Cirurgia é esperança para menino com síndrome rara, em Montenegro - Notícias

Vers?o mobile

 

Seu Problema é Nosso26/11/2018 | 10h05Atualizada em 26/11/2018 | 11h30

Cirurgia é esperança para menino com síndrome rara, em Montenegro

A família do pequeno está fazendo vaquinha online, rifas e eventos para arrecadar o valor necessário para o procedimento cirúrgico

Cirurgia é esperança para menino com síndrome rara, em Montenegro LeitorDG / Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Desde que nasceu, João Pedro, de seis anos, não consegue erguer os braços Foto: LeitorDG / Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

A rotina de João Pedro Greff dos Santos, de apenas seis anos, não é nada fácil. Desde que nasceu, ele não tem o movimento dos braços devido a uma síndrome rara e grave, chamada artrogripose múltipla congênita (AMC) — doença caracterizada por deformidades e rigidez nas articulações. Assim, não consegue movimentar os membros superiores. 

 Leia mais  
Após vaquinha, Banda Comunitária de Viamão vence campeonato
Moradora do Jardim Aparecida, em Alvorada, enfrenta problemas causados por esgoto a céu aberto
Pescadores enfrentam problemas em renovar licenças para pesca amadora, em Viamão 

Com o objetivo de melhorar os sintomas do problema de saúde, João pode passar por uma cirurgia que custa R$ 50 mil para cada braço — ele fará primeiramente em um só membro. Como não tem os valores, a família do pequeno está fazendo vaquinha online, rifas e eventos, como galeto e pedágio solidário, com esperança de melhorar a vida do filho. 

— É muito difícil. Ele questiona o porquê de ter nascido assim — conta a mãe do menino e dona de casa, Fernanda Greff Machado, 25 anos. 

Dificuldades 

Sem conseguir levantar os braços para cima ou dobrar os cotovelos, João depende da mãe para se alimentar, tomar banho e ir no banheiro. Na escola, o menino se percebe diferente dos demais colegas, o que dói na mãe e no filho: 

— Ele fica triste. Querendo ou não, ele é diferente.  A cada dia que passa, fica mais difícil de explicar. Ao mesmo tempo que ele não saberá o que é uma síndrome, também não aceita a doença. 

Além de João, Fernanda tem outros dois filhos, Murilo e Bernardo, que são gêmeos, de três anos. A mãe dos meninos conta que João se cobra por não ser igual aos irmãos e não ter os mesmos movimentos. Ela salienta que, como precisa alimentar João na boca, faz o mesmo com os gêmeos, para não causar tanto impacto para o mais velho. 

Independência

— A gente diz que Deus mandou ele assim e faz o possível para ele não sentir a diferença que o problema de saúde causa — conta a mãe. 

Com a cirurgia, que insere um extensor com dobradiças no cotovelo, João conseguirá mover e dobrar o braço. Para a mãe, o procedimento é uma chance de o menino ter um futuro menos difícil. Apesar disso, sente medo, pois a cirurgia pode não ser 100% eficaz para o problema que afeta o filho. 

— Com o braço que dobrará, ele poderá se alimentar sozinho e fazer a barba, quando crescer. Com o braço que fica para baixo, caso não façamos a cirurgia do outro lado, ele poderá fazer a própria higiene. 

Como ajudar

/// No dia 16 de dezembro, ocorrerá um galeto solidário, por R$ 15, em Montenegro. Ingressos e mais informações podem ser obtidos com a mãe do João, Fernanda, pelo número (51) 99619-9832.

/// É possível contribuir pela vaquinha online.

/// Depósitos bancários podem ser feitos pelo Banrisul, agência 0283, conta corrente 35.113007.0-8. 

/// Ou pela Caixa, agência 0530, operação 013, conta 110915-8.

Produção: Eduarda Endler

 Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso  


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros