Cão comunitário desaparece e gera mobilização de moradores da zona sul de Porto Alegre - Notícias

Versão mobile

 
 

"Procura-se o Cigarro"01/09/2021 | 21h58Atualizada em 01/09/2021 | 21h58

Cão comunitário desaparece e gera mobilização de moradores da zona sul de Porto Alegre

Recompensa de R$ 500 é oferecida a quem fornecer informações que levem até o animal

Cão comunitário desaparece e gera mobilização de moradores da zona sul de Porto Alegre Lauro Alves / Agencia RBS/Agencia RBS
Moradores posaram para foto com os panfletos durante entrevista à Rádio Gaúcha Foto: Lauro Alves / Agencia RBS / Agencia RBS

Um trio que corria pelas ruas do residencial Vivendas de Nova Ipanema foi desfeito - por pouco tempo, esperam os moradores. Malhado, Polaca e Cigarro são cães comunitários que dormem em camas cobertas, instaladas sob as varandas dos imóveis do bairro Hípica, zona sul de Porto Alegre. Desde 7 de agosto, Cigarro não é encontrado pela vizinhança.

— Ele entrava na minha casa, brincava, pulava... muito dócil. A gente instalou a casinha ali, e ele nunca ia mais longe — conta a artesã Marivone Keler, 40 anos, enquanto aponta para a sacada.

LEIA MAIS
Protetoras buscam ajuda para garantir alimentação de animais acolhidos
Escola municipal da Capital incentiva valorização da cultura indígena
Ex-alunos reformam praça de escola no bairro Medianeira

O sumiço gerou uma mobilização: 2 mil panfletos foram impressos, gratuitamente, por uma vizinha que trabalha com artes gráficas, e distribuídos nas caixinhas de correio, colados nos vidros dos automóveis e afixados nos postes do bairro planejado. Nas redes sociais, postagens com a imagem do cachorro têm milhares de compartilhamentos - a página do Facebook "Procura-se o Cigarro" é administrada pela estudante Júlia Ampos, 17 anos.

— Última vez em que foi visto, ele estava brincando com as crianças, no campinho aqui do condomínio. Não tem uma pessoa que conheça ele e não se encantasse. Ele amava as crianças, brincava na rua, corria. A gente fica muito triste, porque sempre fizemos tudo por ele, e não ter notícias há quase um mês é angustiante — lamenta a garota.

O nome é referência à cor do seu pelo: branco, com uma mancha amarela no lombo, marca que lembra o filtro do tabaco.

Cigarro é irmão de Malhado, ambos filhos de Polaca. A dupla segue acolhida, pernoitando nas casas e divertindo os condôminos durante o dia. A matilha é da raça veadeiro pampeano, e o animal procurado tem em torno de 24 quilos.

O desaparecimento é uma incógnita. Parte dos terrenos não tem grade, apesar de o condomínio ser de livre circulação, e seguranças vigiarem o acesso em duas guaritas. No entanto, dizem não terem visto qualquer suspeito levando o animal. A movimentada Avenida Juca Batista fica a um quilômetro do local, mas nenhum dos tutores acredita que ele tenha fugido em direção à via. Uma criança afirma ter flagrado uma mulher carregando o cão em uma coleira, o que não convence a comunidade.

— O Cigarro é muito conhecido por todos, se alguém colocasse uma coleira e saísse com ele caminhando, a gente ia ver. Eu imagino que esteja trancado em alguma casa, por isso pedimos que denuncie, anonimamente — reforça Marivone.

Os cães chegaram ao bairro planejado no início do ano, ganharam vacina e remédios contra pulgas e carrapatos. Uma veterinária voluntária, amiga dos vizinhos, presta cuidados periódicos.

Todos castrados, para evitar a reprodução, mas antes disso uma surpresa: Polaca deu à luz três filhotes, já adotados.

— Eu tentei adotar o Cigarro, mas ele não parava em casa, gostava de circular pela rua, mas voltava pra dormir na caminha junto da mãe dele — relembra Júlia. 

Tiago Ampos, 10 anos, brincava com Malhado, na manhã desta quarta-feira (1), enquanto a irmã era entrevistada na Rádio Gaúcha. Um grupo de 14 pessoas se reuniu, durante a transmissão, expondo os cartazes com foto e telefones de contato. No anúncio, é visível a mancha nas costas que motivou o apelido, e uma dica extra para facilitar a identificação: Cigarro usava uma coleira vermelha com preto quando desapareceu.

Uma recompensa de R$ 500 é oferecida para quem der informações que indiquem o paradeiro do pet. O contato pode ser feito nos telefones (51) 99343-5275 e 99994-1735.

Confira a entrevista ao programa Gaúcha Hoje

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso   


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros