Paciente fica sem medicamentos para tratar Hepatite C, em Sapucaia do Sul - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso30/05/2018 | 08h32Atualizada em 31/05/2018 | 10h21

Paciente fica sem medicamentos para tratar Hepatite C, em Sapucaia do Sul

Em 2008, Maria de Lourdes descobriu que tinha a doença ao tentar doar sangue, mas somente em 2016, a doméstica fez o primeiro tratamento com coquetel de remédios do Ministério da Saúde

Paciente fica sem medicamentos para tratar Hepatite C, em Sapucaia do Sul Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Primeiro tratamento não foi eficiente, segundo médico Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

A doméstica Maria de Lourdes Menezes Pereira, 50 anos, mora em Sapucaia do Sul e, desde 2008, sofre com os efeitos da Hepatite C — doença viral que resulta na inflamação do fígado. 

Leia mais
Praça sofre com falta de capina e lixeiras em bairro de Porto Alegre
Em rua onde a água não chega, caminhão-pipa precisa abastecer moradores semanalmente, na Capital
Moradores de Imbé recebem pavimentação em via depois de reportagem do Diário

Seu marido, o motorista Albani dos Santos Pereira, 59 anos, explica que, depois de diversas tentativas de atendimento, ele não sabe mais a quem recorrer: 

— É uma sensação de total descaso. Não sei mais o que fazer, eu olho para minha esposa e a vejo se acabando. É desesperador. 

Em 2008, Maria de Lourdes descobriu que tinha a doença ao tentar doar sangue. Logo agendou uma consulta com um infectologista — especialidade médica responsável pelo estudo das doenças causadas por vírus, bactérias, protozoários, fungos e animais. 

Tratamento 

Durante o atendimento, foi informada de que seu caso era de "nível 1" e que não precisaria de tratamento imediato. 

— Na época, achamos estranho. Ela já estava com amarelão (icterícia), com menos apetite e tinha emagrecido bastante. Em 2013, teve os mesmos sintomas, mas, na consulta com o infectologista, ele só disse que o caso tinha evoluído, mas ainda sem previsão de tratamento — conta Albani. 

Somente em 2016, a doméstica fez o primeiro tratamento com coquetel de remédios distribuído pelo Ministério da Saúde. Entretanto, a medicação foi rejeitada pelo corpo de Maria de Lourdes e não possibilitou nenhuma melhora no quadro. 

Já em 2017, com 75% de avanço na doença e uma grave cirrose, com expectativa de transplante do fígado, o médico da moradora de Sapucaia encaminhou um pedido de importação de medicamento aos órgãos públicos. 

— É um remédio caro, custa cerca de R$ 107 mil por caixa. Já tivemos o pedido negado e, agora, não sabemos a quem recorrer. Não conseguimos internação nem esse tratamento — explica o motorista. 

Maria de Lourdes sofre com os sintomas da hepatite e, como conta o marido, possivelmente, está desenvolvendo depressão: 

— Ela fala que está sem forças para viver, que não sabe mais como lutar com isso. É muito triste. 

Por enquanto, a única solução em que a família deposita suas esperanças é em uma consulta no Ambulatório de Infectologia, de Sapucaia do Sul, no dia 16 de julho, marcada a pedido de Albani e Maria. 

Sem data para entregar remédios 

A prefeitura de Sapucaia do Sul informou que o médico responsável pelo caso de Maria encaminhou um novo pedido de tratamento, após a Justiça ter negado o pedido de importação. O novo coquetel é de responsabilidade do Estado, que já deferiu a solicitação. 

A prefeitura explicou que o tempo de entrega depende, agora, dos trâmites do governo estadual. A administração municipal confirmou a marcação da próxima consulta de Maria para o dia 16 de julho. 

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) declarou que o processo de Maria foi deferido em 22 de maio. A compra dos medicamentos ribavirina, daclatasvir e sofosbuvir — solicitados pelo médico da paciente — é feita pelo Ministério da Saúde, que entregou, em março, os pedidos referentes às solicitações feitas até janeiro deste ano. 

O Ministério da Saúde informou à reportagem que está em processo de compra dos medicamentos indicados para o tratamento da hepatite. Entretanto, não divulgou um prazo de recebimento, já que depende da finalização da aquisição. 

*Produção: Leticia Gomes

Leia outras reportagens da seção Seu Problema é Nosso


 

Vídeos recomendados para você

 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros