Para a polícia, transexual não foi vítima de homofobia - Polícia - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Investigação08/06/2015 | 16h32

Para a polícia, transexual não foi vítima de homofobia

Investigação aponta que assassinato de Andréia Amado, 28 anos, foi resultado de um desacerto por pontos de prostituição. Ela não era o alvo dos atiradores

Para a polícia, transexual não foi vítima de homofobia Arquivo Pessoal/Divulgação
Andréia já havia sido abordada pelos suspeitos uma hora antes de ser morta Foto: Arquivo Pessoal / Divulgação

Depois dos primeiros dias de investigação da morte de Andréia Amado, 28 anos, executada na madrugada da última quinta na Rua Câncio Gomes, Bairro Floresta, a polícia já tem convicção de que não foi um crime motivado por homofobia.

- Foi um desacerto relacionado a espaços e pontos de prostituição. A vítima, ao que tudo indica, foi morta de graça. O alvo não era ela - aponta o delegado Filipe Bringhenti, que comanda a investigação pela 2ª DHPP.

Transexual pode ter sido morta por puro preconceito em Porto Alegre

Os suspeitos teriam abordado Andréia no mesmo local cerca de uma hora antes do crime. Procuravam pelo suposto responsável do ponto, que cobraria "pedágio" para travestis e transexuais que trabalhassem naquela área.

- Quando voltaram, abordaram ela de novo e não encontraram quem queriam - diz o delegado.

Leia mais matérias sobre homicídios

Algumas imagens de câmeras de monitoramento próximas já começaram a ser analisadas pela polícia, mas nenhuma delas teria clareza suficiente para identificar os rostos dos suspeitos.

Denúncias que ajudem a polícia a esclarecer o crime podem ser feitas pelo 0800-6420121.

Leia mais notícias do dia

DIÁRIO GAÚCHO

 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros