Transporte escolar paralisado preocupa família, em Canoas - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Seu Problema é Nosso25/06/2019 | 09h41Atualizada em 25/06/2019 | 10h14

Transporte escolar paralisado preocupa família, em Canoas

Prefeitura diz que normalização acontece nesta terça-feira

Transporte escolar paralisado preocupa família, em Canoas Tadeu Vilani/Agencia RBS
Zenilda e a filha, que está há mais de uma semana sem ir ao colégio Foto: Tadeu Vilani / Agencia RBS

Há mais de uma semana, a cozinheira aposentada Zenilda Pinheiro da Silva, 64 anos, moradora do bairro Mathias Velho, em Canoas, espera pela normalização do transporte escolar de sua filha. Mariana Pinheiro da Silva, 13 anos, possui deficiência intelectual e estuda na Escola Estadual Especial Brigadeiro Ney Gomes da Silva, no Centro. Entre a casa da família e a escola, são mais de oito quilômetros de distância. 

Leia mais  
Com câncer e trombose, menina precisa de remédio para tratamento
Menina com doença genética está sem aulas devido à falta de atendimento em casa
Com hérnia abdominal, morador de São Leopoldo aguarda há oito meses por cirurgia   

— Desde a quinta-feira, dia 13, o ônibus escolar não vem buscá-la. Não temos condições financeiras para pagar transporte até a escola. Antes disso, nunca tinha dado problema — relata a mãe, preocupada com o conteúdo escolar que a filha está perdendo. 

Por causa de sua condição, Mariana está no quarto ano do Ensino Fundamental e, nas quintas-feiras, frequenta a Apae. Sem o transporte, é inviável o deslocamento até as instituições. 

Segundo a aposentada, a informação que circulou no grupo de WhatsApp do ônibus escolar foi de que o serviço estava suspenso por atraso no pagamento da documentação do veículo. Zenilda conta que questionou a prefeitura sobre uma previsão de quando o transporte voltará: 

— A servidora falou que iria me dar um retorno no final da tarde, na quarta-feira passada, mas não deu. 

Medicamentos 

— Ela gosta de estudar, levanta todos os dias às 6h e pergunta por que não vai ir à escola — desabafa a mãe. 

Além da aposentadoria de um salário mínimo (R$ 998), Zenilda faz marmitas para complementar a renda familiar, pois tem gastos com medicamentos de Mariana. 

— Temos atestado comprovando a condição dela. Segundo a médica, além do atraso mental, ela tem a audição e visão prejudicadas. Estamos sempre lutando para que tenha uma vida normal e frequente a escola — afirma Zenilda. 

Normalização prevista para esta semana 

Em nota, a prefeitura de Canoas informa que “por intermédio de uma parceria com o governo do Estado, oferece cinco veículos para atender à referida escola”. 

Destes, explica a nota, “um apresentou problema no equipamento de acessibilidade para cadeirantes e precisou passar por manutenção. Outro paralisou as atividades por apenas uma semana até conseguir a liberação de uma documentação específica, devido aos trâmites necessários”. 

Ainda segundo a prefeitura de Canoas, todos os demais veículos estão cumprindo as suas rotas diariamente. 

Nesta terça-feira, segundo a prefeitura, o veículo que apresentou problema na documentação já estará circulando. A previsão é de que ainda nesta semana o outro veículo também retorne da manutenção. 

Produção: Caroline Tidra

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros