Jovens aprendizes produzem casinhas para cães de moradores de rua atendidos em abrigos da Capital - Notícias

Versão mobile

 
 

Abrigo pet12/08/2021 | 05h00Atualizada em 12/08/2021 | 05h00

Jovens aprendizes produzem casinhas para cães de moradores de rua atendidos em abrigos da Capital

Graças à iniciativa, animais ficam protegidos do frio

Jovens aprendizes produzem casinhas para cães de moradores de rua atendidos em abrigos da Capital Marco Favero / Agencia RBS/Agencia RBS
Cães podem passar a noite em locais mais quentinhos Foto: Marco Favero / Agencia RBS / Agencia RBS

De uma provocação da Fundação de Assistência Social e Cidadania (Fasc), surgiu um projeto que tem auxiliado cães de moradores de rua. Duas instituições de Porto Alegre, o Pão dos Pobres e a Rede Calábria, produziram 20 casinhas para pets, que foram entregues à Fasc e distribuídas pela entidade em abrigos da Capital. A iniciativa foi um retorno do contato da fundação feito com as instituições da sociedade civil.

A ação integra parte da Operação Inverno, tocada pela Fasc neste período mais complicado do ano para quem vive em situação de vulnerabilidade social. Desde 1º de julho, quando começou a operação, 120 pessoas em situação de rua aceitaram o acolhimento em hospedagem na nova modalidade oferecida pela Fasc, chamada de pousada. Neste modelo, as pessoas podem ficar sete meses nos locais, garantindo a proteção e tempo para que reorganizem as suas vidas. O acesso é realizado a partir de avaliação técnica das equipes da Fasc.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Os acolhidos nesta fase estão hospedados em 12 espaços localizados nos bairros Floresta, Santana, São João e Centro, dos quais 10 têm lugar para animais de estimação. E em dois espaços estão os 20 abrigos para animais de estimação. Conforme a Fasc, quatro cães já foram recebidos junto aos seus tutores. 

As casinhas confeccionadas por estudantes de cursos de Marcenaria de Pão dos Pobres e Calábria foram instaladas nos canis destes locais. Os animais de estimação são um dos motivos que afastam moradores de rua dos abrigos. Como muitos espaços têm restrições quanto aos bichinhos, a maioria prefere permanecer na rua do que abandoná-los. Com o espaço para os pets também valorizado, a chance de uso das pousadas públicas é maior.

Estímulo

Do total de estruturas, 10 foram produzidas no Pão dos Pobres. Professor do curso de Marcenaria do local, Elizandro Mallet conta que os estudantes ficaram empolgados com a oportunidade de fazer algo que teria efeito prático. Segundo ele, em todo final de curso – que dura cerca de um ano –, os estudantes trabalham em algum projeto que seja benéfico para a sociedade. Esta, entretanto, foi a primeira vez que os animais de estimação ganharam vez na iniciativa. 

– A gente sempre se preocupa tanto com ajudar as pessoas que esquece dos bichinhos. Mas eles também merecem tanto carinho e cuidado quanto nós – pontua o professor.

Leia também
Nova massa de ar frio derruba temperaturas no RS e só deve perder força no final de semana
Iniciativa promove a construção de fogões campeiros em ocupações de Porto Alegre
Justiça determina que Esqueletão de Porto Alegre seja desocupado em 30 dias

Conforme Elizandro, as 10 casinhas do Pão dos Pobres foram produzidas durante a primeira quinzena de julho e entregues à Fasc no mesmo período.

Profissionalizante e com viés social 

Os estudantes do Pão dos Pobres fazem o curso de Marcenaria na modalidade jovem aprendiz. Durante o tempo de estudo, esses jovens recebem assistência às suas necessidades básicas. 

– Assim, aproveitamos esta oportunidade para envolvê-los nessa ação. É uma forma de mostrarmos que nem sempre precisamos de valores financeiros para ajudar alguém – destaca o instrutor.

Segundo Elizandro, cerca de 10 alunos estiveram envolvidos no projeto de confecção das casinhas.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros