Depois de matéria no Diário Gaúcho, estudante da UFRGS consegue comprar triciclo para frequentar aulas - Notícias

Versão mobile

 

Seu Problema é Nosso19/11/2018 | 11h04Atualizada em 19/11/2018 | 11h04

Depois de matéria no Diário Gaúcho, estudante da UFRGS consegue comprar triciclo para frequentar aulas

Vanessa Gomes, 28 anos, sofre com a pouca oferta de ônibus adaptados para cadeirantes, bem como o baixo número de rampas disponíveis nas calçadas

Depois de matéria no Diário Gaúcho, estudante da UFRGS consegue comprar triciclo para frequentar aulas Júlio Cordeiro / Agencia RBS/Agencia RBS
Agora, Vanessa tem mais facilidade para frequentar a universidade Foto: Júlio Cordeiro / Agencia RBS / Agencia RBS

O transporte da estudante de Publicidade e Propaganda Vanessa Gomes, 28 anos, vai ficar mais facilitado — e rápido — no percurso entre sua casa, em Alvorada, e seu campus na UFRGS, em Porto Alegre. Após matéria publicada no Diário Gaúcho em 8 de outubro, a universitária, que é cadeirante, conseguiu atingir os valores necessários para comprar um triciclo elétrico e fazer o trajeto até a faculdade.

 Leia mais
Monette Esperance viaja para buscar filhos que não vê há cinco anos
Mesmo após reportagem, idosa continua aguardando cirurgia desde 2014 para tratar braço quebrado
Mesmo após reportagem, situação em Beco Cecílio Monza, na Restinga, continua igual

— Nunca mais vou precisar de ônibus ou chegar atrasada — afirma Vanessa, bem humorada.

Na terça-feira passada, em uma loja de Novo Hamburgo, junto ao namorado, Douglas Motta, 18 anos, Vanessa comprou o veículo. 

Acessibilidade

Quando a história da estudante foi divulgada no jornal, a vaquinha online já havia arrecadado R$ 3,7 mil, e ela precisava de R$ 12,5 mil. Segundo Vanessa, um dia após a publicação, os valores chegaram a quase R$ 8 mil. Para ir e voltar da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, no bairro Santana, na Capital, ela precisa de até seis ônibus diários saindo de sua casa, no bairro Formoza, em Alvorada.

Além da dificuldade de locomoção, Vanessa também sofre com a pouca oferta de ônibus adaptados para cadeirantes, bem como o baixo número de rampas disponíveis nas calçadas. Em Porto Alegre, segundo o Censo 2010 do IBGE, apenas 23% das calçadas de domicílios de áreas urbanas contavam com rampas. Com os dias de chuva, a situação piorava.

Devido a estes problemas, Vanessa foi obrigada a desistir de disciplinas da faculdade logo no primeiro semestre de estudo, neste ano. Mas, agora, ela espera que esses entraves fiquem no passado.

O objetivo de R$ 12,5 mil foi completado em 26 de outubro, chegando a R$ 13 mil após essa data, com 125 contribuiçõesFoto: Júlio Cordeiro / Agencia RBS

Autorização

— Dei umas voltas na quadra aqui de casa, cheguei até a sete quilômetros por hora — brinca a estudante, após falar dos primeiros contatos com o triciclo motorizado.

Os valores obtidos ultrapassaram a meta inicial que ela havia estipulado. O objetivo de R$ 12,5 mil foi completado em 26 de outubro, chegando a R$ 13 mil após essa data, com 125 contribuições.

No entanto, para poder circular com ele pelas ruas, segundo o Departamento Estadual de Trânsito do Rio Grande do Sul (Detran-RS), Vanessa deverá obter uma Autorização para Condução de Ciclomotor (ACC), um tipo de habilitação própria para o triciclo.

Produção: Ásafe Bueno

 Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros