Pela primeira vez cientistas flagram briga entre jacaré e tubarão - Notícias

Versão mobile

 

Briga de feras26/10/2017 | 16h46Atualizada em 26/10/2017 | 16h46

Pela primeira vez cientistas flagram briga entre jacaré e tubarão

Cientistas afirmam que confrontos entre os predadores são mais comuns do que se pensa

Pela primeira vez cientistas flagram briga entre jacaré e tubarão YouTube/Epic Wildlife / Reprodução/Reprodução
Encontro acontece em locais onde há mistura de água doce e salgada perto da costa. Foto: YouTube/Epic Wildlife / Reprodução / Reprodução

Pela primeira vez, pesquisadores conseguiram documentar o choque violento de predadores de dois mundos muito diferentes: jacarés se alimentando de tubarões. Embora já existissem evidências de que isso acontecesse, o evento nunca foi estudado de forma abrangente, já que as espécies vivem em ambientes distintos.

Nas áreas costeiras onde os ecossistemas marinhos se encontram com estuários, às vezes tubarões e arraias saem de seu habitat e vão para locais onde há mistura de água doce e salgada perto da costa. Mas essa, claramente, não é uma boa ideia. 

— Os jacarés são oportunistas. Eles não vão deixar passar um grande pedaço de proteína que está nadando — afirma o ecologista James Nifong, da Universidade Estadual do Kansas, ao New Scientist. 

 Leia mais
Língua de urso-negro cresce tanto que médicos precisam fazer cirurgia para removê-la
'Up' da vida real: britânico voa com balões
Universidade lança graduação sobre maconha

Isso é possível também porque os jacarés conseguem se adaptar a diversos ambientes e buscar água frescas nesses locais. 

— Quando chove muito, eles realmente podem beber água fresca na superfície da água salgada. Isso pode prolongar o tempo que podem permanecer nesse ambiente — diz o especialista.

Os pesquisadores acreditam que que tubarões e raias podem constituir uma parte mais significativa da dieta dos jacarés do que se pensava anteriormente, diversificando o cardápio com crustáceos, lesmas e peixes. A dificuldade em observar esse comportamento se deve ao fato de que essas espécies são difíceis de serem estudadas em habitats costeiros. 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros