Demora na ligação da energia elétrica atrapalha a vida de moradores da Capital  - Notícias - No Diário Gaúcho você encontra notícias do RS, informações de utilidade pública, muito entretenimento, além de conteúdos esportivos e jornalismo policial.

Versão mobile

No escuro04/01/2017 | 08h01Atualizada em 04/01/2017 | 08h01

Demora na ligação da energia elétrica atrapalha a vida de moradores da Capital 

Ceee admite atraso em cerca de 300 pedidos de novas ligações de luz, mas Sindicato garante que problema atinge pelo menos 3 mil clientes 

Demora na ligação da energia elétrica atrapalha a vida de moradores da Capital  Josmar Leite / Agência RBS/Agência RBS
Pedido de ligação de rede elétrica no novo apartamento foi solicitado em novembro  Foto: Josmar Leite / Agência RBS / Agência RBS

A auxiliar de coleta de sangue Maria Luísa Castanheiro Correa, 50 anos, ainda não conseguiu passar nenhuma noite no novo lar, no Bairro Floresta, em Porto Alegre. Desde o final de outubro de 2016, quando fez a mudança, ela e a mãe, Cecília Lourdes Castanheiro, 74 anos, dormem na casa de parentes, pois o apartamento ainda não teve a energia elétrica ligada. 

Por volta das 19h, Maria sai do local para percorrer cerca de 30km de ônibus até a residência do irmão, no Bairro Belém Novo, na Zona Sul. Já Cecília pega um ônibus e um trem. Vai passar a noite na casa de um filho que vive em Sapucaia do Sul. No dia seguinte, elas fazem o caminho de volta para o apartamento, para ficar de plantão, das 8h às 18h, à espera de um técnico da Companhia Estadual de Energia Elétrica (Ceee). 

Leia mais:
Mutirão da CEEE quer regularizar pedidos de novas ligações na Capital
Falta de vagas em creche municipal de Cachoeirinha pode fazer mãe ficar sem emprego

Maria reclama que tem tido gastos extras com alimentação e transporte por não ter a luz ligada. Para economizar um pouco o dinheiro do deslocamento, seu filho de 19 anos ficou na casa do tio, no Bairro Belém Novo, e o sobrinho de 26 anos, que também mora com ela, está na casa de amigos. 

—  Estamos virando ciganos. Cada dia em um lugar diferente. Não aguento mais estar na casa dos outros. Quero dormir na minha cama — desabafa Maria Luísa

Sem luz e sem água gelada para enfrentar o calorão da Capital Foto: Josmar Leite / Agência RBS

Ela conta que fez o pedido de ligação da luz no dia 1º de novembro de 2016, quando regularizou uma dívida do antigo morador. Só no dia 6 de dezembro, após vários plantões na escada do prédio, recebeu a primeira visita técnica da Ceee:

— Me disseram que o técnico tinha vindo duas vezes aqui, mas não é verdade, pois eu sempre estive em casa. Até que, nesse dia, o meu irmão viu passar um carro da Ceee e saiu atrás dele. 

Ceee admite atraso, mas Sindicato diz que problema é maior

A Ceee destaca que há cerca de 5 mil solicitações de ligação por mês em Porto Alegre e que, dos pedidos que ingressaram até o 21 de dezembro de 2016, como o de Maria, ainda há cerca de 300 à espera de atendimento. 

Conforme a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o prazo máximo para ligação de rede elétrica em residências em áreas urbana é de dois dias. 

O Sindicato dos Eletricitários do Rio Grande do Sul (Senergisul) diz que o atraso é maior: cerca de 3 mil clientes da Ceee na Região Metropolitana estariam nesta espera. O problema, segundo o sindicato, acontece porque um sistema de gerenciamento da empresa foi trocado às pressas, sem os testes necessários nem o treinamento do pessoal.

Leia mais:
Estudante morta em São Leopoldo era ativista da causa animal
Filho de Fátima Bernardes e William Bonner sofre acidente de carro

Em relação ao pedido de Maria, a Ceee explicou que, em vistoria no dia 6 de dezembro, não foi possível fazer a ligação porque havia fios curtos no local. No dia 27 de dezembro, foi verificado que o quadro de luz deve ser trocado. Conforme a companhia, ela foi informada e os outros moradores do prédio serão notificados para trocarem o equipamento. Só assim, a luz dela poderá ser instalada. Não há prazo definido para que isso ocorra.

Outros casos

O problema de Maria também é vivenciado por Bárbara Parraga, 26 anos, e o marido, Vinícius Oliveira, 26 anos, que tiveram de adiar a mudança para o novo lar, no Bairro Sarandi. Sem luz, a instalação do piso e dos móveis não pode ser feita. Com isso, continuam pagando aluguel de outro imóvel.

– Todas as outras contas estão duplicadas – queixa-se Bárbara.Ela fez o pedido para ligação de luz há 20 dias e ainda não recebeu retorno da Ceee. Já Cezar Gonzaga, 28 anos, fez a mesma solicitação no Bairro Santo Antônio há três semanas. 

Para os casos deles, a Ceee prometeu a regularização na semana que vem.

* Participou Josmar Leite, da RBS TV.


 
 
 

Siga o Diário Gaúcho no Twitter

  • lauubryan

    lauubryan

    LaurenceRT @Maucedo: Mais uma vez indo dormir como vim ao mundo Numa caixa de papelão dentro de um latão de lixo tapado com folha de jornal diário…há 3 minutosRetweet
  • diario_gaucho

    diario_gaucho

    Diário Gaúchohttps://t.co/KjExwwR4gOhá 8 minutosRetweet
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros