Cris Silva dá dicas para uma boa convivência com os filhos do seu amor - Notícias

Versão mobile

 
 

Lá em Casa22/03/2019 | 07h00Atualizada em 22/03/2019 | 07h00

Cris Silva dá dicas para uma boa convivência com os filhos do seu amor

Colunista escreve sobre maternidade e família todas as sextas-feiras no Diário Gaúcho

Cris Silva dá dicas para uma boa convivência com os filhos do seu amor Arte DG/
Foto: Arte DG

Com certeza vocês já ouviram a expressão “ele veio com o kit completo”. As pessoas costumam dizer isso quando o parceiro que a gente começa a namorar já tem filhos de uma relação anterior. 

Foi o meu caso, há 10 anos, quando conheci o Paulo. Ele já tinha dois filhos, o Arthur e o João Pedro, que, na época, tinham dois e seis anos. 

O Paulo esperou nossa relação firmar para me apresentar seus filhos. Esse cuidado para ver se a relação iria prosperar foi certíssimo e acredito que tenha sido fundamental para que as crianças me aprovassem. 

Leia outras colunas da Cris Silva

Madrasta? Prefiro "boadrasta"

Nossa relação prosperou tanto que tivemos o Matheus. Mas o assunto, hoje, é ser madrasta, termo que eu substituí por “boadrasta”. Isso porque o sinônimo de madrasta, no dicionário, é mulher má, incapaz de sentimentos afetuosos e amigáveis, e eu me nego a ser essa bruxa. 

Namorar alguém que tem filhos de uma outra história é bem normal e não deveria ser complicado. Mas, muitas vezes, as pessoas se atrapalham nos espaços que ocupam e acabam gerando sentimentos bem ruins pelas crianças. Aí, a coisa desanda mesmo. 

Confesso para vocês que nunca tive problemas com os meninos, os filhos do Paulo sempre foram incríveis e me aceitaram desde o primeiro dia, foi aprovação à primeira vista, graças a Deus. 

Mas acredito que fiz por merecer. Algumas regras sempre foram bem claras para mim e aproveito para dividi-las com você, leitor(a) que está nesta situação.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 08/10/2018 : Cristiane Silva e família. Cristiane Silva,  marido Paulo Inchauspe, filho do casal Matheus, oito meses, Os dois enteados da Cris e filhos do Paulo: Arthur, 11 anos, o Tuti, e João Pedro, 15 anos (Omar Freitas/Agência RBS)
Cris e Paulo estão juntos há 10 anos. Além do pequeno Teteu, ele tem o Arthur e o JoãoFoto: Omar Freitas / Agencia RBS

Acrescentar, e não dividir

Primeiro, quando você chegou, os filhos já estavam aí. Então, chegue para acrescentar e não para dividir. Segundo, não tente ser quem você não é, saiba o seu lugar. O grande erro é querer substituir a figura da mãe ou do pai. 

Outra coisa, não destrua nem diminua a história que seu parceiro teve com a outra pessoa. Construa a sua e não perca um segundo com o passado dele. Essa é bem importante: jamais fale mal do ex-parceiro, principalmente na frente das crianças. Pense: você acha legal falar mal do seu pai ou da sua mãe? Não, né. 

Leia também
Cris Silva: "Não comparar seu filho é libertação para a sua consciência"
Cris Silva dá dicas para os pais conversarem sobre separação com seus filhos
Cris Silva e o conselho de mãe: "Hoje não deu, mas amanhã vai dar"

Conflitos

Nunca discuta com as crianças. Releve, conte até mil mas não entre no jogo. Lembre-se de quem é o adulto da história. Converse sobre o episódio com o seu parceiro, peça ajuda e resolvam juntos o que fazer. 

Por último, ame como se fossem seus filhos mas não espere esse sentimento de volta. Talvez até volte, mas demore um tempo. Por fim, gostaria de dizer que somos felizes e temos nossos dias de conflitos como qualquer família. Mas descobrimos que, juntos, tudo fica mais fácil.


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
Imprimir
clicRBS
Nova busca - outros