Cris Silva revela a carreira de Diogo Olivier antes do jornalismo - Entretenimento - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Coluna Lado C09/09/2017 | 12h00Atualizada em 09/09/2017 | 12h00

Cris Silva revela a carreira de Diogo Olivier antes do jornalismo

Talento passou de pai para o filho Pedrinho, que motiva o jornalista a pensar em retornar ao instrumento

Cris Silva revela a carreira de Diogo Olivier antes do jornalismo Omar Freitas/Agencia RBS
Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Quem lê as colunas do jornalista Diogo Olivier em Zero Hora, ouve seus comentários de esporte na Rádio Gaúcha (93.7 FM e 600 AM) ou o assiste no Bom Dia Rio Grande, da RBS TV, não imagina que, antes de se entregar à comunicação, ele estudava música clássica.

Pois é! Foram anos de experiência até trocar o violão pelo jornalismo. Confira um pouco desta história: 

Leia outras notícias sobre famosos e entretenimento

A paixão vem de família. A mãe do jornalista, dona Joana D'arc, hoje com 80 anos, cantava em corais. 

– Eu era criança e ia na igreja para ver minha mãe cantar. Resolvi fazer um curso de violão, aqueles de igreja. Então, durante as falas e orações, eu dedilhava algumas coisas, comecei assim – conta Diogo.

Ele gostou da experiência e decidiu estudar música para valer. Com pouco mais de 12 anos, entrou na escola de artes Maria Julia da Rocha. Na adolescência mudou para o Conservatório Palestrina para estudar violão clássico:

– Frequentei a Palestrina durante mais ou menos um ano e meio. Lá, eu aprendi a ler partituras, cheguei a tocar algumas peças (músicas). 

Leia também:
Cris Silva apresenta Tiago Boff, produtor do Timeline e do Gaúcha Atualidade
Cris Silva mostra os bastidores do Desafio Farroupilha


Bem guri, nos tempos do violão Foto: Arquivo Pessoal / Divulgação

Mas, aí, o aspirante a músico entrou para faculdade de Jornalismo, e a outra paixão foi perdendo espaço. Até que ele não conseguia mais se dedicar como achava necessário, e resolveu "pendurar" as chuteiras. Ou melhor, o violão.

– Eu não tinha mais tempo para estudar, e a música erudita exige muito estudo, o tempo todo. E, ao mesmo tempo, estava gostando muito da faculdade. Pensei "agora deu"! – relembra.

Motivação
A música continua fazendo companhia para o Diogo. Ele ouve até para dormir, e quase sempre é música popular brasileira. E cantar, será que arrisca?

– Eu gosto de cantar também... mas só no chuveiro. Lá, eu canto mesmo – diz, aos risos

Há algum tempo, Diogo tem pensado em voltar a tocar violão. E a grande motivação tem nome: Pedrinho, 11 anos, seu filho:  

Pedrinho é fera nas baquetas Foto: Arquivo Pessoal / Divulgação

– Ele toca bateria desde os seis. Já se apresentou com a escola e até em um bar. Eu acho sensacional e o apoio a seguir na música. Então, pensei que, comprando um violão e tocando de novo, posso estimular o Pedrinho e ainda voltar a tocar umas musiquinhas.

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 

Veja também

Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros