Fila para UTI em Porto Alegre recua 12% em um dia, mas ainda há 187 pacientes aguardando leito  - Notícias

Versão mobile

 
 

Sobrecarga no sistema28/03/2021 | 21h48Atualizada em 28/03/2021 | 21h48

Fila para UTI em Porto Alegre recua 12% em um dia, mas ainda há 187 pacientes aguardando leito 

Neste domingo, taxa geral de ocupação estava em 112% pouco depois das 17h

Fila para UTI em Porto Alegre recua 12% em um dia, mas ainda há 187 pacientes aguardando leito  André Ávila / Agencia RBS/Agencia RBS
Neste domingo, havia 1.122 pessoas hospitalizadas por diversas razões em uma estrutura de 1.006 leitos disponíveis Foto: André Ávila / Agencia RBS / Agencia RBS

A superlotação nas unidades de terapia intensiva (UTIs) dos hospitais de Porto Alegre se manteve estável neste domingo (28). A taxa geral de ocupação estava em 112% pouco depois das 17h, ligeiramente abaixo do patamar de 115% verificado na véspera. Havia 1.122 pessoas hospitalizadas por diversas razões em uma estrutura de 1.006 leitos disponíveis.

Quando essas alas operam acima da capacidade, significa que há pacientes sendo atendidos com algum nível de improvisação, e há mais demora para receber quem necessita de cuidados de alta complexidade. O ideal para otimizar o fluxo de atendimento, segundo o gerente de Risco do Hospital de Clínicas, Ricardo Kuchenbecker, é que o percentual não supere os 85%.

A quantidade de doentes críticos com coronavírus naquele horário era de 847, contra 862 internados no final da tarde de sábado. O número do domingo representa uma oscilação de 2% a menos em comparação com uma semana antes. Na média dos últimos sete dias, porém, a tendência ainda é de ligeiro crescimento, com subida de 1,75% — variou de 832,9 para 847,4 hospitalizados com covid-19.

 Leia também
TJ mantém suspenso decreto municipal que liberava restaurantes, bares e comércio aos finais de semana na Capital
Delegacias da Região Metropolitana e do Vale do Sinos voltam a ter celas lotadas e presos em viaturas
A rotina das famílias que vivem em áreas de risco de Porto Alegre 

Quando o sistema está esgotado, como é o caso da Capital, as variações tendem a ser pequenas porque a capacidade de atendimento está no teto. Nesse caso, é importante prestar atenção à fila de espera. Entre o sábado e o domingo, contabilizados doentes com ou sem coronavírus, o total de pessoas em hospitais ou pronto-atendimentos no aguardo de leito em UTI recuou 12,6%. Mas o universo de atendimentos represados permanece significativo: passou de 214 para 187.

Dos 18 hospitais que fazem parte do painel de monitoramento da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) da Capital, 13 se encontravam atendendo com 100% ou mais da capacidade (veja lista logo abaixo) — entre eles instituições de referência no combate à pandemia pelo SUS como Clínicas e Conceição. A sobrecarga também afeta a rede privada.

Hospitais com 100% de ocupação ou mais

  • Hospital de Clínicas
  • Conceição
  • Moinhos de Vento
  • São Lucas
  • Mãe de Deus
  • Ernesto Dornelles
  • Divina Providência
  • Cristo Redentor 
  • Vila Nova
  • Fêmina
  • Restinga
  • Santa Ana
  • Beneficiência Portuguesa

Pacientes aguardando leito de UTI

  • Nas emergências: 175 (155 com covid-19)
  • Nas UPAs: 12
  • Total: 187


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros