Alagamentos constantes preocupam moradores de rua na Restinga, em Porto Alegre - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso10/07/2018 | 09h30Atualizada em 10/07/2018 | 09h30

Alagamentos constantes preocupam moradores de rua na Restinga, em Porto Alegre

Para quem vive no local, a questão é causada por problemas na rede pluvial, que não tem capacidade para escoar a água das chuvas

Alagamentos constantes preocupam moradores de rua na Restinga, em Porto Alegre Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Movimento de carros gera "ondas" de água suja Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

A Rua Maria Alice, no bairro Restinga, em Porto Alegre, alaga sempre que chove forte. Os moradores relatam sofrer com esta situação há mais de 20 anos. Para quem vive no local, a questão é causada por problemas na rede pluvial, que não consegue escoar a água das chuvas. 

Leia mais
Moradora de Porto Alegre precisa de doações para realização de cirurgia abdominal
Após reportagem, moradora de Eldorado do Sul consegue receber aposentadoria
Isolada há um ano, marquise no Centro não tem previsão de obras, em Porto Alegre

Os vizinhos acreditam que isto acontece devido ao número insuficiente de bocas de lobo ao longo da rua. A administradora Andréa Fagundes, 46 anos, mora no local há mais de 10 anos e relata que a água, nos dias de chuva, entra até nas casas: 

— Toda vez que chove forte, em questão de minutos, a Rua Maria Alice alaga, e a prefeitura não faz nada. 

Quando isso acontece, é necessário que os moradores tranquem a rua, visto que ondas de água suja entram nas casas quando os carros passam. 

Abaixo- assinado 

A administradora conta que um abaixo-assinado já foi feito pelos moradores, mas não foi suficiente para resolver a questão. Andréa diz que a água não chega a entrar em sua casa, mas percebe o sofrimento de quem enfrenta o problema. 

A dona de casa Letícia Falcão, 22 anos, mora na Rua Maria Alice há três meses e conta ser um problema viver em um local que alaga com frequência. 

— Nós tínhamos uma casa de madeira mas, quando alagava tudo, entrava água, e o chão acabou apodrecendo. Tivemos que colocar a casa abaixo e construir uma de material, que fosse mais elevada do que o terreno. Eu moro aqui há pouco tempo, mas a minha sogra vive nesta rua há 22 anos e conta que sempre foi assim — relata a moradora. 

Letícia tem uma filha de oito meses. Ela diz que, quando precisa sair de casa em dias de chuva, mesmo com a pequena no colo, tira o sapato e anda no lodo: 

— Eu tenho medo de pegar alguma doença, mas, às vezes, não temos escolha. Sempre que eu posso, evito sair de casa nestes dias. Os vizinhos até tentam barrar a água com tijolos, mas não adianta. 

Segundo os moradores, local tem poucas bocas de loboFoto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG

Prefeitura promete vistoria técnica

O problema da Rua Maria Alice já foi publicado na seção Pede-se Providências do Diário, nas edições dos dias 25 de setembro de 2017 e 13 de março de 2018. Nenhuma atitude foi tomada pelos órgãos públicos. 

Procurada, a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Mobilidade Urbana (Smim) informou que realizará uma vistoria técnica no local nos próximos dias para avaliar a situação. 

Mas, para isso, depende de uma condição climática adequada, sem chuvas. Então, por enquanto, os moradores da via seguirão aguardando por uma solução.

*Produção: Juliana Agne

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros