Esgoto, lixo e abandono afetam moradores do Arroio da Manteiga, em São Leopoldo - Notícias

Versão mobile

 

Seu Problema é Nosso06/12/2018 | 10h48Atualizada em 06/12/2018 | 10h59

Esgoto, lixo e abandono afetam moradores do Arroio da Manteiga, em São Leopoldo

Karen Rosa Pereira, 30 anos, conta que já buscou apoio da prefeitura inúmeras vezes, mas que a situação tem piorado na Rua Tenente Carlos Lemos Bastos


Descarte em local impróprio é comumFoto: LeitorDG / Arquivo Pessoal

— A rua é abandonada. 

Este é o desabafo da cabeleireira Karen Rosa Pereira, 30 anos, sobre a Rua Tenente Carlos Lemos Bastos, no bairro Arroio da Manteiga, em São Leopoldo. Há dois anos residindo e trabalhando na via, ela se preocupa com o desleixo por parte dos moradores e da prefeitura. Segundo ela, o local é tomado por mato, lixo, animais mortos e abandonados, além do esgoto que corre de dentro do terreno baldio até o centro da rua. 

 Leia mais    
Falta da coleta de lixo seco incomoda moradores do Porto Verde, em Alvorada
Calçada em obras causa transtornos no bairro Sarandi, em Porto Alegre
Campanha em prol da nova cadeira de rodas para Joãozinho ganha apoio da dupla Gre-Nal  

A moradora relata que já buscou apoio da prefeitura inúmeras vezes, mas que a situação tem piorado, mesmo com a poda das plantas do local e o recolhimento do lixo. Apesar do pedido de ajuda, Karen conta que o esgoto que corre a céu aberto não foi resolvido. 

— Quando chove, tudo fica tomado pelo esgoto, porque a rua é esburacada. A gente não suporta o cheiro, ainda mais nos dias quentes que temos passado. E com esse calor, ainda aparecem mais mosquitos. Não temos como ficar na área — lembra. 

Insetos 

Sem saber quem é dono do terreno vizinho do condomínio onde mora, Karen conta que o campo serve para descarte irregular de móveis, como armários e colchões: 

— A gente vê as pessoas deixando o lixo ali.

Além dos materiais, a rua tem sido utilizada para abandono de animais. Segundo Karen, os vizinhos do condomínio onde mora os resgatam colocam para adoção: 

— É desumano. Eles deixam filhotes de cachorros e gatos, além de animais mortos, dentro do matagal. 

A cabeleireira conta ainda que há procriação de ratos, lagartos e insetos, que causam risco para quem passa pela via. 

— Não temos condições de ficar na área da casa, porque enche de mosquitos. Tem muitas crianças morando aqui, é muito perigoso para elas — desabafa Karen. 

Prefeitura falará apenas no dia 14

Em 23 de novembro, o Ministério Público do Estado cobrou a prefeitura de São Leopoldo sobre a situação da Rua Tenente Carlos Lemos Bastos, após denúncia feita pelos moradores da via. A administração pública tem 20 dias, a partir da data citada, para apresentar informações sobre o problema. 

Questionada sobre a manutenção da rua, a responsabilidade pelo terreno baldio e as formas que tem para evitar que terrenos sejam usados como local para descarte de lixo, a prefeitura informou que só irá se manifestar após o prazo estabelecido pelo Ministério Público. 

Produção: Eduarda Endler

 Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso   


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros