Mãe recebe laudo pericial do IGP somente três meses após morte do filho, em Bagé - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso23/03/2018 | 10h49

Mãe recebe laudo pericial do IGP somente três meses após morte do filho, em Bagé

Desde a morte do jovem, de 19 anos, ela aguardava pelo liberação dos papéis, que foram entregues somente depois de a história ter sido contada pelo Diário Gaúcho

Mãe recebe laudo pericial do IGP somente três meses após morte do filho, em Bagé Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Sandra e o filho, Eduardo, que faleceu em acidente Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

A longa espera por um laudo pericial do Instituto Geral de Perícias (IGP) finalmente chegou ao fim para a auxiliar de Recursos Humanos Sandra de Vargas Cordeiro, 39 anos. Na edição de 20 de setembro do ano passado, o Diário Gaúcho mostrou o sofrimento da mãe, que perdeu o filho Eduardo Cordeiro Vigil em julho de 2017. 

Leia mais
Bebê espera por cirurgia no crânio que já foi adiada três vezes, em Porto Alegre
Há três meses com a perna quebrada, morador de Esteio ainda não sabe se precisará de cirurgia
Espaço reduzido na calçada faz pedestres se arriscarem na zona norte de Porto Alegre

Desde a morte do jovem, de 19 anos, ela aguardava pelo liberação dos papéis, que foram entregues somente depois de a história ter sido contada pelo DG. 

— Depois que foi publicada a reportagem, segui ligando diariamente para o IGP. Menos de duas semanas depois, me perguntaram se era o caso que tinha saído no jornal. Respondi que sim. No dia seguinte, avisaram que o laudo estava pronto — recorda Sandra. 

Como mora em Bagé, na região sul do Estado, a auxiliar de RH precisou se deslocar até a Capital para buscar o laudo. Sandra precisava dos papéis para dar entrada no seguro DPVAT, já que o filho morreu em consequência de um acidente de trânsito. O valor da apólice seria usado para cobrir as despesas fúnebres do rapaz, que era militar do Exército. 

Acidente 

Foi em maio de 2017 que Eduardo se acidentou. Depois do ocorrido, ele foi encaminhado de Bagé, onde morava com a mãe, para atendimento em Porto Alegre. Na Capital, ficou internado durante 56 dias. Porém, não resistiu aos ferimentos causados pelo acidente e faleceu no dia 13 de julho. 

Por ter morrido em decorrência de um acidente de trânsito, o corpo de Eduardo precisou passar por perícia na sede do DML, no Palácio da Polícia, em Porto Alegre. 

— Aquele dia já foi terrível, eu cheguei lá por volta das 2h e só saí depois das 19h — relembra a mãe do militar falecido. 

No Palácio da Polícia, ela foi informada de que o laudo da autópsia deveria ser liberado dentro de 20 dias, o que não ocorreu. 

Na época da primeira reportagem, o IGP creditou a demora na assinatura dos laudos ao reduzido quadro de funcionários do órgão, com apenas 40% do efetivo necessário. O Instituto informou ainda que a demora afetava outros serviços prestados pelo órgão, como perícias em veículos. 

Sandra sente-se aliviada em ter conseguido colocar um ponto final nesse sofrimento. Com os documentos em mãos, ela recebeu o seguro DPVAT e conseguiu cobrir as despesas fúnebres do filho:

— Acho que, se não tivesse saído no jornal, eu estaria esperando por esse documento até hoje. 

*Produção: Alberi Neto

Leia outras reportagens da seção Seu Problema é Nosso 


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros