Abandono de antigo Posto Materno Infantil causa insegurança para moradores de Capão de Canoa - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso11/07/2018 | 09h29Atualizada em 11/07/2018 | 09h29

Abandono de antigo Posto Materno Infantil causa insegurança para moradores de Capão de Canoa

O prédio onde funcionava a unidade de saúde foi fechado em 2015 para uma ampliação. Desde então, as obras se arrastam e o local sofre com o vandalismo, além de se tornar um ponto de uso de drogas

Abandono de antigo Posto Materno Infantil causa insegurança para moradores de Capão de Canoa Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Placa anunciando ampliação está abandonada no local Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

Em um prédio público da Avenida General Osório, no bairro Santa Luzia, em Capão da Canoa, o cenário de abandono chama a atenção. Onde funcionava o Posto Materno Infantil da cidade, uma placa prometendo a ampliação do local está jogada, quase escondida. 

Leia mais
Alagamentos constantes preocupam moradores de rua na Restinga, em Porto Alegre
Moradora de Porto Alegre precisa de doações para realização de cirurgia abdominal
Após reportagem do Diário, moradora de Eldorado do Sul consegue receber aposentadoria

Segundo moradores, os trabalhos no local começaram em 2015. Antes do fechamento, eram feitos atendimentos relacionados à saúde da mulher e de pediatria, conforme a Secretaria Municipal de Saúde. Agora, parte do material que restou foi furtada. O espaço também é utilizado como refúgio para moradores de rua ou para uso de drogas. 

Morador do Santa Luzia, o autônomo Júlio César da Rosa Costa, 32 anos, estava passando em frente ao local há cerca de duas semanas quando viu um morador de rua deixando o prédio com parte de uma maca. Resolveu entrar e deparou com um cenário de abandono: sujeira, macas quebradas, extintores de incêndio espalhados e até pastas com papéis da época em que o Posto Materno Infantil ainda funcionava. 

— Entrei e vi aquela situação. Quando estava saindo, um morador das redondezas explicou que ia tentar trancar o local por conta própria, ao menos para diminuir a circulação de pessoas — recorda Júlio.

No interior, cenário é de descasoFoto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG

Insegurança 

Outra preocupação é com relação ao futuro das instalações. Como não foi repassada à população nenhuma previsão para a conclusão da obra, quem vive na cidade não sabe ao certo o que acontecerá no local, conforme conta Júlio: 

— É um bem público que está abandonado. Não temos nenhum posicionamento oficial dizendo se um dia estará disponível para a população novamente. 

O secretário de saúde de Capão da Canoa, Josiel Matos, reconhece a questão da insegurança. Ele explica que a prefeitura fez o isolamento do local com tapumes, mas o prédio foi alvo de arrombamentos. 

Duas empresas já desistiram de trabalhar na ampliação do local. Joel conta que uma nova companhia assumiu o canteiro de obras há cerca de 10 dias. Agora, a ampliação deve ser concluída em 90 dias. 

Antigos consultórios viraram abrigo ou refúgio para o consumo de drogasFoto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG

Sem prazo para voltar a usar o prédio 

O local onde funcionava o Posto Materno Infantil não será mais utilizado para este fim. Segundo o secretário de Saúde, agora, o atendimento de mães e bebês é feito nas nove unidades do programa Estratégia Saúde da Família (ESF) do município.

As obras de ampliação custaram R$ 140 mil, dinheiro vindo do governo federal, segundo Josiel. Mas, como a unidade foi fechada em 2015 para a ampliação, o prédio acabou sendo depredado. E a verba não cobre o estrago: 

— Vamos ter que captar cerca de R$ 300 mil em recursos próprios para a reforma. Mas não é possível estipular um prazo para isso — projeta Josiel.

O secretário afirma que o prédio poderá sediar mais uma unidade do ESF ou o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) da cidade, que atualmente está em local provisório. 

*Produção: Alberi Neto

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros