Em 15 dias, mais de 37 mil crianças receberam primeira dose da vacina contra covid-19 na Região Metropolitana  - Notícias

Versão mobile

 
 

Pandemia04/02/2022 | 05h00Atualizada em 04/02/2022 | 05h00

Em 15 dias, mais de 37 mil crianças receberam primeira dose da vacina contra covid-19 na Região Metropolitana 

Dados de nove cidades da Grande Porto Alegre mostram que menos de 14% do total de crianças de cinco a 11 anos já receberam a primeira dose do imunizante que protege da doença causada pelo coronavírus

Em 15 dias, mais de 37 mil crianças receberam primeira dose da vacina contra covid-19 na Região Metropolitana  Porthus Junior / Agencia RBS/Agencia RBS
Crianças de cinco a 11 anos começaram vacinação em 18 de janeiro no RS Foto: Porthus Junior / Agencia RBS / Agencia RBS

Cerca de 15 dias transcorreram desde o início da vacinação contra a covid-19 para crianças de cinco a 11 anos no Rio Grande do Sul. E na Região Metropolitana, nove cidades já vacinaram mais de 37 mil guris e gurias com a primeira dose do imunizante pediátrico. 

Leia mais
Ômicron ainda avança no RS, mas dá sinais de desaceleração; veja os gráficos
Tomei a vacina e testei positivo: e agora? Especialista esclarece dúvidas
RS tem recorde de casos, mas óbitos são 22 vezes menores do que no auge da pandemia

O número ainda é pequeno dentro do total a ser vacinado. Nestes oito municípios, são quase 275 mil crianças dos cinco aos 11 anos para serem imunizadas — 42,9% deste número está em Porto Alegre, onde são 118 mil no público-alvo desta faixa etária.

Pelos dados enviados pelas prefeituras ao Diário Gaúcho, Viamão é a cidade que tem a maior proporção de crianças vacinadas. Na cidade, são 24.545 pequenos aptos a serem imunizados. Até a última terça-feira (1º), 7.052 já haviam recebido a primeira dose do imunizante pediátrico contra a covid-19. O número representa 28,73% do total de crianças vacináveis. 

Prefeito e secretário de Saúde em Viamão, Valdir Bonatto, conta que a cidade adotou estratégias que permitissem dobrar a capacidade de vacinação, colocando as crianças para serem vacinadas em unidades de ensino do município. 

— A vacinação infantil tem toda a questão de espaço necessário para acolhimento para a criança depois da aplicação. Pensando nisso e também em não levar as crianças para espaços onde pessoas contaminadas ou com suspeita já aguardam atendimento, buscamos nossas unidades de ensino, que estão fechadas pelo período de férias. Assim, dobramos nossa capacidade de atendimento e temos conseguido índices satisfatórios de atendimento aos pequenos — pontua o titular do Executivo e da pasta de Saúde.

O segundo lugar é de São Leopoldo, onde 3.285, ou 21,9%, das 15 mil crianças já foram vacinadas, conforme estimativas das pastas de Saúde e Educação. E em terceiro aparece Esteio, onde 21,35% do total do público-alvo foi imunizado com a primeira dose — bem próximo do índice de São Léo. Em Esteio, são 6.988 crianças aptas a serem imunizadas e 1.492 receberam a primeira dose até a última sexta-feira (28), conforme os dados mais recentes do município. 

A prefeitura considera o dado positivo, pois Esteio ainda vacina apenas dos oito aos 11 anos no público geral. Em São Leopoldo a imunização já contempla dos seis aos 11 anos. E em Viamão, toda a faixa etária é atendida.

Diferenças entre locais

É válido ressaltar que a vacinação avança de formas diferentes nas cidades. Algumas, como Canoas, por exemplo, vacinam crianças de cinco a 11 anos com comorbidades ou deficiência permanente e dos 10 aos 11 anos para crianças sem comorbidades. Na cidade, 2.313 crianças foram vacinadas com a primeira dose, o que representa 7,53% dos 30.718 aptos a tomarem o imunizante pediátrico. 

Em Guaíba, outro exemplo, a imunização segue por faixa etária em ordem decrescente. Neste momento, são atendidos os pequenos de nove a 11 anos. Na próxima semana, a ideia é baixar para sete anos, segundo a prefeitura de Guaíba. A cidade vacinou com a primeira aplicação 934 meninos e meninas, 10,94% das 8.534 crianças aptas a esta etapa da campanha.

Ainda assim, das nove cidades que retornaram com os dados da vacinação infantil ao Diário Gaúcho, seis superaram os 10% de vacinados entre o público dos cinco aos 11 anos. Alvorada está bem próxima do índice também, com 9,5% das crianças vacináveis já tendo tomado a primeira dose. Na cidade, são 22 mil crianças no público-alvo, sendo cerca de 2.100 com a primeira dose aplicada.

Em Porto Alegre, conforme a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), cerca de 15 mil crianças entre cinco e 11 anos já tomaram a primeira dose. Na Capital, são estimados 118 mil meninos e meninas neste público-alvo. Portanto, 12,71% do total já recebeu a primeira aplicação. Na cidade, todas as crianças a partir de seis anos já podem ser vacinadas. Entre os grupos prioritários, toda as faixas etárias são contempladas, dos cinco aos 11 anos.

A reportagem também pediu os dados de vacinação infantil para Cachoeirinha, Eldorado do Sul e Sapucaia do Sul. Mas, até o fechamento da reportagem, os municípios não haviam encaminhado as informações. 

Números baixos em Novo Hamburgo

Sem contar Alvorada, bem próxima dos 10%, outras duas cidades aparecem com menos de 10% de crianças vacinadas. Um caso é o de Canoas, já citada no texto, com 7,53% de cobertura do público-alvo. 

Outro município chama atenção é Novo Hamburgo. Por lá, somente 2,68% do público dos cinco aos 11 anos foi atendido. São 20.928 crianças aptas a se vacinarem na cidade, mas somente 560 receberam a primeira dose desde o início da campanha de imunização para esta faixa etária. 

Para vacinar crianças em Novo Hamburgo, é preciso fazer um agendamento por telefone ou de forma presencial nos horários de funcionamento de cada unidade de saúde. A imunização é realizada somente às quartas-feiras, conforme a disponibilidade de doses da vacina.

Segundo a prefeitura da cidade, o número é pequeno porque "a vacinação nesta faixa etária vem sendo realizada há apenas duas semanas, sendo que somente na semana passada foi liberada para crianças sem comorbidades". 

Além disso, o município pontua que "a imunização desta faixa etária exige cuidados especiais, diferentes da população adulta, como por exemplo: ocorre por meio de agendamento e após a aplicação da vacina, os pequenos devem permanecer em observação por pelo menos 20 minutos".


Leia mais notícias do Diário Gaúcho

 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros