Cris Silva: "Não comparar seu filho é libertação para a sua consciência" - Diário Gaúcho

Versão mobile

 
 

Lá em Casa08/03/2019 | 08h00Atualizada em 08/03/2019 | 08h00

Cris Silva: "Não comparar seu filho é libertação para a sua consciência"

Colunista escreve sobre maternidade e família nas sextas-feiras no Diário Gaúcho

Cris Silva: "Não comparar seu filho é libertação para a sua consciência" Arte DG/
Foto: Arte DG

“Oi, Cris, quantos anos o Matheus tem?” “Um aninho...” “E ele já caminha?” “Ainda não. Está quase, mas ainda precisa se segurar.” “Ah que estranho! Minha filha começou a caminhar com 11 meses...”

Parei aqui de reproduzir a conversa com uma amiga porque o que vem depois é só uma longa explicação de que, na vida, todos têm seu tempo e sua hora para despertar. Mas resolvi trazer esse tema para a coluna porque acredito que muitos de vocês passem por isso também. 

Teorias de todos os lados

Sempre tem alguém que insiste em comparar as situações e até as crianças. Muitas vezes, essa mania começa na gestação, não é? “Tu teve enjoo? Eu tive também, vai passar com seis meses. Te prepara, lá pelo sétimo mês tu não dorme mais”. Calma, gente! 

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

As pessoas são diferentes. O que serviu para ti, talvez, não sirva para mim. Quando o bebê nasce, aí vêm todas as teorias de como criar perfeitamente a criança.

Escolhas

Mil dicas sobre o que fazer, o que não fazer e, assim, as mamães de primeira viagem precisam driblar, ao mesmo tempo, a inexperiência e a opinião alheia. Não é fácil, mas dá. 

Foto de um bebê aprendendo a caminhar para a coluna Lá em Casa, de Cristiane Silva, para o dia 8 de março de 2019
Para andar, falar... cada criança tem seu tempoFoto: Pixabay / Pixabay

Escolha a quem ouvir. No meu caso, elegi a pediatra e o instinto, o meu e o do meu marido. Assim, as coisas ficaram bem mais fáceis.

Embora eu tenha o privilégio de ter pais e parentes que não se metem, a grande enxurrada de “faça assim” veio das redes sociais. As opiniões vieram de quem não me conhece pessoalmente e muito menos o Teteu. Mas faz parte.

Leia também
Cris Silva dá dicas para os pais conversarem sobre separação com seus filhos
Cris Silva e o álbum virtual com fotos e textos para o Teteu

Liberte sua consciência

Voltando à questão da comparação, evite fazê-la, seja com quem for. Nem dois pingos de chuva são iguais. Irmãos gêmeos idênticos podem ser diferentes. Então, por que as pessoas gostam de comparar umas com as outras?

Nós, pais, sabemos quando nosso filho está bem, quando está se desenvolvendo de forma saudável, quando está crescendo e se está aprendendo coisas novas. Sem pressa nem angústia se ele ainda não caminha. Uma hora ele vai andar. 

Não se preocupe se ele ainda não fala e o filho da sua amiga já diz mamãe e papai. Uma hora ele vai falar, e pode se tornar um tagarela que você vai querer descobrir onde fica o botão desligar, hehehe.

Sinceramente, não faz a menor diferença na vida adulta se você começou a caminhar com 10 meses ou com um ano e quatro meses. Ninguém é mais legal porque desfraldou aos dois anos e o outro aos quatro. Então, relaxa. Não comparar seu filho é libertação para a sua consciência.

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros