Falta de sinalização na RS-118 causa insegurança para pedestres e motoristas - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Obra23/01/2019 | 07h00

Falta de sinalização na RS-118 causa insegurança para pedestres e motoristas

Parte da duplicação da RS-118, que já se estende há duas décadas, está mal sinalizado, dificultando a travessia de veículos e pedestres. Governo quer concluir o trabalho ainda em 2019

Falta de sinalização na RS-118 causa insegurança para pedestres e motoristas Lauro Alves / Agência RBS/Agência RBS
Pedestres se arriscam para fazer a travessia, como o metalúrgico aposentado Darci Thiesn (foto) Foto: Lauro Alves / Agência RBS / Agência RBS

As obras da RS-118 já se estendem há tanto tempo que o transtorno causado pelos desvios e bloqueios virou rotina. Entre idas e vindas, paradas e recomeços, os trabalhos de duplicação da via já duram 26 anos — a primeira licitação foi lançada em 1993, como recorda o diretor-geral do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer-RS), Rogério Uberti. Com intervenções ocorrendo há tanto tempo, os motoristas que circulam por ali, quando questionados, se dizem acostumados com os gargalos que se formam na rodovia.

Leia mais
Carros invadem espaço de ciclovia, causando transtornos em Novo Hamburgo
Socorristas voluntários de Alvorada buscam parcerias para conserto de ambulância
Buraco na entrada do Umbu segue incomodando, em Alvorada

— Os transtornos de agora são o ônus para termos uma pista duplicada no futuro — diz o motorista Lidiano de Matos, 45 anos. 

O maior problema é para quem vem das BRs 116 ou 448, no trecho de Sapucaia do Sul, logo no início da rodovia. Neste ponto, um viaduto está em construção. Entretanto, a falta de sinalização e de orientação aos motoristas e pedestres têm causado um sem fim de confusões. 

Nesta terça-feira (22), a reportagem esteve em Sapucaia do Sul e presenciou situações de risco. Circulando pela região, é fácil registrar a confusão no trânsito, principalmente para quem vem dos bairros e tenta acessar a rodovia. Além disso, muitos pedestres precisam se arriscar em meio aos carros e caminhões para atravessar a pista. Morador de Sapucaia, o metalúrgico aposentado Darci Thiesn, 65 anos, precisa descer da bicicleta para fazer a travessia da RS-118. Ele diz estar acostumado ao transtorno, mas ressalta que é preciso atenção ao cruzar a via.

— Se não tem pique para passar correndo, melhor nem se arriscar — brinca.

Imprudência

Os congestionamentos gerados pelas obras não têm se limitado apenas aos horários de pico. Na manhã em que a reportagem esteve no local, mesmo depois das 10h, o movimento era lento no sentido Gravataí-Sapucaia. O gargalo se forma pois quem vem de Gravataí encontra bons trechos já duplicados, o que dá mais fluxo ao trânsito. Entretanto, chegando em Sapucaia do Sul, é necessário andar por pista simples. Aliado a isto, o trânsito local, das comunidades lindeiras à rodovia, carrega ainda mais o fluxo. Quem circula diariamente pela região precisa ter paciência. O autônomo Adriano Dalla Lastra, 56 anos, que mora em Esteio, ainda chama a atenção para imprudência de alguns motoristas:

— Sempre tem alguns que atravessam onde não devem. A tranqueira é consequência, fazer o quê? A obra tem que sair.

A industriária Irani Valena Pereira, 63 anos, só se arrisca na travessia da pista em casos de extrema necessidade. Ontem, a moradora de Esteio precisou ir até o lado de Sapucaia do Sul. Para ela, a falta de uma sinalização específica para os pedestres é o que causa mais problema.

— Só se metendo no meio dos carros para conseguir passar. Eu tenho medo, mas não tem o que fazer, não tem uma passarela sequer para atravessarmos — reclama Irani. 

Retorno e acessos locais não tem sinalização vertical ou horizontal, e nem pintura de faixasFoto: Lauro Alves / Agência RBS

Mudanças ainda em janeiro

O diretor-geral do Daer-RS, Rogério Uberti, reconhece os problemas de sinalização das obras da RS-118, principalmente no trecho de Sapucaia do Sul. Segundo ele, na quinta-feira passada, uma reunião entre a Secretaria de Logística e Transporte do Estado e o Daer definiu a diretoria de Operação Viária vai assumir a responsabilidade por providenciar melhorias na sinalização e na mobilidade da rodovia. Conforme Rogério, o órgão ainda assinou, no fim do ano passado, um termo aditivo no contrato do trecho de Sapucaia para aquisição de equipamentos de sinalização, principalmente para iluminação noturna do local.

— Entre o fim de janeiro e o mês de fevereiro os usuários da via começarão a sentir os efeitos práticos. Apesar de ser uma obra de grande porte, não podemos virar as costas para as comunidades ao redor. 

Conclusão

A expectativa do Daer e do Governo do Estado, é concluir a RS-118 ainda em 2019. Segundo Rogério, se seguirem o ritmo atual das obras, não devem haver empecilhos quanto a este prazo. 

— A duplicação está sendo tratada como prioridade pelo governador. É uma obra que já está 70% concluída, sua não finalização é impensável — garante o diretor do Daer.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros