Preço do material escolar sobe acima da inflação - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Teu Bolso16/01/2019 | 07h00Atualizada em 16/01/2019 | 11h32

Preço do material escolar sobe acima da inflação

Diário Gaúcho realizou levantamento de preços em quatro lojas da Capital para auxiliar os leitores na hora da compra

Preço do material escolar sobe acima da inflação Tadeu Vilani/Agencia RBS
Elisangela Bosse e a filha Letícia não perderam tempo: na segunda-feira, já estavam pesquisando preços Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Início do ano é também o início da preocupação com os gastos na compra de materiais escolares. E, para quem vai comprar, é melhor ir preparando o bolso. O aumento médio do preço dos materiais escolares ficará em torno dos 10% em relação ao ano passado, conforme a Associação Brasileira de Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares e de Escritório (ABFIAE). Este índice é 2,6 vezes maior do que a inflação acumulada dos últimos 12 meses, que está na casa dos 3,75%. 

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Para a ABFIAE, o aumento pode ter duas motivações. A primeira está na elevação do custo de matérias-primas importantes como o plástico e o papel. O segundo motivo para o acréscimo nos preços, na visão da associação, se deve à flutuação do dólar ao longo de 2018, que também impacta o preço de materiais importados, como estojos e mochilas. 

Pesquisa

Para ajudar você na hora de pesquisar os preços, o Diário Gaúcho foi a quatro lojas de Porto Alegre na segunda-feira, consultando o menor valor para cada um dos 20 itens mais comuns nas listas de materiais (veja na tabela). 

Entre os produtos pesquisados pela reportagem em 2018 e nesta semana, o maior aumento foi o da caixa de giz de cera com 12 unidades. No ano passado, o produto custava R$ 2,50. Agora, na mesma loja, o preço saltou para R$ 6,90 – variação de 176%.

Principal item utilizado pela criançada que vai à escola, os cadernos tiveram variações positivas e negativas. Dos quatro modelos pesquisados, a alta ficou por conta do caderno com brochura de 96 folhas. O item saltou de R$ 7,30 em 2018, para R$ 12,90, nesta semana – 76,71% mais caro. Ainda nos cadernos, a maior queda também ficou por conta dos de 96 folhas, mas de modelo espiral. O preço caiu 71,19% – R$ 11,80 para R$ 3,40 – em uma das lojas pesquisadas. Foi a maior redução de preço registrada pela reportagem entre os 20 itens pesquisados.

Leia também
Processo para matricular crianças na Educação Infantil confunde pais em Canoas
Vai viajar? Saiba como suspender contas de telefone, internet e TV por assinatura
Construir e reformar ficou 8% mais caro

Procon constata elevação de 24,7%

O Procon de Porto Alegre iniciou nesta semana a pesquisa quinzenal de preços dos materiais escolares. Segundo a diretora-executiva do órgão, Fernanda Borges, o levantamento deve ser feito até o início de março. Os dados são publicados no site do Procon e a primeira pesquisa, disponibilizada nesta segunda, pode ser conferida no link bit.ly/precosmateriais.

Em relação à tabela do mesmo período do ano passado, o órgão relatou que, dos 27 itens de mesma marca presentes nas duas listas, houve "um aumento no valor global dos produtos correspondente a R$ 12,82". Ou seja, a "cesta básica do material escolar" ficou 24,72% mais cara.

Quem achar preços abusivos ou quiser registrar alguma reclamação por compras efetuadas na Capital pode procurar o Procon Porto Alegre. A sede fica na Rua dos Andradas, 686, no Centro. São distribuídas 90 fichas de atendimento por dia. O horário de funcionamento é das 9h às 17h.

Variação pouco sentida

Na segunda-feira, quem circulava pelas papelarias com a lista de materiais em mãos não parecia espantado com a mudança de preços. Na opinião de alguns pais ou responsáveis, as alterações são costumeiras, o que já acaba deixando o bolso preparado. A contadora Elisangela Boose, 40 anos, entende que, mesmo que a lista seja longa, os materiais são bem utilizados.

– É para o aprendizado dela. E acaba tudo sendo utilizado durante o ano, então não é um desperdício de dinheiro – diz Elisangela, se referindo a filha, Letícia, nove anos.

Para a dona de casa Aline Garcia, 28 anos, os preços estão normais. Nenhum pedido da lista disponibilizada pela escola onde Vitor, oito anos, vai estudar, assustou:

– Não é tudo barato, mas não senti um aumento tão grande em relação ao ano passado.

Dicas de economia

/// Pesquise os preços. Hoje é possível realizar a pesquisa na internet em diversos sites ou aplicativos para celular. Assim, você chega nas lojas físicas mais preparado.

/// Antes de jogar fora tudo que foi usado no ano anterior, verifique o que pode ser reutilizado. Mochila, estojo, apontador são alguns itens que podem comumente durar mais de um ano letivo.

/// Para quem precisa comprar para mais de uma criança, os atacados costumam ter preços mais baixos, pois vendem em quantidade. Para comprar mais e com preços menores, também é possível se reunir com outros pais para ir até nessas lojas

/// Não espere até o último dia. Planeje-se para antecipar a compra. Assim você pode pesquisar preços e opções com mais tranquilidade e evitar lojas lotadas características nas últimas semanas de férias.

/// Avalie os itens da lista e veja o que pode ser substituído por uma opção mais em conta.

/// Negocie condições de pagamento. Se for comprar à vista, veja a possibilidade de um percentual de desconto. Já se a opção for parcelar, fique atento se há juros.

/// Converse com a criança sobre a importância de zelar pelo material, visando o aproveitamento no ano seguinte. Encape os cadernos e livros para que eles se mantenham conservados no decorrer das aulas.

FONTE: Boa Vista SCPC

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros