Feiras livres: autônomos investem no coletivo para driblar a crise - Notícias

Versão mobile

 
 

Brique do DG20/10/2021 | 10h20Atualizada em 20/10/2021 | 10h29

Feiras livres: autônomos investem no coletivo para driblar a crise

O objetivo dos empreendedores é fortalecer o comércio local

Feiras livres: autônomos investem no coletivo para driblar a crise Félix Zucco / Agencia RBS/Agencia RBS
As feira também incentivam a integrar das comunidades. Samantha foi a idealizadora do espaço em seu bairro Foto: Félix Zucco / Agencia RBS / Agencia RBS

Incentivar o comércio local é uma importante forma de fortalecer a economia de cada região. As feiras livres, organizadas por moradores das próprias comunidades, são exemplos de espaços que carregam essa proposta. 

No Brique do DG, conheça duas dessas iniciativas, desenvolvidas na Região Metropolitana. E se você também quiser divulgar feiras que ocorrem em sua cidade, entre em contato com o DG pelo e- mail atendimento@ diariogaucho.com.br ou pelo WhatsApp ( 51) 99759- 5693. 

Passados quase dois anos após o início da pandemia, algumas pessoas têm usado da criatividade e do coletivismo para lidar com os impactos causados pelo período. Isso foi o que moveu três mulheres, moradoras de Canoas, a buscarem formas de superar a crise financeira que o país enfrenta. E, através da inauguração de uma feira livre, no bairro Fátima, o empreendedorismo uniu essas trajetórias. 

Samantha Oliveira da Silva, 34 anos, é a criadora da Feira Colabora Bunker. A ideia de lançar o espaço, conta, veio através dos muitos contatos que fez nos últimos anos. É que Samantha é estudante de Pedagogia. Hoje está perto da formatura, mas, para pagar o curso, por muitos anos fez faxinas em casas de diferentes condomínios. Foi essa atividade que a colocou em contato com autônomos que atuam na produção e comercialização dos mais variados produtos, como artesanato e alimentos.

LEIA MAIS
Família de Gravataí busca ajuda para consertar cadeira de rodas
ONG em São Leopoldo planeja construir sede
Feira de artesanato em Canoas reúne mais de cem expositores 

Em 2020, decidida a trabalhar na área que estuda, tornou- se revendedora de livros infantis e infanto- juvenis. ostou tanto do novo negócio que se mobilizou a buscar formas de ampliar as vendas. Foi quando pensou na feira. Procurou um vizinho que possui um terreno no bairro e apresentou a ideia. Após acordos, no dia 11 de julho, o espaço foi inaugurado. 

– Pensei na feira e em integrar o bairro. Queria dar uma oportunidade para as pessoas cujo sustento era só a venda de produtos em casa. Para que os vizinhos vissem o que elas fazem e pudessem conhecê- las – comenta. 

Positiva 

Movida pelo desejo de movimentar o comércio de sua comunidade, Samantha acumula as funções de organizar, administrar e promover a feira. No Instagram, ela criou uma página onde divulga o perfil dos expositores. Foi através dessa página que a empreendedora Kellen Dartora Figueira, 35 anos, ficou sabendo da existência do local e decidiu fazer contato. 

Com uma filha de três anos e sem creches, devido à pandemia, Kellen explica que não podia buscar trabalhos fora de casa. Para gerar renda, em janeiro abriu uma papelaria online:

– A feira veio de uma forma bem positiva, pois acelerou muito a venda, o contato com os clientes. 

Por ser em seu bairro, os moradores também passaram a procurá- la no pós- feira. As vendas aumentaram. No dia de seu lançamento, a feira contava com 12 expositores. Hoje já são mais de 80 cadastrados. 

– Desde que comecei a ir participar, a feira me abriu muitas oportunidades – pontua Carla Rodrigues, 37 anos, outra expositora do espaço que, depois de ser demitida durante a pandemia, passou a trabalhar com a comercialização de cristais. 

Samantha explica que não é preciso pagar um valor em dinheiro para expor. O que ela pede é a doação de um quilo de alimento não perecível, utilizado no preparo de refeições para pessoas em situação de rua. 

CONFIRA
/// A Feira Colabora Bunker ocorre todos os domingos ( exceto em dias chuvosos), das 15h às 19h, na Rua Joaquim Caetano, 784, bairro Fátima, em Canoas.
/// Conta com pinturas em gesso, artesanato, artigos para chimarrão e alimentos.
/// Mais informações em @ feirinhacolabora, no Instagram. 

 Em Gravataí, feira itinerante foca na economia solidária

Giovana foi a idealizadora do espaço, que busca  fortalecer a economia da cidade<!-- NICAID(14918723) -->
Giovana é a idealizadora da feira de GravataíFoto: Gy Baronoi / Arquivo Pessoal

Um pouco mais antiga, a Feira em Movimento está há três anos em atividade na cidade de Gravataí. Localizada na Praça Jayme Caetano Braun, Parada 68, ela ocorre uma vez por mês. Sua origem tem relação com outro evento tradicional na região.

Carla Giovana Silva, 49 anos, é a idealizadora do espaço. Ela explica que, anualmente, a Associação de Moradores Cohab realiza uma grande festa para as crianças do bairro. Em uma das edições, ela questionou o fato de que todos os anos precisavam ir atrás de  patrocínios para realização do evento, quando havia tantas pessoas na própria comunidade de poderiam ajudar. Então, pensando em uma forma de unir empreendedores da região, organizou a feira, e o objetivo central do espaço se tornou fortalecer o comércio local. 

Giovana trabalha na prefeitura, no conselho de economia solidária da cidade. Com esse acesso, se informou sobre os caminhos que precisaria seguir para conseguir a liberação para a implementação da feira, já que utilizam uma área pública. Em seguida, junto com a associação e com outros moradores, buscou dentro do bairro as pessoas interessadas em se tornarem expositoras. O ano era 2017. 

Por algum tempo, a feira seguiu somente na Praça da Cohab, como também é conhecida, mas na sequência se tornou itinerante. De olho na economia solidária de cada bairro, os organizadores selecionaram as seis principais praças da cidade e, a cada mês, a Feira em Movimento ocorria em um ponto diferente. 

– O foco é movimentar o comércio do bairro. Quando fazemos a primeira feira, depois muitas pessoas nos procuram para participar da próxima, e elas também trazem gente nova. É bem legal – conta Giovana. 

Após um longo período suspensa, devido às restrições para conter a pandemia, no dia 12 de setembro a feira foi reinaugurada. 

QUANDO
/// A próxima edição da feira está agendada para o dia 7 de novembro, na praça da Rua Jaguaruna.  O evento começa às 10h e segue até as 18h.
/// Mais informações: ( 51) 99708- 4674. 

Produção: Émerson Santos


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros