Problemas em estações de bombeamento causam falta de água em bairros de Porto Alegre - Notícias

Versão mobile

 
 

Transtornos03/01/2022 | 21h54Atualizada em 03/01/2022 | 21h54

Problemas em estações de bombeamento causam falta de água em bairros de Porto Alegre

Uma delas foi retomada ainda no final da manhã; cerca de 30 pontos da capital seguem afetados

Problemas em estações de bombeamento causam falta de água em bairros de Porto Alegre Twitter @dmaepoa / reprodução/reprodução
Equipes do Dmae trabalharam durante a madrugada na Estação São Manoel Foto: Twitter @dmaepoa / reprodução / reprodução
GZH
GZH

Pelo menos duas estações de bombeamento seguem sem operar, prejudicando o fornecimento de água para moradores de cerca 30 localidades de Porto Alegre nesta segunda-feira (3). A estação Morro do Osso, na Zona Sul, está paralisada por falta de energia elétrica, afetando o abastecimento em bairros como Camaquã e Cavalhada. A estação Luis Bettiol, na mesma região, também ficou comprometida mas voltou a funcionar por volta das 11h. Moradores dos bairros Campo Novo, Hípica e Chapéu do Sol devem ter o serviço normalizado nas próximas horas. 

LEIA MAIS
Prazo para pagar IPTU com desconto de 8% se encerra nesta terça-feira em Porto Alegre
Prefeitura de Porto Alegre autoriza abertura de piscinas públicas
As linhas de ônibus de Porto Alegre que mais foram alvo de reclamação em 2021 

O Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) informa também que a tempestade durante na tarde de domingo (2) causou danos na tubulação da estação São Manoel. Bairros das zonas Leste e Norte são impactados (veja abaixo).

No morro da Cruz, na Vila São José, Zona Leste, moradores relatam falta d'água desde a tarde de domingo. É o caso do servidor público Marco Aurélio, que há 17 horas busca alternativas para conseguir se hidratar em meio ao calor.

— Tive que comprar garrafas de água mineral. Estou há um dia sem tomar banho e sofrendo muito com o calor — afirma.

Conforme o diretor-geral do Dmae, Alexandre Garcia, o problema se originou de um excesso de pressão causado por um pico de energia. A estação ficou alagada por quatro horas e, apenas às 5h30min, foi possível chegar ao local do vazamento.

— Trata-se de um problema complexo, pois é uma estação da década de 1980, em que a parte subterrânea não foi reformada. Estamos estudando a melhor maneira de parar a água, que segue correndo no local do vazamento, para então fazer a soldagem e retomar o bombeamento — afirmou Garcia, em entrevista ao Gaúcha Atualidade, da Rádio Gaúcha.

Ainda conforme o Dmae, a previsão é de que o conserto seja concluído ao longo do dia. Inicialmente, a estimativa de retorno era para o meio-dia. Com isso, o abastecimento deve ser restabelecido entre a noite e a madrugada, podendo demorar mais nas partes mais altas.

As áreas afetadas são: Jardim Carvalho, Boa Vista, Jardim Ipê, Bom Jesus, Vila Jardim, Vila Fátima Pinto, Cefer 1 e 2, Lomba do Pinheiro, Aparício Borges, Jardim Botânico, Partenon (parte), Petrópolis (parte), Santana, Santo Antônio, Jardim do Salso, Jardim Carvalho, São José, São José Comunitária, Agronomia, Vila dos Sargentos, Hospital Independência, Intercap, Campo da Tuca, Vila João Pessoa, Chácara das Pedras e Três Figueiras.

Durante o conserto da São Manuel, está sendo necessário fazer o desligamento em outras redes, como a das estações de bombeamento Gutemberg e Carlos Gomes, afetando ainda os bairros Higienópolis e Boa Vista. 

Sem relação com gosto e cheiro na água

O diretor-geral do departamento garante que os problemas nas três estações não irão afetar o gosto e o cheiro da água, problema que vem sendo registrado por parte dos moradores da Capital. Isso porque as mudanças causadas pela presença das chamadas "algas azuis" afetam apenas as estações Moinhos de Vento e São João.

Já em regiões como o bairro Menino Deus, o órgão alerta para um possível cheiro mais forte de cloro, em razão das mudanças nas substâncias da água captadas pela estação da região.

— O que percebemos é que tivemos que aumentar a quantidade cloro em razão da carga orgânica que estamos recebendo nos últimos dias. É possível que os moradores da região sintam um cheiro e um gosto mais forte da água — relatou Garcia. 

Ouça a entrevista completa:

 Leia mais notícias do Diário Gaúcho 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros