Ministro anuncia substituto do Bolsa Família com reajuste de 20% e promessa de complemento até R$ 400 em 2022 - Notícias

Versão mobile

 
 

Programa social20/10/2021 | 21h48Atualizada em 20/10/2021 | 21h48

Ministro anuncia substituto do Bolsa Família com reajuste de 20% e promessa de complemento até R$ 400 em 2022

Governo, no entanto, não explicou de onde tirará dinheiro para bancar o "benefício transitório"

Ministro anuncia substituto do Bolsa Família com reajuste de 20% e promessa de complemento até R$ 400 em 2022 Divulgação / Governo federal/Governo federal
No lugar do Bolsa Família, Auxílio Brasil Foto: Divulgação / Governo federal / Governo federal

O ministro da Cidadania, João Roma, confirmou que o Auxílio Brasil começará a partir de novembro. O novo programa social terá reajuste total de 20% em relação ao orçamento atual do Bolsa Família — que deixará de existir. 

Em um pronunciamento no Palácio do Planalto na tarde desta quarta-feira (20), Roma disse que o aumento será aplicado em cima dos atuais valores que as famílias recebem no Bolsa Família.

— É um programa que é permanente e seguirá 2021, 2022, 2023 e assim sucessivamente. Isso chama-se despesas permanentes do governo — disse o ministro.

Leia mais
Municípios gaúchos elaboram leis para a distribuição gratuita de absorventes
Feiras livres: autônomos investem no coletivo para driblar a crise
Postos de saúde da Capital usam WhatsApp para facilitar a comunicação com os usuários

Ele, porém, não confirmou o valor de R$ 400 prometido pelo presidente Jair Bolsonaro hoje em um evento no Ceará. O ministro explicou que, com o fim do auxílio emergencial, a ideia do governo é criar um benefício transitório, que seria pago até dezembro de 2022, e serviria para equalizar os valores, já que atualmente o Bolsa Família possui diversas faixas de pagamento. 

— O presidente Bolsonaro pediu para que o valor não seja menor que R$ 400 — se limitou a dizer. 

O governo federal não explicou de onde tirará dinheiro para bancar os R$ 400, já que o valor fica acima do teto de gastos do governo. 

— Estamos conversando com a área econômica para que essas necessidades sociais não ultrapassem a responsabilidade fiscal. Estamos buscando dentro do governo essas possibilidades. Não virá de recursos extraordinários — explicou Roma.

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros