Instituto Adolfo Lutz, de São Paulo, confirma dois casos da variante Ômicron no Brasil - Notícias

Versão mobile

 
 

Nova cepa30/11/2021 | 21h47Atualizada em 30/11/2021 | 21h47

Instituto Adolfo Lutz, de São Paulo, confirma dois casos da variante Ômicron no Brasil

Diante do diagnóstico, homem de 41 anos e mulher de 37 foram orientados a permanecer em isolamento domiciliar; ambos estão sendo monitorados

Instituto Adolfo Lutz, de São Paulo, confirma dois casos da variante Ômicron no Brasil Jonatan Sarmento/Arte GZH
Primeiros casos detectados no Brasil Foto: Jonatan Sarmento / Arte GZH

O Brasil identificou, na tarde desta terça-feira (30), dois casos de covid-19 causados pela variante Ômicron, em São Paulo. Trata-se de um homem, de 41 anos, e de uma mulher, de 37, provenientes  da África do Sul. Eles forneceram amostras na última quinta-feira para o Hospital Albert Einstein, que realizou o sequenciamento genético e apontou preliminarmente a presença da variante identificada primeiramente em Botsuana. O Instituto Adolfo Lutz, de São Paulo, confirmou que se trata de infecção pela nova variante do coronavírus.

LEIA MAIS
Quais são as principais dúvidas envolvendo a Ômicron e as vacinas
Governo federal fecha acordo com Pfizer por mais 100 milhões de doses de vacinas
Confira perguntas e respostas sobre a aplicação de doses de reforço contra a covid-19

Segundo o governo de São Paulo,  eles desembarcaram no Brasil pelo Aeroporto de Guarulhos na terça-feira passada. Para retornar à África do Sul, o casal realizou exame RT-PCR no laboratório do Aeroporto de Garulhos dois dias depois, em 25 de novembro – o teste é exigido para entrada no país africano. 

O casal, que apresentava sintomas leves na ocasião, testou positivo para covid-19, e o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS) de São Paulo foi notificado. O Hospital Albert Einstein realizou o sequenciamento genético das amostras e informou, ontem, que foi identificada, em análise prévia, a variante Ômicron. A informação foi atualizada por pesquisadores do Albert Einstein à tarde, no portal Gisaid, que compila dados de vigilância genômica ao redor do mundo. 

A instituição confirmou, por meio de nota, que detectou a variante com uso da técnica de Sequenciamento de Nova Geração. 

 A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo informou, também em nota, que o homem tem 41 anos, e a mulher, 37. Diante do diagnóstico positivo, foram orientados a permanecer em isolamento domiciliar. Ainda segundo a pasta estadual, ambos estão sob monitoramento das vigilâncias estadual e municipal, juntamente com familiares. 

De acordo com o portal G1, os dois são missionários que moram na África do Sul e vieram para São Paulo visitar familiares que moram na Zona Leste da capital paulista. Não há registro no VaciVida de vacinação deles contra a covid no Estado de São Paulo, ainda conforme o portal, o que não significa que não tenham se vacinado em outro Estado.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) destacou que a entrada do passageiro no Brasil ocorreu antes da notificação mundial sobre o surgimento da Ômicron, relatada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), e do bloqueio realizado pelo governo a passageiros que circularam em países africanos.

Um terceiro passageiro suspeito de ter se infectado pela cepa é investigado em Guarulhos (SP). O Instituto Adolfo Lutz realiza o sequenciamento genético da amostra de do homem, que testou positivo para o coronavírus no domingo (28), após ter chegado no aeroporto de Guarulhos, vindo da Etiópia. Segundo o governo de São Paulo, ele não apresentava sintomas da doença, mas procurou a testagem por ter visitado a África do Sul. Ele  segue em isolamento no município desde o desembarque e é monitorado pela Vigilância Sanitária.

Outros dois casos, em Brasília e em Belo Horizonte, também estão sob análise.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros