Anvisa aprova uso emergencial das vacinas de Oxford e CoronaVac no Brasil - Notícias

Versão mobile

 
 

Corrida por imunização17/01/2021 | 17h16Atualizada em 17/01/2021 | 17h16

Anvisa aprova uso emergencial das vacinas de Oxford e CoronaVac no Brasil

Direção da entidade formou maioria favorável à utilização em caráter de urgência pouco antes das 15h

Por volta de 15h20min da tarde deste domingo (17), em um dia já histórico de 2021, a  diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou por unanimidade o uso emergencial de 8 milhões de doses de vacina contra a covid-19 — 6 milhões da CoronaVac e 2 milhões de Oxford/AstraZeneca.

Pouco antes das 15h, a diretoria da Agência já havia garantido os três votos mínimos necessários para aprovar o uso emergencial de 8 milhões de doses de vacina contra a covid-19 e tentar frear a pandemia que já matou mais de 209 mil pessoas no país. Dos cinco diretores com direito a voto, os três primeiros a se manifestar concordaram com a liberação sob uma série de ressalvas.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

A decisão permite que o processo de imunização tenha início, apesar de uma série de observações e pedidos de complementação de informações feitos pelo corpo técnico da entidade. Por esse motivo, a autorização foi concedida “sob monitoramento” — os laboratórios deverão manter a coleta e o repasse de dados sobre os estudos clínicos.

Em relação ao produto do Instituto Butantan, a aplicação poderá começar após publicação em edição digital do Diário Oficial da União de um termo de compromisso em que garante o fornecimento de mais informações à União sobre os estudos.

— A vacina só é eficaz se as pessoas estiverem dispostas a tomá-la. O monitoramento é fundamental para garantir que os benefícios continuem a superar os riscos — declarou a diretora e relatora dos dois pedidos de uso emergencial na Anvisa, Meiruze Souza Freitas.

A expectativa é de que os imunizantes comecem a ser distribuídos para todos os Estados na segunda (18). Do lote autorizado em caráter de urgência pelo órgão federal, 6 milhões de doses dizem respeito à CoronaVac, produzida no Instituto Butantan, em São Paulo, em parceria com o laboratório chinês Sinovac. 

Outros 2 milhões são produtos desenvolvidos pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca em parceria com o Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz) e deverão ser importados da Índia — porém, após recusa do governo indiano de embarcar imediatamente a carga, não há prazo certo para a chegada ao país. 

Leia também
MC Fioti grava novo clipe de "Bum Bum Tam Tam" na sede do Butantan
Porto Alegre vacinará cerca de 280 mil pessoas até abril, diz Sebastião Melo

A reunião da Anvisa, transmitida por TV e via redes sociais, começou pouco depois das 10h. Três áreas técnicas recomendaram o uso emergencial em razão da gravidade da pandemia e da “ausência de alternativas terapêuticas”. 

Por isso, optaram por liberar a utilização enquanto aguardam complementação de informações e seguem monitorando o resultado das imunizações. A decisão inclui a assinatura de um termo de compromisso com o Butantan para garantir que as informações pendentes serão apresentadas, e que os estudos sobre a CoronaVac terão continuidade. 

Um dos pontos levantados pelo gerente de Medicamentos e Produtos Biológicos da Anvisa, Gustavo Mendes Lima, é o resultado quantitativo de imunogenicidade, ou seja, a quantidade de anticorpos contra o coronavírus que o imunizante da Sinovac conseguiu estimular. 

— Foram apresentadas algumas informações, mas não o dado quantitativo. Foi qualitativo. Informaram apenas que a vacina desenvolveu anticorpos — declarou o gerente, dizendo que esses dados deverão ser encaminhados posteriormente. 

Em relação à vacina de Oxford, foram apresentadas dúvidas sobre a eficácia do produto entre pessoas com mais de 65 anos, já que poucas pessoas nessa faixa etária foram contempladas até o momento nos estudos, e solicitados mais detalhes sobre resultados envolvendo prazos inferiores a oito semanas entre as duas doses. 



 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros