Praça sofre com falta de capina e lixeiras em bairro de Porto Alegre  - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso29/05/2018 | 08h22Atualizada em 29/05/2018 | 08h22

Praça sofre com falta de capina e lixeiras em bairro de Porto Alegre 

Os moradores não lembram a última vez que uma equipe da prefeitura esteve no local para fazer a capina ou a limpeza no terreno, que fica no bairro Jardim Urubatan, na zona sul da Capital

Praça sofre com falta de capina e lixeiras em bairro de Porto Alegre  Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Segundo a prefeitura, desde fevereiro local não é capinado Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

No bairro Jardim Urubatan, na zona sul de Porto Alegre, um espaço de convivência dos moradores está em desuso. E o motivo é o abandono pelo poder público. 

Leia mais
Em rua onde a água não chega, caminhão-pipa precisa abastecer moradores semanalmente, na Capital
Moradores de Imbé recebem pavimentação em via depois de reportagem do Diário
Falta de professor deixa aluna autista sem aula em escola de Porto Alegre

A autônoma Débora Rangel, 39 anos, mora na comunidade há cerca de 20 anos e não lembra a última vez que uma equipe da prefeitura esteve no local para fazer a capina ou a limpeza no terreno. A vizinhança não sabe o nome exato da praça, já que a placa que continha essa informação foi depredada há muito tempo, conforme relata Débora: 

— Nem quem mora há mais tempo que eu lembra o nome. Então, acho que essa placa estragada está assim há muitos anos. 

Segundo a Secretaria de Serviços Urbanos (SMSUrb), o nome da praça é União Hideraldo Luiz. 

Copos plásticos 

Além do uso pelos moradores, o local ainda serve como terminal da linha 184/ Juca Batista. No espaço da praça, há uma área de convivência onde funcionários da consórcio Viva Sul, que opera a linha, costumam fazer seus intervalos entre um itinerário e outro. Como não há lixeiras na praça, Débora conta que muito itens acabam descartados no chão — principalmente copos plásticos. 

Há cerca de dois meses, ela decidiu recolher o lixo por conta própria, mas não sentiu diferença na postura dos motoristas e cobradores que costumam lanchar no local. 

— Sei que não há lixeiras na praça, mas poderia haver um cuidado maior. Se é difícil descartar corretamente, então, o ideal é que cada um tenha a sua caneca. Já ajudaria — sugere a autônoma. 

Copos plásticos jogados pela praça incomodam frequentadoresFoto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG

Mato alto 

Débora garante que é preciso mais, mesmo com a limpeza que faz rotineiramente no local. Ela não consegue chegar a algumas áreas da praça em função da altura do mato, que tem trazido insegurança. Segundo a moradora, insetos e outros animais, como cobras, já apareceram no local: 

— A prefeitura fazia manutenção constantemente. Entretanto, pararam de repente, o que é uma pena. Muitos moradores reclamam e deixam de frequentar o local por essa falta de cuidado do poder público. 

Promessa de latões no local

O Consórcio Viva Sul, por meio da Associação dos Transportadores de Passageiros (ATP), informou que, na praça onde fica o terminal da linha 184/Juca Batista, há um espaço de descanso para as tripulações da linha. A assessoria de imprensa da ATP explica que a instalação é autorizada pela EPTC. É de responsabilidade da Viva Sul manter o ambiente e o entorno em condições de uso para as tripulações. A empresa garante que as tripulações são orientadas a não descartarem lixo na praça, e sim em local apropriado dentro da sala de descanso. 

Para evitar que os problemas prossigam, "o consórcio se compromete a colocar latões na praça, próximo ao local de descanso da tripulação, para que os usuários tenham onde descartar o seu lixo". A Viva Sul diz ainda que reforçará a limpeza do entorno da sala de descanso.

Capina e limpeza são previstas para junho

A SMSUrb, por meio do Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU), informa que a visita mais recente à praça foi em fevereiro. Agora, está programado o retorno para o mês de junho. 

A secretaria justifica que o contrato de limpeza de parques e praças que está em vigor atualmente atende até 200 locais por mês. Entretanto, a SMSUrb salienta que há cerca de 650 praças e parques na Capital, o que torna o retorno aos locais mais espaçado — o atendimento tem sido a cada três meses. 

Promessa da prefeitura é atender o local no próximo mêsFoto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG

Uma nova licitação foi lançada, e a previsão da prefeitura é que, no segundo semestre de 2018, novas equipes estarão trabalhando nestes locais. O novo contrato incluirá cláusulas de desempenho e mais rigor na fiscalização, aumentando a quantidade de atendimentos mensais. 

Quanto à falta de lixeiras na praça União Hideraldo Luiz, a SMSUrb explica que o equipamento não existe em todas as praças e parques. Isso porque não é possível fazer o recolhimento programado em todos os pontos. A dica, então, é "buscar a conscientização dos frequentadores para que o descarte irregular não siga ocorrendo". 

*Produção: Alberi Neto

Leia outras reportagens da seção Seu Problema é Nosso


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros