Falta de pavimentação em rua incomoda moradores de Torres, no Litoral Norte - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso03/04/2018 | 09h53Atualizada em 03/04/2018 | 09h54

Falta de pavimentação em rua incomoda moradores de Torres, no Litoral Norte

A situação é agravada durante alguns eventos que acontecem na cidade, como o Festival de Balonismo, que aumenta consideravelmente a circulação de veículos e pessoas na região

Falta de pavimentação em rua incomoda moradores de Torres, no Litoral Norte Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Buracos na via aparecem em grande número Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

Morador há 15 anos da Rua Faxinal, bairro Faxinal, em Torres, no Litoral Norte, o balconista Cléber Magnus Martins batalha — junto com seus vizinhos — para conseguir pavimentar a via

Leia mais
Erro de preenchimento no sistema adia cirurgia bariátrica de rodoviário na Capital
Com ajuda de leitores do Diário, menino consegue custear tratamento de síndrome rara
Falta de medicamento em Viamão prejudica idosa há cinco meses

O principal transtorno de quem mora ali é a areia do solo, que entra nas casas diariamente. A situação é agravada durante alguns eventos que acontecem na cidade, devido ao aumento da circulação de veículos e pessoas. Os buracos na via também incomodam os moradores.

Cléber explica que, nestas épocas, há uma piora: 

— Temos duas opções. Ou nos trancamos em casa, com todas as portas e janelas bem vedadas, ou saímos daqui. Fica muito ruim. 

O filho de Cléber, Cleiton Homem Martins, 13 anos, tem asma. Segundo o balconista, a presença constante de pó piora a condição do menino. 

— O principal "gatilho" da condição dele é a poeira, me disse o médico dele. Então, essa areia que está sempre aqui faz com que ele tenha muitas crises. É bem difícil, pois pedimos (à prefeitura) há tantos anos, e nada é feito — explica o balconista. 

Segundo Cléber, não é só seu filho que sofre com a poeira: 

— Um vizinho nosso acabou falecendo por problemas respiratórios, e a família dele afirma que a situação foi agravada por morar aqui. 

Histórico 

Cléber afirma que já são 15 anos de pedidos para a prefeitura pela pavimentação da via. Seu mais recente protocolo de reclamação, aberto em 2016, também marca o período em que houve uma tentativa de solucionar o problema. O balconista conta que, na época, o governo federal tinha liberado verba para pavimentar o local. 

— Naquele ano, achamos que finalmente iria acabar essa espera. Mas, quando a prefeitura não adaptou o projeto para respeitar o embargo ambiental, a verba foi transferida para consertar outro lugar — diz Cléber. 

Cléber registrou poeira que sobe na viaFoto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG

A parte da via com o maior número de residências fica a cerca de 500m do embargo ambiental do Parque Estadual Itapeva. Segundo Cléber, a prefeitura não aceitou pavimentar apenas o trecho de 750m com as casas, afirmando que faria somente o calçamento completo do local. Desde então, o órgão municipal afirma para o balconista que a falta de verba é o problema. 

Uma alternativa apresentada aos moradores seria aceitarem fazer uma parceria com a prefeitura e pagarem parte da obra. 

— É difícil ver meu filho sofrer, sabendo que a solução é possível. Conversamos inclusive com a administração do parque, que afirma que é possível fazer a obra, só é preciso respeitar o embargo. Está cada vez pior e, caso não melhore, vamos ter que ir embora — conclui o balconista. 

Obra depende da liberação de recursos 

A prefeitura de Torres, por meio de sua Diretoria de Comunicação e Marketing, informa que os recursos liberados pelo governo federal não poderiam (por regras da própria administração estadual) atender apenas um trecho da via. Neste sentido, o município explica que a gestão anterior decidiu direcionar esse recurso para outros locais. 

Em nota, o órgão afirma que cadastrou, neste ano, um novo projeto no programa Avançar Cidades, do governo federal. A prefeitura salienta que depende da liberação de recursos pelo Ministério das Cidades. 

A administração municipal explica que não dispõe de máquinas e equipamentos para asfaltamento de vias — serviço que cabe a empresas contratadas para isso —, mas afirma que realiza periodicamente a manutenção da via.

*Produção: Leticia Gomes

Leia outras reportagens da seção Seu Problema é Nosso


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros