazendo, uma ideia linda e de sustentabilidade, eu trouxe para cá, para que cada escoteiro possa fazer isso dentro de casa - explica a blogueira, também escoteira sênior.

No amplo espaço arborizado, outro projeto sustentável é tocado pelos lobinhos - como são chamados os mais jovens aventureiros -, segundo a voluntária Carmen Koehler, 64 anos: o Almofadas do Bem, que recicla panos de guarda-chuvas quebrados, usados como capas para travesseiros e caminhas de cachorro.

 Santa Cruz do Sul, RS, BRASIL ,04/09/2020- Mônica Inês Schuck quer doar mochilas a crianças carentes do Vale do Rio Pardo. Na foto(esq/dir)- Gabriela Xavier, 36 anos; voluntária Carmen Koehler, 64. Foto: Lauro Alves / Agencia RBS<!-- NICAID(14584416) -->
Gabriela Xavier (E) e Carmen KoehlerFoto: Lauro Alves / Agencia RBS

Há ainda a confecção de pequenos apoios para a cabeça, que ocupam pouco espaço e são usados nos acampamentos. O forro é composto por fibra, doação de uma fábrica de próteses ortopédicas. Os produtos são entregues mediante a troca por um pacote de ração, que é encaminhado à protetores dos animais na região.

– Já entregamos mais de 200 quilos de ração a pessoas que resgatam ou que cuidam dos bichinhos na rua - afirma Carmen.

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso   


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros