Vendedor faz vaquinha para comprar prótese mecânica, em Gravataí - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema é Nosso17/03/2021 | 19h03Atualizada em 17/03/2021 | 19h03

Vendedor faz vaquinha para comprar prótese mecânica, em Gravataí

Por conta das complicações pós-operatórias, Bruno precisou amputar a perna e, com a ajuda de amigos e familiares, criou uma vaquinha para a compra de sua prótese mecânica. 

Vendedor faz vaquinha para comprar prótese mecânica, em Gravataí Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Bruno está internado no Hospital Santa Casa de Porto Alegre. Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Em dezembro de 2018, a vida do vendedor Bruno Deucher, 22 anos, de Gravataí, mudou completamente após sentir dores e desconfortos na perna direita. Logo depois de ir ao médico, veio o diagnóstico: um tumor ósseo no joelho, conhecido como sarcoma histiocítico pleomórfico. Com isso, sua luta já começou na primeira cirurgia, realizada em setembro de 2019, para a aplicação de uma endoprótese (um implante colocado dentro de um membro ósseo). Por conta das complicações pós-operatórias, Bruno precisou amputar a perna e, com a ajuda de amigos e familiares, criou uma vaquinha para a compra de sua prótese mecânica. 

Leia Mais
Esgoto a céu aberto causa incômodos a moradores em Viamão
Cooperativa de reciclagem lança campanha de doação de materiais escolares para crianças da Vila dos Herdeiros
Moradores do bairro Jardim Botânico, em Porto Alegre, pedem cercamento de terreno baldio

– Quando eu tinha 18 anos, sofri um acidente próximo de casa. Quebrei a minha perna e fui ao hospital. No raio- x a equipe médica notou que tinha algo errado, como se tivesse um cisto no meu joelho, uma massa calcificada. Fiquei quatro meses com a perna engessada. 

No hospital, procurei um oncologista ósseo e, nas duas biópsias, foi constatado um tumor ósseo benigno – relembra. 

Bruno já suspeitava de que algo não estava certo depois da fratura. Ele sentia muitas dores, notou algumas deformidades na perna e, por isso, resolveu procurar novamente ajuda médica. Porém, o problema era bem mais sério do que parecia. 

– No terceiro exame, saiu o resultado definitivo, de que se tratava de um tumor maligno – conta. 

A preocupação foi um dos principais sentimentos da família e do próprio Bruno, pois todos tiveram que enfrentar um diagnóstico difícil. Devido a uma infecção na endoprótese, Bruno precisou realizar três cirurgias no período de um ano. Indo para a quarta cirurgia, a decisão foi tomada por ele: a amputação. 

Atualmente, Bruno está hospitalizado no hospital Santa Rita tratando do câncer no pulmão. <!-- NICAID(14735360) -->
Bruno precisou amputar a perna direita.Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

– Eu acabei decidindo amputar. Tinha uma semana para conversar com a minha família, pensar, decidir e tomar uma decisão conjunta. A reação foi de alívio, porque (a amputação) iria me ajudar a voltar o quanto antes para a quimioterapia – pondera. 

Pulmões

Logo depois da cirurgia, o jovem precisou ir ao hospital para avaliar o membro amputado. 

No entanto, o médico informou para Bruno que ele tinha uma metástase do tumor nos pulmões. 

– O que era um tumor ósseo passou da perna para os tecidos moles. 

Por isso que nunca daria certo a cirurgia de endoprótese, porque já tinha a infecção e o tumor. A melhor opção mesmo foi a amputação – conta, afirmando que recebeu a notícia da metástase surpreso. 

No exame de ressonância magnética, Bruno recebeu a confirmação do diagnóstico de câncer nos pulmões e, agora, passa por tratamento para conter o avanço da doença. Hoje, ele segue internado no Hospital Santa Casa para a realização de sessões de radioterapia e quimioterapia. 

Agora, Bruno busca pela prótese mecânica para não só melhorar sua qualidade de vida, como também para poder voltar à rotina de trabalho e estudos. 

VAQUINHA ONLINE

Com o tratamento, ele precisou parar de frequentar a escola e largar o emprego no ramo do comércio. 

– A prótese vai me ajudar muito a voltar à rotina e, principalmente na minha locomoção, caminhada e nos movimentos. Eu tinha diversas limitações com a antiga prótese. 

Bruno tentou pedir um equipamento pelo SUS. Entretanto, devido à pandemia de coronavírus, as solicitações de recursos e cirurgias eletivas foram suspensas. 

– É minha última esperança conseguir por meio da vaquinha – relata. 

A nova prótese mecânica, mais articulada, custa R$ 100 mil – valor total da vaquinha. Por meio dela, Bruno busca arrecadar o valor necessário para a compra. Até ontem à tarde, a vaquinha havia arrecadado R$ 6.160.

Veja como apoiar? 

/// É possível doar por meio da vaquinha online e obter mais informações sobre a prótese. Basta acessar o link vaka.me/ 1723266

/// Depósitos podem ser feitos na conta de Bruno, no banco 260 (Nubank), agência 0001, conta 48088306-4. 

/// Também é possível transferir valores por Pix pelo e-mail brunosdeucher@gmail.com. A conta é do banco Neon.

Produção: Vitória Fagundes


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros