Há 40 anos, aposentado toca músicas natalinas para vizinhos no Vale do Sinos - Notícias

Versão mobile

 
 

São Leopoldo03/12/2020 | 20h43Atualizada em 03/12/2020 | 20h43

Há 40 anos, aposentado toca músicas natalinas para vizinhos no Vale do Sinos

De forma espontânea, músico entoa canções duas vezes ao dia durante o mês de dezembro

Há 40 anos, aposentado toca músicas natalinas para vizinhos no Vale do Sinos Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Idair da Silva Nunes se diverte ao levar música aos demais moradores Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

A flauta doce por vezes desafina, e a fatiota tem apenas a gravata vestida sobre uma camisa confortável - daquelas de usar o dia inteiro em casa. Bermuda, tênis com meias pretas e o chapéu de palha incrementam o uniforme, original.

– É especial. Mas não divulga muito se não o pessoal copia e eu perco a exclusividade – pede o animado entrevistado.

O carismático músico Idair da Silva Nunes, 76 anos, repete o ritual há quatro décadas, desde que se mudou de Porto Alegre para o Vale do Sinos. Ele interpreta canções natalinas para entreter os vizinhos do bairro Rio do Sinos, em São Leopoldo. O palco, na sacada da residência, é temático, com um enfeite de papai noel decorando a porta. A janela tem luzinhas pisca-pisca. Partituras escritas a mão, em uma folha pautada, estão apoiadas sobre o pedestal, e o idoso com espírito de adolescente segura o instrumento.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

O concerto tem data e hora marcadas, próximo ao almoço e ao entardecer, com apresentações que começaram em 1º de dezembro e vão até a véspera do Natal. O objetivo, resume, é voltar a ser criança.

– Eu já fui jovem, hoje sou velho e volto a ser criança no Natal, à espera do bom velhinho. É uma época em que a gente esquece de todas as coisas ruins – complementa.

De cachê, ganha elogios.

– Parece que eu voltei à infância, quando eu o olhava pela sacada e esperava distribuir bala na rua - relembra a vizinha Melissa Portal, 34 anos.

Melissa deixou o bairro após casar. Teve uma filha, Luiza, de quatro anos. Na pandemia, a menina tem passado mais dias com os avós, na mesma casa em que a mãe cresceu. Com a chegada do fim de ano, ambas compartilham a convivência com seu Idair. A garota, inclusive, “compete” com o flautista, segundo a avó, a comerciária aposentada Rosa Maria Carasai, 64 anos.

Leia também
Conheça o grupo de estudantes que deu um "chega pra lá" no preconceito e valorizou as coisas boas da Tinga
Com apoio do maestro João Carlos Martins, músico gaúcho faz campanha para lutar contra distonia focal

– Ela coloca o pianinho no pátio para tocar junto. É uma alegria o que nosso vizinho faz, em uma época em que tanta gente esquece de comemorar o Natal, como se fosse uma data comum - diz.

Idair vive com a esposa e dois filhos, já adultos. Questionado se a sinfonia agrada a todos, responde novamente com o bom humor que permeou a entrevista na manhã desta quinta-feira (3):

– É para isso que existe algodão. Só colocar nos ouvidos.

Formado em escolas especializadas da região de Uruguaiana – não lembra bem o nome, nem a data –, ele diz ter se apaixonado pela arte na banda do colégio. Encanta ao falar que “a música exprime os sentimentos da alma”. E agradece a todos que o cumprimentam no quarteirão, próximo à BR-116, mas distante do ruído incômodo dos automóveis.

Para outro vizinho, na plateia há mais de 30 anos, dezembro se tornou um mês de nostalgia.

– É um privilégio. Ele começa a tocar e nos faz relembrar os natais do passado. Tomara que ele continue ainda muitos anos – afirma o fotógrafo Fábio Pilger, 37 anos.

Como resposta à comunidade, dirige uma única palavra: inspiração.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros