Com síndrome rara, morador de Gravataí busca ajuda para realizar cirurgia em São Paulo - Notícias

Versão mobile

 

Seu problema é nosso13/08/2018 | 08h58Atualizada em 13/08/2018 | 08h58

Com síndrome rara, morador de Gravataí busca ajuda para realizar cirurgia em São Paulo

Diogo Oliveira foi diagnosticado com uma doença rara, chamada de síndrome de Arnold-Chiari Tipo 1 - uma malformação genética em que há o comprometimento do sistema nervoso central

Com síndrome rara, morador de Gravataí busca ajuda para realizar cirurgia em São Paulo Arquivo Pessoal / Leitor/DG/Leitor/DG
Foto: Arquivo Pessoal / Leitor/DG / Leitor/DG

Esperança para recuperar portador de síndrome rara

— Se todos ajudarem, vamos conseguir salvar a vida de uma pessoa, que é o pai do meus filhos e o amor da minha vida — desabafa a faxineira desempregada Cleima de Souza, 37 anos, moradora de Gravataí, na Região Metropolitana. 

Leia mais
Morador de Cachoeirinha aguarda por cirurgia para amenizar sequelas de acidente
Moradores pedem, mas prefeitura não faz operação tapa-buraco em rua de Gravataí
Calçada desaba e mulher fica presa em buraco, em Porto Alegre

Desde março, o medo se faz presente na rotina dela. Seu marido, o auxiliar de marceneiro Diogo de Matos Oliveira, 35 anos, foi diagnosticado com uma doença rara, chamada de síndrome de Arnold-Chiari Tipo 1 — malformação genética em que há o comprometimento do sistema nervoso central e que pode resultar em dificuldade de equilíbrio, perda da coordenação motora e problemas visuais. 

Cleima conta que Diogo decidiu ir embora do trabalho, pois estava sentindo dormência no corpo e fisgadas. Preocupado, foi para casa e pediu para que ela o levasse para o hospital, com receio de estar tendo um Acidente Vascular Cerebral (AVC). 

Encaminhado para  um neurologista, recebeu duas notícias: uma positiva, que ainda não estava com tumor. A outra, negativa, que é portador de uma síndrome rara. 

— O médico nos explicou o que Diogo tem e pediu para que pesquisássemos sobre o problema na internet, para acreditarmos na gravidade do que ele estava nos falando — lembra Cleima.

Afastada do trabalho para cuidar do marido, Cleima fez pesquisas sobre a síndrome de Arnold-Chiari Tipo 1. Ela lembra que as buscas resultavam em um neurocientista, chamado Royo Salvador, que trabalha no Instituto Chiari, em Barcelona. Para tratar o problema, há um procedimento chamado Filum System. 

— Resolvi entrar na página e conheci uma senhora de Porto Alegre que fez a cirurgia com ele — conta. 

No Brasil 

Em contato com essa mulher, Cleima descobriu um médico em São Paulo que faz o procedimento com a mesma técnica. No dia 25 de maio, o casal foi até lá consultar com o profissional. Para Diogo fazer a cirurgia, eles precisam de R$ 90 mil. 

Até o momento, o casal arrecadou apenas R$ 650 e, destes, R$ 100 pela vaquinha online, e conta com a solidariedade para conseguir o valor. 

— O Diogo tem medo da morte, de deixar os dois filhos, os pais e a mim — afirma Cleima. 

Operação não é oferecida pelo SUS

Pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a cirurgia não está disponível. A alternativa que os médicos apresentam é a craniectomia, um procedimento que remove uma parte do crânio para aliviar a pressão de dentro do cérebro. 

Segundo Cleima, devido às complicações que a cirurgia pode causar, por ser mais agressiva, eles optaram pela Filum System.

— Soube que essa oferecida pelo SUS é muito arriscada — explica. 

A Filum System, de acordo com a Cleima, é mais simples devido ao pós operatório mais curto e à forma com que ela é feita: 

— É pelo cóccix, com um corte de quatro centímetros. Soubemos que ela paralisa o avanço da doença, pois é cortado um filamento chamado Filum Terminale que, nos disseram, não tem função na fase adulta. Com isso, libera a pressão que a medula sofre. O paciente se interna hoje no hospital, amanhã faz a cirurgia de cerca de duas horas e sai no dia seguinte, caminhando normalmente.

Saiba como ajudar

— Contribua na vaquinha online.
— Ajude por meio de depósito no Itaú, na agência 8.518, conta corrente 38500-3, código do banco 341, em nome de Diogo de Matos Oliveira.
— Também é possível colaborar na Caixa Econômica Federal, pela poupança de número 000.048.915-0, agência 0478, operação 013, em nome de Diogo de Matos Oliveira.
— Caso queira colaborar de outra forma, entre em contato pelo (51) 98275-1928, e-mail cleimarosanalopesdesouza@gmail.com ou pela página no Facebook

*Produção: Eduarda Endler 

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros