Mesmo após reportagem, situação em Beco Cecílio Monza, na Restinga, continua igual - Notícias

Vers?o mobile

 

Seu Problema é Nosso14/11/2018 | 13h51Atualizada em 14/11/2018 | 13h51

Mesmo após reportagem, situação em Beco Cecílio Monza, na Restinga, continua igual

No dia 16 de outubro, o Diário Gaúcho mostrou a situação vivida por Gustavo Oliveira dos Santos, 22 anos, que lida com a péssima condição da rua, a aparição de canos e de caixas de esgoto em buracos no chão e a falta de lâmpadas nos postes de iluminação pública

 

Tampas de esgoto ficam visíveisFoto: Arquivo Pessoal / Leitor DG

— A situação continua horrível. A gente acreditou que poderia haver uma mudança, mas foram só promessas, como sempre.

 Leia mais
Dona de casa aguarda diagnóstico para dores agudas desde 2017, em São Leopoldo
Moradora de Viamão busca há cinco anos tratamento para ruptura de ligamento do joelho
Abandono de escadaria causa medo em moradores do bairro São José, em Porto Alegre

Este é o desabafo do estudante de Ensino Médio Gustavo Oliveira dos Santos, 22 anos, morador do Beco Cecílio Monza, no bairro Restinga, na zona sul de Porto Alegre. No dia 16 de outubro, o Diário Gaúcho mostrou a situação vivida por ele e seus vizinhos, que lidam diariamente com a péssima condição da rua, a aparição de canos e de caixas de esgoto em buracos no chão e a falta de lâmpadas nos postes de iluminação pública. 

Segundo o jovem, o problema existe há pelo menos 10 anos e nunca recebeu a atenção da administração pública:

– Não se vê a prefeitura por aqui, tentando ajudar. Muitas pessoas nem sabem que podem pedir apoio.

Na época, a prefeitura de Porto Alegre se comprometeu a visitar a região ainda em outubro, a fim de solucionar os problemas. 

Promessas

A Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (SMSUrb) afirmou, por meio da Divisão de Iluminação Pública (DIP), que havia programado para a última semana de outubro os reparos nos equipamentos de iluminação do Beco – o conserto dependia apenas da chegada do material, que havia sido solicitado. Mas, até hoje, 28 dias depois, nada mudou.

– Os moradores só queriam que arrumassem as lâmpadas, não temos mais condições de viver nessa escuridão – conta Gustavo.

Já o Dmae, em conjunto com a Secretaria Municipal de Infraestrutura e Mobilidade Urbana (Smim), programou para a semana da publicação da reportagem uma ação de melhorias das condições do trecho em que a rede de água está aparente. A Divisão de Conservação de Vias Urbanas (DCUV) da Smim faria o serviço de patrolamento no local para a mesma semana, de acordo com as condições climáticas. Mesmo com dias de sol, os canos continuam aparentes na via.

Gustavo conta que há uma obra próximo à rua – que ele não sabe se é particular ou pública. De acordo com eles, os caminhões e outras máquinas pesadas passam pelo Beco Cecílio Monza, o que piora ainda mais a situação da via:

– Eu não sei como os carros sobem.

Promessa de conserto para este mês

A SMSUrb, por meio dos técnicos da DIP, ainda aguarda a chegada de material para a realização dos serviços, incluindo entre outros trabalhos os do Beco Cecílio Monza. Segundo a Divisão, houve um atraso na entrega dos itens. Apesar disso, a demanda já está na programação de intervenções da DIP para a próxima semana, até o dia 23.

A DCVU, da Smim, afirmou que realizou serviço de manutenção no local com retroescavadeira na semana citada na reportagem anterior. No entanto, por se tratar de uma lomba não pavimentada, irá vistoriar novamente o local e informa que podem ser necessários novos serviços de manutenção – que serão programados, caso necessário.

 Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso   

Produção: Eduarda Endler


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros