Temporais e falta de luz atrasam instalação de caixas d'água no Morro da Cruz - Notícias

Versão mobile

 
 

Zona Leste11/03/2022 | 19h52Atualizada em 11/03/2022 | 19h52

Temporais e falta de luz atrasam instalação de caixas d'água no Morro da Cruz

Equipe de empreiteiros seria enviada à região nesta semana para auxiliar as famílias, mas a chuva adiou o processo

Temporais e falta de luz atrasam instalação de caixas d'água no Morro da Cruz Anselmo Cunha / Agencia RBS/Agencia RBS
Cem caixas foram encaminhadas à população no fim de fevereiro, enquanto outras 350 estão armazenadas no pátio de escola Foto: Anselmo Cunha / Agencia RBS / Agencia RBS

Em uma semana marcada por chuva e transtornos causados por temporais, o processo de distribuição e instalação de caixas d'água para moradores do Morro da Cruz, na zona leste de Porto Alegre, pouco avançou. A região é afetada diariamente por problemas no abastecimento, motivo que levou o prefeito Sebastião Melo a decretar situação de emergência há um mês.

LEIA MAIS
Sobre pilha de tijolos e em cima de churrasqueira: moradores do Morro da Cruz reclamam de instalação de caixas d'água pela prefeitura
Prefeitura de Porto Alegre inicia instalação de caixas d'água no Morro da Cruz
Falta de água só deverá ser resolvida daqui a três ou quatro anos no Morro da Cruz, diz Melo: "Situação gravíssima"

Da sexta-feira passada (4) até agora, nenhuma nova caixa foi distribuída, mantendo as cem já encaminhadas à população no fim de fevereiro. Outras 350 estão armazenadas no pátio da Escola de Ensino Fundamental Morro da Cruz.

A prefeitura da Capital explica que a distribuição de novos reservatórios só será priorizada novamente quando houver um avanço na instalação desses materiais, ainda que haja uma previsão de 10 novas entregas na próxima semana. A comissão formada por moradores e membros do Executivo municipal definiu que o poder público ficará responsável por metade das caixas, enquanto a outra parte ficará por conta da própria comunidade. Até agora, apenas uma caixa d'água foi formalmente instalada.

O secretário municipal de Habitação e Regulação Fundiária, André Machado, um dos coordenadores da comissão, afirma que esta semana foi dedicada à entrega de materiais de construção utilizados para erguer as estruturas que segurarão os reservatórios nas residências com menor estrutura. Foram entregues 56 itens nesta semana, totalizando 70 casas beneficiadas. Já as instalações, segundo o secretário, devem ser realizadas a partir das próximas semanas.

— É um processo que vamos aprendendo com o tempo. Diversas casas ficam em condições irregulares, e isso dificulta ainda mais. Em pontos como nos becos 3 e 4, por exemplo, pessoas têm pedido apenas a caixa para servir de reservatório porque não há como montar estruturas em algumas residências — relata.

Nos últimos dias, a prefeitura vinha buscando alternativas para conseguir efetivo para agilizar as instalações. Por meio de uma parceria com o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Rio Grande do Sul (Sinduscon-RS), foi providenciada uma equipe de empreiteiros para auxiliar no funcionamento das caixas d'água. O objetivo era iniciar o trabalho desses profissionais ainda nesta semana, mas o tempo instável acabou atrasando o cronograma.

Outros serviços afetados

As condições climáticas geraram outros obstáculos para a operação. Equipes do Departamento Municipal de Habitação (Demhab) que seguem circulando pelo morro para verificar a situação dos moradores em áreas mais críticas foram reduzidas, pois tiveram que se dividir para atuar em pontos atingidos pelo temporal, especialmente a Vila dos Sargentos, na Zona Sul. Além disso, diversas ocorrências de queda de energia comprometeram o funcionamento no reservatório Cota 200, responsável por levar água às partes mais altas do morro.

Ao todo, 620 famílias já foram cadastradas na região. Desse total, 222 casas possuíam caixa d’água e 398, não. Nem todas receberão os materiais, pois devem receber auxílio das três caixas comunitárias que serão colocadas no topo do morro, sendo duas com 15 mil e uma de 20 mil litros. A previsão é de que, com a conclusão dessas obras, pelo menos 90 famílias tenham sido atendidas. A instalação é prevista ainda para este mês.

Ainda assim, algumas pessoas aguardam para receberem o material. É o caso do zelador Paulo Ricardo Fagundes Pinheiro, morador da Avenida Comunitária, no beco 3. Ele conta que enfrenta a falta de abastecimento constantemente.

— É um problema constante, são dois, três, até cinco dias sem água. Me inscrevi pra receber a caixa e me propus para instalar por conta própria, mas, até agora, não recebi. Água é o mínimo na torneira da população. A pessoa chega cansada do trabalho, quer tomar banho, ter um mínimo de dignidade — protesta.

Dmae garante melhorias

Paralelamente à distribuição das caixas d'água, outras medidas em caráter emergencial têm sido tomadas na região do Morro da Cruz para qualificar o sistema de distribuição de água. Segundo o Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) algumas obras de substituição de bombas já foram concluídas. No último dia 3, a troca de uma motobomba garantiu que a água atingisse pontos localizados 250 metros acima do nível do Guaíba.

O departamento prevê que a principal ação a médio prazo é a implementação de redes formais, substituindo o atual modelo de abastecimento feito hoje através de mangueiras. O planejamento para a obra, segundo o órgão, já foi iniciado. 

Leia mais notícias do Diário Gaúcho 

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros