Pais e alunos bloqueiam portão de escola na Capital na qual esgoto verte de rachaduras de muro - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Seu Problema é Nosso28/11/2019 | 08h47Atualizada em 28/11/2019 | 08h47

Pais e alunos bloqueiam portão de escola na Capital na qual esgoto verte de rachaduras de muro

Familiares de estudantes querem documento que comprove segurança da escola; Smed diz que não há riscos

Pais e alunos bloqueiam portão de escola na Capital na qual esgoto verte de rachaduras de muro Vitor Rosa/Agência RBS
Mesmo na chuva, comunidade escolar se aglomerava em frente à instituição Foto: Vitor Rosa / Agência RBS

Pais de alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental América, no bairro São José, em Porto Alegre, bloquearam a entrada da instituição na manhã de ontem. Eles pediam um documento da Secretaria Municipal da Educação (Smed) que atestasse a segurança de um muro que divide o colégio de pátios de vizinhos. A estrutura apresenta grandes rachaduras e esgoto escorrendo. 

LEIA MAIS
Problemas na estrutura de escola na Capital atrapalham as aulas
Buraco em calçada da Zona Leste, na Capital, causa incomodação há sete meses
Projeto busca doação de instrumentos musicais, em São Leopoldo

Procurada por GaúchaZH, a pasta garantiu que não há riscos para a escola. Disse também que as rachaduras não aumentaram, contrariando o relato de vizinhos. Também informou que o conserto está orçado em R$ 25 mil e que aguarda liberação do recurso para contratar a empresa que fará o serviço. Os pais, no entanto, exigiam um papel com as informações. 

— Queremos uma resposta para o que está acontecendo. Queremos um documento, não adiantam palavras. Palavras se perdem ao vento e, se uma tragédia acontecer, ninguém vai se responsabilizar — criticou Leonor Martins, mãe de dois alunos. 

Aula suspensa 

Mesmo na chuva, alunos e pais se aglomeraram em frente ao portão, ao redor de uma faixa preta que simbolizava o bloqueio da escola. Protegidos por guarda-chuvas, seguravam uma faixa onde estava escrito “Conter o barranco, manter a vida”. 

Acompanhados dos alunos, os manifestantes cantavam: “Não adianta reclamar se o muro desabar”. Nas mãos, batiam colheres de madeira em panelas. Um carro de som foi emprestado por uma moradora. 

A diretora, Joselaine Marques, informou que não houve aulas pela manhã em função do protesto. 

— Passamos o entendimento da Secretaria para a comunidade, mas eles dizem que, enquanto não houver laudo, não sairão — disse a diretora na manhã de ontem. 

Ela afirmou ainda que o protesto foi organizado pela comunidade, sem participação direta de professores ou sindicatos. 

Diretora solicitou laudo

As manchas, o cheiro forte e a presença de moscas denunciam que é esgoto o líquido que vaza de uma das paredes da escola. O destino da sujeira é o pátio de vizinhos. O problema já existe há seis anos, mas agora surgiu outro temor: de que o muro da instituição desmorone. 

Escola Municipal de Ensino Fundamental América, de Porto Alegre, tem esgoto escorrendo, moscas e rachaduras em parede há seis anos.
Segundo professores, fissuras cresceram com o tempoFoto: Vitor Rosa / Agência RBS

O colégio fica em uma área íngreme e em nível mais alto do que outras casas. O muro divide o pátio da instituição de quatro moradias. 

Segundo a direção do colégio, o problema de esgoto foi repassado para a Smed, mas jamais resolvido. Na parede, apareceram pequenas rachaduras, segundo os professores. Nos últimos anos, dizem eles, cresceram e agora superam até o tamanho da mão de um adulto. 

Com medo de que uma tragédia, a diretora Joselaine já havia pedido um laudo que atestasse a segurança dos mais de 500 estudantes, entre o 1 º e o 9 º ano do Ensino Fundamental. 

— Temos reclamações constantes da comunidade de esgoto correndo para dentro das suas casas. A gente aguarda um laudo técnico que nos garanta que há possibilidade de manter as aulas com segurança — declarou a diretora em reportagem publicada na terça-feira.

"Medo de que tudo desbarranque"

Ainda de acordo com a diretora Joselaine, os engenheiros da prefeitura já estiveram no local e fi zeram três intervenções orientadas: limpeza da fossa, em duas ocasiões, e realização de hidrojateamento. Entretanto, as ações não teriam abrangido uma parte do muro que é rente a um trecho do pátio da instituição, mas que fica abaixo do nível do restante da escola. Por esse motivo, o esgoto segue escorrendo por ali e há presença de moscas ao redor, que invadem com frequência o refeitório escolar. 

Escola Municipal de Ensino Fundamental América, de Porto Alegre, tem esgoto escorrendo, moscas e rachaduras em parede há seis anos.
Bancos e cordas de pular agora interditam entrada das fossasFoto: Vitor Rosa / Agência RBS

O conselho da instituição de ensino avisou ainda na segunda-feira os demais estudantes sobre o problema. Por enquanto, as aulas estão mantidas, mas o muro virou o assunto predominante entre os alunos. Devido às recentes intervenções paliativas, os blocos de concreto que tampam a entrada das fossas foram interditados de maneira improvisada pelos professores. Os bancos coloridos, que antes serviam aos alunos, agora estão impedindo que algum deles pise sobre a estrutura que ainda não foi concretada. Junto aos bancos, cordas —que antes eram usadas para as crianças pularem — foram amarradas aos encostos. 

— Meu medo é de que isso tudo caia e desbarranque. Não temos nem noção se a situação da escola é segura ou não — declarou a professora de Matemática Lucile da Rosa Pereira. 

GaúchaZH mostrou situação da escola

A escola fica em uma área íngreme da cidade e em nível mais alto que outras casas. O muro divide o pátio da instituição com outra quatro moradias, entre um beco. Há cheiro forte de esgoto escorrendo das paredes e fissuras grandes.

De acordo com a direção, o transtorno envolvendo o esgoto já existe há seis anos e a situação foi repassada para a Smed, mas jamais resolvida.

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso   


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros