Jovens negros formam-se em curso de aviação e constroem novo futuro - Notícias

Versão mobile

 
 

Pretos que Voam24/11/2021 | 09h27Atualizada em 24/11/2021 | 09h27

Jovens negros formam-se em curso de aviação e constroem novo futuro

Até o dia 15 de dezembro, o projeto pretende arrecadar R$ 90 mil para financiar nova turma 

Jovens negros formam-se em curso de aviação e constroem novo futuro André Ávila / Agencia RBS/Agencia RBS
Formatura ocorreu no Dia da Consciência Negra, na Capital Foto: André Ávila / Agencia RBS / Agencia RBS

O sonho de ter uma formação como comissário de voo se tornou realidade para os 10 alunos da primeira turma do projeto Pretos que Voam, uma iniciativa social do coletivo Quilombo Aéreo, que tem como objetivo aumentar a presença de profissionais negros na área. No Dia da Consciência Negra, 20 de Novembro, a turma realizou a cerimônia de formatura na Sociedade Beneficente Cultural Floresta Aurora, no bairro Lomba do Pinheiro, na Capital

Durante nove meses, os alunos participaram do curso de aviação e de um minicurso de língua estrangeira. Além disso, tiveram os valores dos uniformes e da taxa das provas junto à Agência de Aviação Civil totalmente pagos. Uma das idealizadoras do projeto, Kenia Aquino, 36 anos, moradora do bairro Partenon, diz que a procura surpreendeu a equipe: foram mais de 200 inscritos. Além disso, o projeto foi procurado por pessoas de outros Estados, como Bahia, Ceará, São Paulo e Rio de Janeiro. 

– Quando o idealizamos, pensávamos que seria possível termos os 10 alunos. Mas jamais pensamos que a repercussão seria tão grande – conta Kenia.

LEIA MAIS
Primeira turma do projeto Pretos que Voam tem formatura prevista para novembro
Projeto oferece bolsas para formar comissários de voo negros em Porto Alegre
Primeira turma de comissários negros se forma amanhã na Capital

Seleção

O projeto contou com o apoio da Associação de Afroempreendedores do Estado (Odabá). As psicólogas Camila Crescêncio da Rosa e Maiara Medeiros foram as responsáveis pela seleção. Com experiência de mais de 10 anos em Recursos Humanos, Camila explica que o processo foi desenvolvido por uma equipe que fez questão de pensar em estratégias para atingir o público certo.

 Foram diversas etapas em que a realidade social dos interessados foi levada em consideração. Ela conta que o desafio começou em informar jovens periféricos sobre o projeto. Para isso, além das redes sociais, as selecionadoras atuaram em conjunto com líderes comunitários: 

– Tivemos o cuidado para que o projeto, de fato, atendesse um público em vulnerabilidade social e que fosse negro.

Apesar de não estar previsto no edital, alguns dos jovens que participaram das últimas etapas da seleção tiveram acesso a mentorias curtas e gratuitas para aprimorar o currículo e saber como se destacar em entrevistas de emprego. 

– Nós sentíamos que tínhamos uma responsabilidade mesmo com os que não foram selecionados – explica Camila. 

Além da condição social e racial, as selecionadoras observaram a questão familiar dos inscritos para que o projeto fosse realmente um instrumentos de transformação social. E a atuação das psicólogas não se encerrou ao fim do processo seletivo. Elas auxiliaram os alunos durante a entrega da documentação e ao longo do curso.

PORTO ALEGRE, RS, BRASIL - 2021.10.20 - O projeto tem como objetivo incentivar a presença de pessoas negras na aviação. Durante nove meses, 10 alunos realizaram o curso de aviação e um minicurso de língua estrangeira. Além disso, eles tiveram o valor dos uniformes e a taxa das provas junto à Agência de Aviação Civil pagos pelo projeto. Conforme dados levantados pelo Quilombo Aéreo, grupo de tripulantes negros da aviação, em 2020 o número de comissários negros atuando no Brasil totalizava cerca de 5% do quadro de funcionários. Na foto: Dhionathan Nascimento da Cunha (Foto: ANDRÉ ÁVILA/ Agência RBS)Indexador: Andre Avila<!-- NICAID(14946395) -->
Dhionatan aguarda por processos seletivosFoto: André Ávila / Agencia RBS

“Sou o primeiro da família a ter uma formação”, diz aluno

Um dos selecionados foi Dhionatan Nascimento da Cunha, 20 anos, morador do bairro Feitoria, em São Leopoldo. Para ele, o principal desafio foi dar conta da rotina de estudos e trabalho. Durante a formação o jovem saía de casa às 5h e retornava sempre após a 0h. Além disso, a rotina agitada fez com que ele perdesse 10 quilos já no primeiro mês. Dhionatan soube do curso por uma amiga que atua na área. Apesar de a formação ser uma vontade antiga, a questão financeira sempre fez com que o sonho fosse adiado. 

– Eu sabia que era um curso com alto investimento. Além disso, o fato de não ver tantos negros nessa área me aborrecia. Mas agora estamos aí – comemora.

Dhionatan conta que não acreditou quando soube que era um dos selecionados e, apesar da dificuldades das aulas, não se arrepende de tudo que precisou viver para finalizar o curso. Agora, o objetivo é continuar estudando idiomas e participar de processos seletivos para ingressar em uma companhia aérea.

PORTO ALEGRE, RS, BRASIL - 2021.10.20 - O projeto tem como objetivo incentivar a presença de pessoas negras na aviação. Durante nove meses, 10 alunos realizaram o curso de aviação e um minicurso de língua estrangeira. Além disso, eles tiveram o valor dos uniformes e a taxa das provas junto à Agência de Aviação Civil pagos pelo projeto. Conforme dados levantados pelo Quilombo Aéreo, grupo de tripulantes negros da aviação, em 2020 o número de comissários negros atuando no Brasil totalizava cerca de 5% do quadro de funcionários. Na foto: idealizadoras Kenia Aquino e Laiara Amorim.(Foto: ANDRÉ ÁVILA/ Agência RBS)Indexador: Andre Avila<!-- NICAID(14946394) -->
Kenia (E) e Laiara idealizadoras do projetoFoto: André Ávila / Agencia RBS

Planos

Kenia explica que o principal desafio do projeto segue sendo o racismo estrutural presente na sociedade. Segundo ela, até hoje a iniciativa recebe críticas pelo foco na formação de profissionais negros. Porém, ela e Laiara Amorim Borges, outra idealizadora do projeto, não se deixam abater. Nessa semana, lançaram a campanha que financiará a próxima turma. Até o dia 15 de dezembro, pretendem arrecadar R$ 90 mil. E as novidades não param. Agora, elas trabalham para criar uma escola pioneira em aviação afrocentrada no país.

– Será a primeira com essa temática no Brasil – antecipa Kenia.

A primeira turma do projeto Pretos que Voam foi convidada para conhecer a sede da Gol, em São Paulo<!-- NICAID(14947078) -->
Turma conheceu a sede da Gol, em São PauloFoto: Reprodução / Arquivo Pessoal

Na segunda-feira passada, pós-formatura,  a partir de uma parceria com a Central Única das Favelas (Cufa), os alunos visitaram a sede da companhia aérea Gol, em São Paulo. Eles passaram o dia conhecendo o centro de treinamento e outras dependências da empresa. Os alunos tiveram as passagens áreas e a alimentação pagas pela companhia.

CONFIRA:
/// Mais informações sobre o projeto estão no site quilomboaereo.com.br.
/// Doe a partir de R$ 15 até 15 de dezembro em benfeitoria.com/pretosquevoam.

Produção: Kênia Fialho

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros