Início do segundo semestre na rede estadual será de aulas remotas e com rodízio de alunos em sala de aula - Notícias

Versão mobile

 
 

Entrevista ao "Atualidade"23/07/2021 | 19h03Atualizada em 23/07/2021 | 19h03

Início do segundo semestre na rede estadual será de aulas remotas e com rodízio de alunos em sala de aula

Retorno de 100% dos estudantes ocorrerá de forma gradual e com segurança sanitária, destaca secretária estadual de Educação, Raquel Teixeira

Início do segundo semestre na rede estadual será de aulas remotas e com rodízio de alunos em sala de aula Felipe Dalla Valle / Palácio Piratini/Divulgação/Palácio Piratini/Divulgação
A titular da Seduc afirmou que o rodízio de estudantes e o sistema híbrido de ensino. Foto: Felipe Dalla Valle / Palácio Piratini/Divulgação / Palácio Piratini/Divulgação
GZH
GZH

Um segundo semestre letivo com aulas presenciais ainda não será possível nas escolas estaduais do Rio Grande do Sul. Ao menos não a todas as 2.377 instituições, conforme avaliação da secretária estadual de Educação, Raquel Teixeira.  Em entrevista ao Gaúcha Atualidade, da Rádio Gaúcha, nesta sexta-feira (23), a titular da Seduc afirmou que o rodízio de estudantes e o sistema híbrido de ensino – com parte das aulas sendo de forma remota – seguirão após a volta do recesso. As férias escolares começam no próximo dia 28 e seguem até 3 de agosto.

Leia Mais
Música gaúcha anima ponto de vacinação em Porto Alegre nesta sexta-feira
Porto Alegre amplia nesta sexta vacinação para público em geral a partir de 31 anos e adolescentes com comorbidades com 12 anos ou mais
RS acumula 221 mil segundas doses de vacina contra a covid-19 em atraso de aplicação ou registro

— A partir de agosto, as aulas retornam, ainda em rodízio de alunos. Aos poucos, gradualmente, esperamos poder ter 100% dos alunos na escola. Só faremos isso quando tivermos segurança sanitária, até para que as famílias se sintam seguras nesse processo de retorno – destacou a secretária. 

Para o segundo semestre, também haverá aumento da carga horária, voltando para as quatro horas por turno. Hoje, as escolas, mesmo no formato híbrido, oferecem de duas a três horas por dia. 

Atualmente, segundo a secretária, 1.991 escolas estão funcionando em formato híbrido, mas há 342 instituições atendendo alunos somente em sistema de plantão e há outras 40 fechadas. Desde maio, as instituições já estavam autorizadas a retomar o ensino presencial, de forma escalonada e seguindo protocolos sanitários. 

Raquel destacou também que o Conselho Nacional de Educação (CNE) publicou resolução sobre o retorno imediato às aulas com recomendações de protocolos sanitários e pedagógicos. A Secretaria Estadual de Educação (Seduc) ainda está finalizando um novo documento para encaminhar às escolas e aos pais.

A decisão de retorno, segundo a secretária, também está em conformidade com as orientações do Gabinete de Crise e leva em consideração a diminuição do número de casos de covid-19 e óbitos, além da redução da ocupação hospitalar no Estado.

Sobre os casos de covid-19 nas escolas, a secretária afirmou que 38% das instituições registraram casos positivos entre professores, alunos e funcionários. Segundo ela, está dentro do esperado. 

— A nossa preocupação tem sido que a contaminação não seja dentro da escola e isso não tem acontecido — argumentou. 

A secretária destacou ainda que mais de 207 mil dos 214 mil profissionais da educação já foram vacinados contra o coronavírus

— Só não se vacinou quem não quis. É um número pequeno, mas há casos de recusa de vacinação, mesmo de professores — disse. 

Avaliações de ensino

Em relação às medidas pedagógicas de avaliação do aprendizado, Raquel comentou que o Rio Grande do Sul já está à frente com os diagnósticos do Avaliar É Tri:

— Estamos no processo de devolutiva e de trabalho nas escolas, providenciando material didático específico a partir das questões apontadas, das habilidades mais frágeis avaliadas nesse processo de teste.

Leia Mais
Ministro da Saúde projeta que todos os brasileiros maiores de 18 anos estarão vacinados com a primeira dose até setembro
Primeira vacinada contra a covid-19 no RS faz 100 anos de vida e ganha "festa" no Palácio Piratini

A avaliação diagnóstica do Avaliar É Tri tinha como objetivo principal mobilizar as escolas para o retorno dos alunos. Segundo Raquel, o RS contou com a maior participação entre os sete Estados do Brasil que realizaram avaliação semelhante, totalizando 524 mil estudantes que responderam a prova.

— A média dos Estados foi de 60%, nossa participação foi de 72%. O objetivo não era prestar atenção somente na participação e na resposta de quem fez a prova, era também ter um indicativo de potencial evasão. Estamos intensificando a busca desses 28% que não apareceram — disse. 

Raquel afirmou também que, entre 23 e 27 de agosto, outra avaliação medirá a perda de aprendizagem. No total, 45 mil alunos participarão do teste distribuído em cidades de diferentes regiões para compreender a representatividade em questões geográficas, socioeconômicas, racial e de gênero:

— É uma avaliação amostral completamente diferente da diagnóstica, que será obrigatoriamente presencial, com avaliador externo e com rigor da prova diferente. Teremos a mensuração das perdas de aprendizagem dos nossos alunos. 


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros