Família de Alvorada luta para se restabelecer - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema é Nosso02/06/2021 | 07h00Atualizada em 02/06/2021 | 07h00

Família de Alvorada luta para se restabelecer

Após a morte do marido, a família que vivia em Santa Catarina precisou voltar para o Rio Grande do Sul e depende, agora, de apoio para reerguer 

Família de Alvorada luta para se restabelecer Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Família sonha em se reerguer Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Em junho de 2019, o Diário Gaúcho contou a história da família de Ester Vilas Novas, 39 anos, que pedia ajuda para voltar para casa, no município de Tunápolis, Santa Catarina. A Brigada Militar realizou a doação de cestas básicas a ela e sua família. Porém, após um ocorrido com o marido, em setembro de 2020, Ester e os filhos precisaram voltar para o Rio Grande do Sul e dependem, agora, de apoio para se reerguer. Em 2016, Ester, o marido, Adêmio Kich, e os filhos, Luiz Felipe, quatro anos, e Lice, oito anos, se mudaram para Alvorada para cuidar de sua mãe, que estava doente. No entanto, sua mãe acabou falecendo, e a família precisou de auxílio para voltar para a cidade onde viviam, já que eles moravam em um quarto nos fundos da casa do pai.

Leia Mais
Músico selecionado para estudar nos Estados Unidos pede ajuda para custear viagem
Cinco problemas históricos na Região Metropolitana ainda precisam solução
Gravataí: Com melhorias, mas sem a passarela na RS-020

Saúde 

Com o suporte de uma entidade de Porto Alegre, a família conseguiu voltar para as terras catarinenses. No entanto, o marido de Ester enfrentou problemas de saúde. – Após o falecimento da minha mãe, meu marido precisou passar por uma cirurgia no coração. Depois da operação, ele perdeu o benefício do INSS. Nem tinha sarado da cirurgia e precisou catar lixo para reciclagem, trabalhou com serviços de jardinagem. Tudo isso para botar comida dentro de casa – relata.

Com a situação financeira instável, Ester solicitou a publicação, em junho de 2019, de um pedido de ajuda na seção Meu Sonho É, do DG, para voltar a Santa Catarina. 

– A gente estava sem alimentação, não tínhamos nada para as crianças. Eu não conseguia emprego por conta da obesidade. Lá, tínhamos os familiares do meu marido que podiam nos ajudar – relembra. Adêmio tinha problemas cardíacos e a família dependia da renda obtida pelos seus trabalhos informais. Além disso, Ester, que sofre de obesidade, não conseguia emprego devido à doença. – Chegando em Santa Catarina, Adêmio passou mal, não conseguia mais caminhar. Foi para o hospital e ficou em coma, na UTI. Não resistiu. Lá, fiquei sozinha – conta.

Mudanças

A vida da família mudou de uma hora para outra, e todos precisaram voltar para o Rio Grande do Sul, já que Ester não conseguia pagar o aluguel da casa. Após a morte de Adêmio, hoje, ela mora em um quarto cedido pelo pai, no bairro Jardim Aparecida, em Alvorada, com a irmã, Cássia, 32 anos, e seus quatro sobrinhos pequenos. O sonho de Ester é construir uma casa. Ela conta que os amigos tentaram realizar uma vaquinha para ajudar, porém, como o valor arrecadado foi muito baixo, o dinheiro foi usado para que ela e os filhos voltassem para Alvorada. 

– Que eles possam ter uma vida digna para morar, estudar, alimentar – desabafa.

COMO AJUDAR?

/// Para ajudar a família com roupas, alimentos, móveis, entre em contato pelo telefone (51) 98651-7185.

Produção: Vitória Fagundes

Leia mais notícias na seção Seu Problema é Nosso


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros