Moradores ainda precisam encarar fila, mas sem venda de fichas no posto da Bom Jesus - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Porto Alegre03/06/2019 | 18h40Atualizada em 03/06/2019 | 18h40

Moradores ainda precisam encarar fila, mas sem venda de fichas no posto da Bom Jesus

Reportagem do Diário Gaúcho denunciou a situação no dia 15 de maio

Moradores ainda precisam encarar fila, mas sem venda de fichas no posto da Bom Jesus Ronaldo Bernardi/Agencia RBS
Moradores das proximidades relatam que a espera por fichas foi mais tranquila Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Vinte dias após a denúncia do Diário Gaúcho a respeito da venda de lugar na fila na Unidade de Saúde (US) Bom Jesus, na zona leste da Capital, a situação está mais tranquila. Conforme relatos dos moradores, o esquema de reservas praticamente sumiu. 

— Quase não se vê mais ninguém, mas o problema é que uma hora ou outra eles voltam — comentavam usuários.

Leia outras notícias do Diário Gaúcho

Às 6h30min desta segunda-feira (3), sete pessoas aguardavam na fila. Todos garantiram o agendamento da consulta que buscavam. O local estava limpo, sem acúmulo de papelão e pedaços de madeira, e até a antiga poltrona que ficava em frente à unidade e era usada pelos "cuidadores" do espaço foi retirada. O aposentado Luiz Paulo de Souza, 63 anos, era o primeiro da fila. Chegou às 2h30min por medo de ficar sem senha. 

— Preciso vir de seis em seis meses para retirar a receita do medicamento, então vim cedo. Tenho medo, mas preciso — conta.

Segundo os usuários, a prática de reserva de lugar era antiga no bairro e vinha causando muitos problemas. Quem não se sujeitava a pagar o valor cobrado, que poderia variar de R$ 10 a R$ 50, corria o risco de ficar sem o agendamento da consulta. Para garantir, era necessário pernoitar em frente ao posto.

— Vim duas vezes na semana passada e não consegui a senha para consulta com clínico geral, mas porque realmente tinha bastante gente aguardando — comenta o aposentado Luiz Henrique Piassum, 61 anos. 

Leia também
Lugar na fila de posto da Bom Jesus é vendido por até R$ 50
Hospital Centenário, em São Leopoldo, suspende atendimentos eletivos por 90 dias
Recém-inaugurada, UPA em Cachoeirinha é alvo de reclamações de usuários

Ontem, a US disponibilizou 14 fichas para clínico geral, nove para pediatra e cinco para idosos. 

 PORTO ALEGRE,RS,BRASIL.2019,06,03.Depois de 20 dias após denuncia,da UBS da Vila Bom Jesus,pacientes dizem que voltou a normalidade.(RONALDO BERNARDI/AGENCIA RBS).
Placa em frente ao posto informa número de fichas disponíveis em cada diaFoto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

Organização

Logo após a publicação da reportagem do DG, a guarda municipal realizou o monitoramento da abertura do posto por alguns dias. Nesta segunda, as pessoas que aguardavam na fila viram uma viatura passando uma vez no local. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que para tentar controlar a venda de espaço na fila, funcionários do pronto-atendimento, que funciona ao lado da US, iriam coletar os nomes das primeiras pessoas que aguardavam por volta das 5h. Esta prática, segundo informaram os frequentadores do posto, não estaria ocorrendo.

A prefeitura diz que as medidas foram tomadas em um primeiro momento para inibir o comportamento e se mantêm em situações pontuais. De acordo com a SMS, a prefeitura está organizando um cronograma para informatizar o sistema de consultas em todas as unidades da Capital. Por meio dele, a partir do segundo semestre deste ano, entrará em funcionamento o agendamento eletrônico por aplicativo, que deverá acabar com a questão histórica de filas nas unidades de saúde.

21 postos ainda no sistema de fichas

Levantamento realizado por GaúchaZH mostrou que dos 141 postos de saúde de Porto Alegre, 21 ainda utilizam o sistema de fichas para agendamento de consultas. Nesta lista estão algumas das maiores unidades básicas de saúde (UBS) da Capital, como o Modelo, na área Central; Bom Jesus, na zona leste; e Restinga, no extremo-sul do município.    


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros