Porto Alegre confirma primeira morte no ano por influenza H3N2 - Notícias

Versão mobile

 
 

Gripe31/12/2021 | 13h49Atualizada em 31/12/2021 | 13h49

Porto Alegre confirma primeira morte no ano por influenza H3N2

Paciente morreu no dia 20, mas a confirmação laboratorial ocorreu no início da noite da última quarta-feira (29)

GZH
GZH

O primeiro óbito de morador de Porto Alegre com diagnóstico de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e influenza A H3N2 foi informado nesta quinta-feira (30) pela Vigilância em Saúde do município. Segundo o órgão, o paciente morreu no dia 20, mas a confirmação laboratorial ocorreu no início da noite da última quarta-feira (29). 

A vítima trata-se de um homem, 53 anos, com doença crônica, tabagista, que morreu por choque hipovolêmico e SRAG. Ele faleceu durante atendimento no setor de emergência do Hospital Conceição.

LEIA MAIS
É gripe, resfriado ou covid? Veja quais as diferenças
Com avanço da Ômicron e da gripe H3N2, cuidados devem ser redobrados nas festas de final de ano
Com risco da variante Ômicron, parte das praias gaúchas não planeja shows para o Réveillon; veja situação em cada cidade

Em dezembro, Porto Alegre já teve 45 casos confirmados de Influenza A H3N2. Não houve casos nos demais meses do ano. Do total, 13 apresentaram SRAG. Além do paciente que morreu, cinco já receberam alta e sete ainda estão internados e em tratamento.

Desde a metade do mês, hospitais da Capital viram um aumento nos atendimento de casos da doença em suas alas de urgência e emergência. A situação está sendo monitorada, mas, por enquanto, é considerada sob controle.

Com os novos casos, a prefeitura de Porto Alegre reitera a importância de pessoas que integram grupos prioritários para vacinação buscarem unidades de saúde para receber o imunizante. Apesar de a vacina contra a gripe oferecida nos postos de saúde neste ano não prever a imunização contra a cepa H3N2, a recomendação de especialistas e órgãos sanitários é de que as pessoas busquem a vacinação como forma de prevenir quadros mais graves da doença.

Os grupos prioritários com meta contabilizada são crianças acima de cinco anos, gestantes, trabalhadores da saúde, puérperas, pessoas com deficiência, pessoas com comorbidades, forças de segurança, professores, indígenas e idosos. A meta de imunização em Porto Alegre neste ano foi atingida somente nos grupos de idosos e indígenas. 

No entanto, a vacina é oferecida a todas as pessoas com mais de seis meses de idade, sem limite de faixa etária. Não há necessidade de intervalo mínimo de 14 dias entre doses da vacina contra gripe e da covid-19.

Os imunizantes estão disponíveis nesta quinta dentro do horário de funcionamento das unidades de saúde, e na sexta (31), até o meio-dia em todos os postos. Os endereços podem ser conferidos neste link.

Prevenção e tratamento

As medidas de prevenção à contaminação são as mesmas recomendadas para o coronavírus: uso de máscaras, distanciamento social, ventilação de ambientes e vacinação. A doença tem tratamento comprovado com Tamiflu (Oseltamivir). A prescrição fica a critério do médico, após avaliação clínica.

Imunização em Porto Alegre

Os percentuais da vacinação em Porto Alegre, por grupo, são os seguintes, de acordo com dados do LocalizaSUS de 9 de dezembro (ainda não atualizados em função da inoperância de sistemas de informação do Ministério da Saúde): 

///  Idosos – 163%
///  Indígenas – 98%
///  Crianças –65%
///  Trabalhadores da saúde – 52%
///  Gestantes – 51%
///  Professores – 47%
///  Puérperas – 38%
///  Forças de segurança – 34%
///  Comorbidades – 31%
/// Pessoas com deficiência – 2%

Leia mais notícias do Diário Gaúcho 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros