Prefeitura de Cachoeirinha vai decretar situação de emergência em razão de problemas na coleta de lixo - Notícias

Versão mobile

 
 

Região Metropolitana15/10/2021 | 21h35Atualizada em 15/10/2021 | 21h35

Prefeitura de Cachoeirinha vai decretar situação de emergência em razão de problemas na coleta de lixo

Objetivo é conseguir contratar nova empresa para ajudar a normalizar o serviço

Prefeitura de Cachoeirinha vai decretar situação de emergência em razão de problemas na coleta de lixo Ronaldo Bernardi / Agencia RBS/Agencia RBS
MP investiga suposto esquema de pagamento de propina por empresários a agentes públicos Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS / Agencia RBS

A prefeitura de Cachoeirinha vai decretar situação de emergência em razão dos problemas na coleta de lixo na cidade. Em entrevista a GZH no último sábado (9), o secretário de Infraestrutura e Serviços Urbanos, Valdir Matos, disse que o serviço seria normalizado nesta sexta-feira (15), o que não ocorreu.

LEIA MAIS
Cachoeirinha completa seis dias sem recolhimento de lixo, e nova previsão é de que serviço seja retomado no sábado
Coleta de lixo é suspensa em Cachoeirinha após operação do MP que afastou prefeito e empresas terceirizadas 

A retomada do recolhimento completou sete dias, mas as ruas do município seguem com sacos de resíduos em frente a residências e com contêineres trasbordando.

A coleta reiniciou após a contratação de uma nova terceirizada. O serviço ficou interrompido por uma semana em razão da suspensão dos contratos com as empresas que faziam o recolhimento, por decisão judicial, a pedido do Ministério Público. 

Promotores e procuradores investigam um suposto esquema de pagamento de propina por empresários a integrantes e ex-integrantes da prefeitura. O prefeito Miki Breier foi afastado do cargo.

O vice, Maurício medeiros, que assumiu o comando do Executivo, admite que a empresa contratada para fazer o serviço não está dando conta da demanda. Ele explica que são apenas quatro caminhões, e o serviço é feito de forma manual. Antes da deflagração da operação, eram sete veículos, sendo quatro para coleta manual e três para a coleta mecanizada.

— Essa empresa contratada tem uma limitação de toneladas. São 1,4 mil por mês. E estamos decretando situação de emergência na cidade para avançar nessa quantidade — diz Cardoso.

Conforme o prefeito em exercício, foi feito um chamamento público por meio de carta-convite, e a empresa que reforçará a coleta será conhecida ainda nesta sexta-feira para começar os trabalhos na segunda (18).

— Aí teremos nove caminhões trabalhando. Com isso, pretendemos normalizar o serviço na outra sexta-feira (dia 22).

A empresa contratada vai realizar a coleta manual. Neste momento, ainda não haverá contratação para coleta mecanizada. Ou seja, os próprios garis terão de retirar os sacos de lixo dos contêineres, além de fazer o recolhimento em frente às residências. 

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros