Dona de casa aguarda diagnóstico para dores agudas desde 2017, em São Leopoldo - Notícias

Vers?o mobile

 

Seu Problema é Nosso13/11/2018 | 10h34Atualizada em 13/11/2018 | 10h34

Dona de casa aguarda diagnóstico para dores agudas desde 2017, em São Leopoldo

Eliane Malheiros, 40 anos, não sabe qual é exatamente seu problema de saúde e segue consultando com um médico clínico-geral

Dona de casa aguarda diagnóstico para dores agudas desde 2017, em São Leopoldo Arquivo Pessoal / Leitor DG/Leitor DG
Dona de casa está ansiosa por respostas Foto: Arquivo Pessoal / Leitor DG / Leitor DG

A vida da dona de casa Eliane Malheiros, 40 anos, de São Leopoldo, vem sendo de espera e sofrimento há mais de 12 meses. Sentindo dores abdominais agudas, ela aguarda por uma consulta com um gastroenterologista desde novembro de 2017. Sem saber qual é exatamente seu problema de saúde, Eliane segue consultando com um médico clínico-geral.

 Leia mais
Moradora de Viamão busca há cinco anos tratamento para ruptura de ligamento do joelho
Abandono de escadaria causa medo em moradores do bairro São José, em Porto Alegre
Após reportagem sobre falta de remédio, leitor recebe doação de 700 comprimidos  

– Fazer o quê, a gente tem que aguentar – desabafa a dona de casa que, além de lidar com sua situação de saúde, também cuida de seu filho que tem necessidades especiais. 

Retorno

Segundo ela, o problema começou há pelo menos um ano e meio. A consulta inicial se deu na Unidade Básica de Saúde Jardim América, em São Leopoldo. Após, ela foi direcionada ao Hospital Centenário, no mesmo município. Em consulta com uma médica clínicageral, foi solicitada uma tomografia. 

No exame, segundo laudos encaminhados pela leitora, foi localizado um nódulo em seu fígado – chamado hemangioma. Então, conforme encaminhamento divulgado à reportagem, em novembro de 2017, foi solicitada a consulta com um gastroenterologista. 

No entanto, as dores obrigaram Eliane a procurar a médica outras vezes. O sofrimento fez a dona de casa procurar alternativas fora do Sistema Único de Saúde (SUS). Em uma clínica particular, Eliane obteve a resposta de que precisava de tratamento urgente. Para descobrir com mais clareza qual é o problema, seria necessário investigar mais a fundo. No entanto, as possibilidades financeiras de Eliane a limitaram, outra vez, à espera pelo serviço público. 

– Eles pediram mais exames. Eu não tenho condições de pagar – explica a dona de casa. 

Proctologista 

Retornando às consultas pelo SUS, as dores continuavam. Os medicamentos somente amenizavam o sofrimento. Periodicamente, Eliane sofre crises de dores agudas, que a obrigam a retornar à médica clínica-geral para obter alguma resposta. 

A leitora informa que é necessária a consulta inicial com o gastroenterologista para iniciar o tratamento. A médica com quem consulta em São Leopoldo – onde não é oferecida essa especialidade – então encaminhou Eliane para um proctologista. Na consulta, Eliane obteve um encaminhamento para uma colonoscopia. O exame está marcado para julho de 2019. 

Sem previsão de chamamento 

A Secretaria Estadual de Saúde (SES), informou que a consulta com o gastroenterologista foi autorizada e está “ aguardando agenda”. O comunicado oficial também afirma que, “ para casos de piora dos sintomas, a paciente deve procurar o seu médico assistente para atualização do quadro e reavaliação da gravidade”, o que a leitora afirmou já ter feito. A SES também foi questionada sobre o porquê da demora e o motivo de a paciente não ser considerada um caso de urgência. No entanto, não houve resposta a essas perguntas. 

Produção: Ásafe Bueno

 Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso  


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros