Veja como permitir com limites o acesso da criançada à tecnologia - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

Mundo da Gurizada09/12/2016 | 10h04Atualizada em 09/12/2016 | 17h18

Veja como permitir com limites o acesso da criançada à tecnologia

Sociedade Brasileira de Pediatria lançou manual de orientações para pais e responsáveis, pediatras, educadores e crianças sobre o uso da tecnologia pelos pequenos

Veja como permitir com limites o acesso da criançada à tecnologia Carlos Macedo/Agencia RBS
Bruna permite o uso de telas por Isabelly, mas estabeleceu algumas regras Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS

O Diário Gaúcho apresenta nesta sexta-feira sua nova seção. Mundo da Gurizada, publicada quinzenalmente na contracapa, abordará temas importantes na convivência entre pais e filhos.

O assunto desta vez tem tudo a ver com as famílias atuais. Há quem diga que as crianças, hoje em dia, já nascem conectadas. Desde cedo, sabem manusear o controle da televisão e, deslizam os dedinhos pela tela do celular. Por vezes, os pais até lançam mão dos eletrônicos para garantir que os pequenos aguentem a demora numa sala de espera, por exemplo, ou fiquem calmos enquanto a mãe faz as lidas da casa.

Leia mais:
Nas férias da gurizada, veja como economizar brincando
Lanches saudáveis melhoram, além da saúde, o rendimento escolar de crianças e adolescentes
Escola da Zona Rural de Viamão usa tecnologia para aumentar desempenho dos alunos


Mas qual é o impacto da tecnologia na vida das crianças e adolescentes? Como mediar a utilização de smartphones, tablets e outros equipamentos? A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) divulgou recentemente um manual de orientação para pais e responsáveis, pediatras, educadores e crianças.

Desde os três anos

Desde os três anos Isabelly brinca com tablet, celular e assiste vídeos na tevê  Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS

Foi tocando os dedinhos nas teclas de um tablet de brinquedo que Isabelly Procópio, sete anos, do Morro Santa Tereza, na Capital, iniciou-se, por volta dos três anos, no mundo tecnológico.

— Eu até perguntei para a médica dela se era prejudicial. Ela disse que era para deixar explorar e falar sobre o limite — conta a mãe, a educadora Bruna Beatriz Leão Procópio, 27 anos.

Desde então, sempre que algum adulto da família deixa o celular dando sopa, Isabelly não perde a chance de baixar um joguinho. Se a internet fica instável, ela costuma ficar ansiosa. Isabelly também costuma ver vídeos no YouTube e séries e desenhos no Netflix. A mãe estabeleceu regras para evitar os excessos.

Leia outras notícias

— Quando eu tinha cinco anos, minha mãe não gostava que eu mexesse no celular. Mas os joguinhos são muito legais, têm atividades, explicam como são as coisas — justifica a menina.

Como é na casa da Isabelly

/// Isabelly estuda pela manhã. Depois do almoço, em seu intervalo do trabalho, Bruna costuma acompanhar a filha na realização do tema. A televisão é desligada, e o celular, afastado.

/// A rotina de sono é observada: pelas 20h30min, tudo é desligado para facilitar o adormecer e também porque mãe e filha acordam cedo.

/// Se o comportamento não vai bem, a tecnologia é cortada.

/// A menina não pode conectar-se durante as refeições.

/// Bruna optou por não dar um celular para a filha e também por não permitir que ela tenha perfil em redes sociais.

Depois de fazer os temas, Isabelly escolhe os desenhos e séries que gosta de assistir Foto: Carlos Macedo / Agencia RBS

Pais devem interagir

De acordo com Renato Santos Coelho, presidente do Comitê de Desenvolvimento e Comportamento da Sociedade de Pediatria do RS, é recomendado que até os dois anos de idade o uso de telas (celular, tablet, videogame) seja reduzido ao mínimo possível.

Não há um limite estipulado, mas é importante que a criança não fique sozinha, isolada, por exemplo, por duas horas jogando. É preciso ter a presença do adulto, que interaja com a criança.

É importante destacar que a luz azul do celular é um estimulante para o sistema nervoso central e pode gerar excitação na criança, irritabilidade. Se a tela for utilizada perto da hora de dormir, pode prejudicar a liberação da melatonina, hormônio que regula o ciclo dia-noite. Por volta das 20h, o ideal é diminuir as luzes da casa, o barulho.

Também é recomendado evitar a utilização das telas durante as refeições porque a criança não tem consciência do que comeu, o que pode levar ao excesso de peso.

Por faixa etária

/// Até dois anos: evitar e até proibir a exposição passiva em frente às telas digitais, principalmente durante as refeições ou uma a duas horas antes de dormir.

/// Entre dois e cinco anos: limitar o tempo de exposição ao máximo de uma hora por dia.

/// Até seis anos: limite de duas horas por dia. Precisam ser protegidas da violência virtual, pois não separam a fantasia da realidade.

/// Entre zero e dez anos: não devem fazer uso de televisão ou computador nos seus próprios quartos.

/// Adolescentes: não devem ficar isolados nos seus quartos ou ultrapassar suas horas saudáveis de sono às noites (oito a nove horas).

Fonte: SBP


 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

  • Aline_Custodio

    Aline_Custodio

    Aline CustódioBoa notícia para este domingo: Roger, o menino que mora no hospital, deve ir para casa - https://t.co/A4XDrkdBJe via @diario_gauchohá 2 horas Retweet
  • SalmonBeniyahu

    SalmonBeniyahu

    LuisAgora vou ler o jornal @diario_gaucho deste fim de semana.há 4 horas Retweet
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros