Mãe de santo, educadora e presidente de escola de samba: quem é a mulher estampada no prédio da PGE-Daer - Notícias

Versão mobile

 
 

Gente da Capital24/03/2022 | 22h00Atualizada em 03/04/2022 | 17h20

Mãe de santo, educadora e presidente de escola de samba: quem é a mulher estampada no prédio da PGE-Daer

Reportagem conheceu terreiro no qual Beatriz Gonçalves Pereira recebe seu povo e acompanhou uma visita da mãe de santo ao grafite na Avenida Borges de Medeiros: ¿ainda não caiu a ficha¿

Mãe de santo, educadora e presidente de escola de samba: quem é a mulher estampada no prédio da PGE-Daer Ronaldo Bernardi / Agencia RBS/Agencia RBS
Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS / Agencia RBS

Beatriz Gonçalves Pereira, 60 anos, é mãe de santo, negra e moradora da Ilha da Pintada. Quem não a conhece por tais credenciais já pode ter visto seu rosto, a 65 metros de altura, em Porto Alegre: Bia é a mulher grafitada na lateral do prédio que abriga o Departamento Autônomo de Estradas e Rodagem (Daer) e a Procuradoria-Geral do Estado (PGE), na Avenida Borges de Medeiros, bairro Praia de Belas. A pintura, obra da suíça Mona Caron e do paulistano Mauro Neri, foi planejada e executada entre o fim de 2021 e o início de 2022. Acabou entregue como um presente aos 250 anos da cidade. 

— Ainda não caiu a ficha. É um orgulho para mulheres, para nós das ilhas e para todos das periferias — diz sorrindo, em uma nova visita ao local, na manhã desta quinta-feira (24). 

Enquanto desenhavam o perfil de Bia, os artistas foram ao bairro Arquipélago, conheceram os espaços mantidos por ela e se encantaram com a simplicidade da orla menos pomposa. De um lado, viram a chaminé da Usina do Gasômetro e os armazéns do Cais. Viraram o rosto e puderam enxergar os casebres dos ribeirinhos do Arquipélago.

Num lugar tão carente de representação, apesar de receber demandas da vizinhança - e ser a voz dos moradores nos debates envolvendo pleitos da comunidade e em outras audiências públicas -, Bia não se define como uma liderança. Prefere ser chamada de voluntária popular. 

Leia mais
Bolo gigante será distribuído em comemoração aos 250 anos de Porto Alegre
Brique da Redenção completa 44 anos com desafio de reconquistar o grande público
Centro religioso adota rótula em Porto Alegre e faz homenagem a Xangô no local

— Nem todo mundo me ama, porque eu puxo para que as coisas sejam igualitárias. Eu sei que não vou salvar o mundo, mas o pouco que eu, negra, posso fazer, eu vou. Meus ancestrais passaram por tudo isso e sofreram, e eu quero deixar o melhor — justifica.

A mulher agora representada na obra de arte gigante pede que a cidade não olhe apenas para a pintura: ela recupera a força da voz para cobrar que Porto Alegre enxergue as ilhas nos próximos 250 anos. 

— A gente costuma dizer que Porto Alegre sempre fica de costa pra nós. Parabenizamos os 250 anos e pedimos que Porto Alegre agora fique de frente — reforça. 

Bia vive em uma casa de madeira distante apenas alguns passos do Rio Jacuí. No mesmo terreno em que mora, a família mantém o Reino de Yemanjá e Oxossi. 

No espaço, é oferecido acolhimento físico e espiritual. A peça que abriga pretos velhos, caboclos e outras tantas oferendas também protege os instrumentos musicais da escola de samba Unidos do Pôr do Sol. A mãe de santo toca o tambor do terreiro e também puxa o enredo da agremiação criada para levar alegria ao sofrido povo da ilha. 

— O nosso grito de guerra: "te amo, pôr do sol, até morrer" — canta, enquanto sustenta a bandeira. Além de intérprete, Bia é presidente da escola de samba. 

A família chegou à região ligada ao continente pela Ponte do Guaíba na metade da década de 1950. A mãe de Bia, Leoni tinha doze anos de idade e foi trazida pelo pai, que trocou Charqueadas, na Região Carbonífera, pelas terras quase inóspitas da Capital. O período é relembrado com tristeza: 

— Naquela época me chamavam de “anu”, aquele pássaro preto, sabe? Ou diziam que o corvo tava vindo, o macaco... larguei o colégio de vergonha, pelo racismo — recorda a matriarca. 

Leia mais
Escola de Hip Hop da zona norte da Capital lança workshop para DJs
Plataforma online fortalece negócios locais na Bom Jesus
Carnavalescos de Porto Alegre relembram histórias marcantes de desfiles

Leoni tem hoje 78 anos e coordena a ala das baianas na escola de samba. Tem um dom diferente de Bia na unidade territorial tradicional: é a benzedeira da casa. 

A paz que se sente ao acessar o imóvel explica por que há tantos nomes e pedidos espalhados pelo congá, espécie de altar com as representações de matriz africana. A ajuda através das entidades se manifestou há 45 anos, segundo Bia. 

— Eu tinha 15 anos, e as pessoas me procuravam por doença, por tristeza ou por alguma desavença. Já não era eu, mas as minhas entidades. E aqui aceitamos todos, não importa a religião. Foi o juramento que fiz, fazer o bem sem olhar a quem — garante. 

Ensinamentos do povo negro

A mãe de santo não teve acesso ao ensino superior – como boa parte dos negros no Brasil, reitera. Contudo, além de cursos nas mais diversas áreas, teve professores da “história oral do povo negro”, como define os ensinamentos repassados que a formaram como educadora popular. 

As experiências são compartilhadas em palestras em universidades, nos debates para os quais é convidada, em oficinas ministradas aos jovens da rede integrada de proteção à criança e adolescente das ilhas ou ainda com as acolhidas pelo Instituto Camélia, organização sem fins lucrativos pela qual ela e outras mulheres empreendem. 

— Temos quitandas com produtos orgânicos, da agricultura familiar. Tudo de uma rede de mulheres negras. Mostramos que a periferia pode comer bem, de forma saudável e com preço popular – encerra. 

Ouça a entrevista de Beatriz Gonçalves Pereira ao programa Gaúcha Hoje


 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros