Idosa aguarda por transferência há dois meses, em Porto Alegre - Notícias

Vers?o mobile

 

Seu Problema é Nosso04/02/2019 | 09h55Atualizada em 04/02/2019 | 09h55

Idosa aguarda por transferência há dois meses, em Porto Alegre

A dona de casa aposentada Maria Teresa Flores Alves, 63 anos, caiu de uma altura de três metros e, agora, aguarda cirurgia na coluna 

Idosa aguarda por transferência há dois meses, em Porto Alegre Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Aposentada está angustiada com a situação, que se arrasta há mais de 60 dias Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Desde o dia 4 de dezembro, a dona de casa aposentada Maria Teresa Flores Alves, 63 anos, aguarda pela transferência hospitalar, pois necessita de uma cirurgia na coluna. Maria, que reside na zona sul de Porto Alegre, caiu de uma altura de três metros quando varria folhas em cima da sua garagem. 

Leia mais
Areia da praia invade casa de aposentada em Balneário Pinhal  
Cratera na calçada atrapalha rotina de morador da zona norte, em Porto Alegre   Contêineres deixados em via pública geram transtorno no bairro Guajuviras, em Canoas  

Com o acidente, ela quebrou três costelas e fraturou uma vértebra. Sem poder se movimentar nem levantar da cama há dois meses, ela está internada no Hospital de Pronto Socorro (HPS), enquanto aguarda pela cirurgia, que será feita em outra instituição. 

— Ela subiu no telhado e acabou caindo. Na hora, chamamos o Samu. Ela sentia muita dor e não conseguia se mexer — relembra Tamires Alves Stefani, 31 anos, filha de Maria. 

Imobilizada 

Segundo Tamires, a aposentada sente dores fortes. Com a demora para a realização da cirurgia, a lesão pode ficar ainda mais grave. 

— Tenho esperança de me recuperar bem se eu for transferida, mas me dizem que não tem vaga, não me deram nenhuma previsão — relata Maria. 

A dona de casa conta que está sendo bem cuidada pelos funcionários do HPS. Mesmo assim, a espera pela cirurgia é angustiante. Enquanto aguarda, ela não pode sentar ou sair do leito. 

— Eu sinto as pernas, mas recomendaram eu não me mexer, pois, se a fratura afetar a medula, eu poderia ficar dependente de cadeira de rodas. Há dois meses, não tomo banho ou lavo meus cabelos em um chuveiro — lamenta. 

Em busca de providências, as filhas de Maria já encaminharam o pedido de transferência por meio da Defensoria Pública. Porém, o prazo para uma resposta é de 15 dias. 

Previsão para esta semana 

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou, na última sexta-feira, que a solicitação de leito para o caso de fratura na coluna de Maria Tereza foi aceito por uma instituição. Porém, é preciso aguardar a liberação de vaga. Segundo a equipe de Regulação Hospitalar da SMS, a transferência deve ocorrer nesta semana. 

Conforme o comunicado oficial, após a paciente receber a definição do leito, “será avaliada por uma equipe cirúrgica para verificar o procedimento mais indicado neste caso, conforme as condições clínicas de saúde”. 

Além disso, a secretaria não informou o dia exato em que o procedimento será realizado nem respondeu ao questionamento sobre qual é a média de espera por leitos em casos semelhantes. 

Produção: Caroline Tidra

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros