Menina espera por exames há mais de um ano, em Viamão - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso18/04/2018 | 10h53Atualizada em 18/04/2018 | 10h53

Menina espera por exames há mais de um ano, em Viamão

Os exames foram solicitados com urgência para a menina, que cursa o sétimo ano do Ensino Fundamental, durante atendimento na UBS Augusta Marina, mas ainda não foram realizados

Menina espera por exames há mais de um ano, em Viamão Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Menina aguarda por avaliações desde 2017 Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

Desde 7 de abril de 2017, a estudante Célia Flores Lopes, 12 anos, aguarda por dois exames — uma ecografia abdominal total e uma colonoscopia — para descobrir o que causa fortes dores em sua barriga. 

Leia mais
Um mês após furto de fiação elétrica no Viaduto da Borges, lojas seguem sem luz
Esgoto entupido há cinco meses causa incômodo para moradores na Capital
Em Viamão, moradores aguardam por patrolamento em rua há mais de um ano

Os exames foram solicitados com urgência para a menina, que cursa o sétimo ano do Ensino Fundamental, pela UBS Augusta Marina, em Viamão. Entretanto, Célia espera os procedimentos até hoje, perdendo prazeres da sua infância e pré-adolescência, como brincadeiras e atividades da escola. 

A mãe de Célia, a dona de casa Adriana da Silva Flores, 34 anos, conta que, além da dor, quando se alimenta, a menina precisa ir ao banheiro muito rápido. Quando o exame foi solicitado, a médica explicou que, em casos de urgência, como o de Célia, a espera pode chegar até a seis meses – metade do tempo que a família aguarda. 

— Prejudica muito a vida dela, principalmente escolar. Tem dias que ela não consegue fazer Educação Física na escola — lamenta a mãe. 

Para amenizar o sofrimento, a mãe medica a filha em casa com analgésicos via oral. Quando a dor está no limite, leva Célia para emergências, onde recebe o medicamento via endovenosa. 

Requisição foi feita no dia 7 de abril de 2017Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG

Infância 

Triste, Célia conta que perde muitas atividades devido à dor e se sente incomodada pelo problema: 

— Na escola, muitas vezes eu tenho que pedir para a professora para poder ir ao banheiro. Na Educação Física, às vezes não consigo aguentar. E, quando tem futebol e estou no time, outra pessoa precisa entrar no meu lugar. 

Além de sentir o desconforto na escola, a situação se repete nas aulas de balé. Devido aos movimentos, a pré-adolescente precisa parar com a dança e descansar. 

Prefeitura marca um exame

A Secretaria de Saúde (SMS) de Viamão informou que o atendente responsável pelo cadastro não mencionou que o caso de Célia tinha urgência. Como a espera da menina já passa de um ano, a SMS marcou a ecografia abdominal total para hoje, às 8h30min, no Centro de Especialidades local. A prefeitura afirmou que tomou medidas, neste ano, para evitar casos como este. 

Sobre a colonoscopia, o município informou que Célia é a 12 ª na fila de espera no sistema de Saúde de Viamão, que aguarda por uma normativa da Secretaria Estadual da Saúde (SES) para cadastrar pacientes que precisam deste exame. A SES não tem o cadastro de Célia em seus registros. Em nota, o órgão municipal alegou que a SES não oferece este tipo de atendimento desde 2016, deixando 760 pacientes de Viamão em espera. 

Não foi passada previsão de data para que seja estabelecida a normativa de marcação por parte do Estado. A SMS afirmou que não tem previsão para a normalização do exame — que precisa de anestesia e, por isso, deve ser feito dentro de um hospital. 

*Produção: Eduarda Endler

Leia outras reportagens da seção Seu Problema é Nosso


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros