Cooperativa de mulheres busca ajuda para consertar veículo - Notícias

Versão mobile

 
 

Seu Problema é Nosso18/11/2021 | 10h19Atualizada em 18/11/2021 | 10h27

Cooperativa de mulheres busca ajuda para consertar veículo

O carro é a principal ferramenta do grupo que trabalha com reciclagem 

Cooperativa de mulheres busca ajuda para consertar veículo Félix Zucco / Agencia RBS/Agencia RBS
Nove mulheres tiram sua renda dos materiais que a cooperativa coleta Foto: Félix Zucco / Agencia RBS / Agencia RBS

A reciclagem é uma atividade que garante o sustento de diversas famílias. E é justamente dessa prática que as gurias da SDV Reciclando, cooperativa de mulheres moradoras do bairro Agronomia, em Porto Alegre, tiram suas rendas. Porém, há quatro meses, o veículo que utilizam para o transporte do material que recolhem passou a apresentar problemas que exigem reparos urgentes. Sem o valor necessário para realizar todos os consertos que o carro precisa, elas já sentem sua atividade sendo impactada e buscam ajuda para as despesas. 

Foi em 2018 que as irmãs Stefani, 27 anos, e Paula Guedes, 31 anos, criaram a cooperativa. Na busca por independência financeira e empoderamento feminino, desde seu início, o grupo tem uma atuação que conecta a geração de renda com as práticas sociais. E Penélope, nome carinhosamente dado ao veículo da cooperativa, assume um papel importante em suas rotinas. 

LEIA MAIS
Jovem espera há sete meses por resposta do INSS
Conheça o trabalho da ONG Coletivo Autônomo Morro da Cruz, premiada no Prêmio Líderes e Vencedores
Família enfrenta vazamento difícil de resolver na Restinga

No trabalho, o carro é a principal ferramenta, pois facilita o transporte das cargas que as gurias juntam. Stefani explica que, com Penélope, os materiais são levados do local onde fazem a separação dos resíduos para os pontos em que são vendidos. Logo, a utilização do veículo permite que trabalhem com um volume maior de cargas, garantindo, consequentemente, maior renda para elas. 

Empréstimo 

A primeira manutenção foi no motor. Em outubro, após alguns meses apresentando falhas, elas o levaram a um mecânico, que viu a necessidade de um reparo de emergência. Porém, o valor do conserto era alto. Sem condições de pagar, pediram empréstimos para os proprietários dos locais que compram seus materiais, com o acordo de devolverem os valores por meio da entrega do material que recolherem.  

– Temos ainda que consertar os amortecedores, pois parece que o peso (das cargas) os danificou. Estamos apavoradas, mas a gente sabe que não dá para desacreditar – desabafa Stefani. 

Devido à necessidade de deixar parte da coleta como pagamento dos empréstimos, temporariamente foi reduzido o número de trabalhadoras da cooperativa. Das nove que lá atuam, apenas quatro estão em atividade. Uma delas é Deise Alves, 31 anos, que ingressou na cooperativa logo em seu início. Paula e Stefani a convidaram para o trabalho pois, na época, como havia acabado de perder o marido, Deise enfrentava problemas financeiros. 

– Elas me deram esta oportunidade. Eu aceitei, pois tenho quatro meninas. Mas, agora, a gente está parada, porque a Penélope ajuda a nos levar, ajuda em nossa dificuldade de ir caminhando pegar os materiais – conta Deise, ao falar sobre a importância do veículo. 

O que as têm ajudado são as doações de cestas básicas feitas por moradores de um dos condomínios onde recolhem os recicláveis. Estes alimentos são entregues às cinco mulheres que, hoje, estão paradas. 

PORTO ALEGRE, RS, BRASIL,  11/11/2021- Cooperativa de recicladoras do beco dos cafunchos, pede ajuda para consertar veículo de trabalho. Na foto, (esq/dir))Paula e a Stefani Guedes de Aiedo, irmãs que criaram o grupo. Foto: Félix Zucco / Agencia RBS<!-- NICAID(14938287) -->
O veículo também é utilizado para fazer o transporte de doaçõesFoto: Félix Zucco / Agencia RBS

Doações

Apesar de ainda precisar de muitos reparos, o veículo, diz Stefani, já voltou a ser utilizado. É que elas não podem parar totalmente de trabalhar. Preocupadas em demorar a quitar as dívidas, as irmãs pedem ajuda para arrecadar o valor total que cobriria os empréstimos e o conserto dos amortecedores. A soma é de R$ 8.227.

Penélope também atua nas entregas de doações das campanhas sociais que as gurias organizam.  É comum arrecadarem alimentos, roupas e materiais escolares para os moradores de sua comunidade. 

A história de Penélope

O veículo da cooperativa é fruto de uma doação. Stefani conta que, no ano passado, as gurias foram procuradas por uma senhora que desejava apoiar o grupo de alguma forma. Em seus primeiros contatos, essa pessoa levou alimentos para ajudá-las e, com o tempo, foi também conhecendo o trabalho social que elas realizam no bairro. 

Na época, a cooperativa havia lançado uma vaquinha online, que tinha o objetivo de arrecadar o valor para a compra de um carro novo. É que elas possuíam um veículo de trabalho, que chamavam de Pé de Pano, mas ele era muito velho, já sem condições de uso. 

Ao saber disto, a senhora que estava ajudando com alimentos, resolveu fazer uma contribuição maior. Pegou parte de um valor que havia recebido e, junto com outros amigos, comprou a Penélope e a doou para as gurias.  

– A ideia de elas terem um carro em melhores condições sempre esteve condicionada à realização de um trabalho na comunidade. Ou seja, além de ser importante para o grupo da reciclagem, também passou a ser uma contribuição para toda a comunidade onde elas estão inseridas – comenta a doadora, que prefere se manter no anonimato. 

Como ajudar

/// Para arrecadar o valor de R$ 8.227 e pagar as despesas do carro, o grupo tem pedido doações financeiras. É possível apoiar com qualquer quantia através da chave PIX CPF 84747056068. 

/// Para contatar a SDV Reciclando e saber quais são as outras formas de colaborar com o projeto, entre em contato pelo WhatsApp (51) 98955-7657.

Produção: Émerson Santos


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros