Voluntário em projeto social vira professor de skate, em Viamão - Entretenimento

Vers?o mobile

 

Transformação pelo esporte08/02/2019 | 09h56Atualizada em 08/02/2019 | 10h08

Voluntário em projeto social vira professor de skate, em Viamão

Skatista, agora, vive das aulas que dá. Iniciativa fundada por ele, prestes a completar dois anos, tem 100 integrantes.

Voluntário em projeto social vira professor de skate, em Viamão Omar Freitas/Agencia RBS
Bruno comemora ao lado dos alunos sucesso do projeto Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

Quando o esporte extrapola os limites da diversão e reúne a comunidade em um projeto social, já existe um grande motivo para comemorar. Agora, o skatista Bruno da Rosa Correia Oliveira, 21 anos, morador do bairro São Tomé, em Viamão, tem novas razões para festejar: conseguiu transformar a diversão em sustento. 

Um dos fundadores do projeto Skate na Comunidade, Bruno começou a trabalhar no fim de 2018 na Rede Salesiana Brasil Novo Lar como professor da modalidade. É uma iniciativa pouco comum e motivo de orgulho para o instrutor. 

Leia mais
Grupo de skatistas adota praça em Viamão e oferece aulas para crianças e adolescentes
VÍDEO: conheça João, jovem que joga futsal com a ajuda de um skate
Banda comunitária de Viamão precisa de instrumentos novos

— A gente vive no país do futebol, mas o skate tem muito a oferecer. Foi a ferramenta que me ajudou a fugir de caminhos errados — conta ele.

Além de oferecer palestras e de dar aulas voluntariamente no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) Viamão, agora ele é responsável por ensinar sobre valores, respeito e competitividade saudável. A associação Novo Lar atende crianças do 1º ao 5º ano em situação de vulnerabilidade social. A ideia de incluir o skate no currículo foi da assistente social Perla Menezes e aprovada por toda a direção.

 VIAMÃO, RS - 07/02/2019 - Bruno da Rosa Correia Oliveira, 22 anos, morador do bairro São Tomé, em Viamão, é um dos coordenadores do projeto Skate na Comunidade e comemora a profissionalização do esporte. Ele agora dá aulas a crianças em situação de vulnerabilidade social do Instituto Novo Amanhã.   (OMAR FREITAS / AGÊNCIA RBS)
Bruno ensina o esporte, voluntariamente, a moradores do bairro São Tomé Foto: Omar Freitas / Agencia RBS

— Trabalhamos com muitos cursos, mas esse é inédito. Para muitos, o skate é algo marginalizado, isso precisa mudar — relata o diretor-executivo, Cleber Abreu. 

Objetivos

O professor Bruno, como é chamado agora, ganhou um trabalho e novos objetivos de vida:

— Quero fazer curso de Educação Física e continuar a viver disso.   

Bruno começou no skate aos 13 anos, nas ruas do bairro. Depois de alguns anos participando de campeonatos, teve a ideia de organizar, com amigos, uma escolinha por lá. A turma adotou a Praça São Tomé, convidou a vizinhança e deu início ao sonho. Dos 20 alunos iniciantes, hoje o projeto, prestes a completar dois anos, tem cerca de 100 integrantes das mais diversas idades. 

— Desde que vim para cá, só aprendi coisas boas. Pretendo continuar andando de skate e também trabalhar com isso — conta Guilherme Silva de Borba, 13 anos, um dos participantes.

Lauren Machado, 11 anos, concorda e conta que participa por estímulo da família:

— Comecei a vir com meu irmão (Vitor, 14 anos) e achei legal. Minha mãe também me incentivou. É uma oportunidade de aprender algo diferente.

O projeto funciona na quadra de esportes da praça. Como o local já é a segunda casa de muitos deles, costuma ser cuidado pela própria galera durante mutirões.

Famílias aprovam as atividades

Enquanto os jovens treinam movimentos e manobras, muitos familiares se acomodam na grama e nos bancos improvisados da praça. Mas mais do que admirar os filhos, querem estar ali para garantir a preservação do projeto. A operadora de caixa Tatiana de Lara, 34 anos, leva as duas filhas, Emily Vitória, 11, e Lara Gabrielle, sete. Diz que o skate virou uma atividade extracurricular das crianças com muitos benefícios.

— Só assim elas saem do celular e fazem algo diferente. Desde que chegaram aqui se mostraram mais interessadas na escola e criaram novos hábitos. Estão bem mais ativas —conta a mãe.

Skate na Comunidade

/// Siga o projeto no Instagram: @skatenacomunidade ou @profbruno_snc

/// Eles estão buscando apoio para aquisição de novos skates e para a construção de uma pista na praça

/// Mais informações com Bruno: 98551–4919

/// O projeto funciona na Praça São Tomé (Rua Aracaju, 179, bairro São Tomé) em Viamão, aos sábados, das 10h às 11h.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros