Socorristas voluntários de Gravataí buscam recursos para construir sede - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Seu Problema é Nosso23/12/2019 | 10h16Atualizada em 23/12/2019 | 10h16

Socorristas voluntários de Gravataí buscam recursos para construir sede

Grupo está arrecadando doações em dinheiro e material de construção 

Socorristas voluntários de Gravataí buscam recursos para construir sede /
RS Resgata foi fundado em 2012

A turma de socorristas voluntários RS Resgata, de Gravataí, foi fundada em 2012 com o objetivo de ajudar e socorrer a comunidade local em acidentes. Porém, dessa vez, quem está precisando de ajuda é ela. 

 LEIA MAIS
Após reportagem, projeto recebe doação de instrumentos profissionais
Idosos ficarão sem cancha de bocha no IAPI
Paciente espera há mais de um ano por consulta, em Cachoeirinha

Sem sede, mas com um terreno cedido, pronto para receber a construção, o grupo necessita de doações de material para conseguir edificar a estrutura. Nela, tomará lugar o Núcleo de Operações Especiais, como é chamada a sede da equipe, para continuar o trabalho prestado ao município. 

Desde a sua criação, os voluntários se instalaram no local de trabalho do presidente do RS Resgata e coordenador de operações, João Carlos de Mello, 48 anos. O local era uma fábrica de reboques em Gravataí, próximo à Parada 106. Isso ocorreu até o momento em que a prefeitura cedeu a área de uma praça que, na época, não era utilizada, para o grupo se fixar. 

Porém, após pouco tempo no local, a associação de moradores do bairro solicitou o terreno de volta. 

A turma de socorristas voluntários RS Resgata, de Gravataí, foi fundada com o objetivo de ajudar e socorrer a comunidade de Gravataí em acidentes desde 2012. Porém, dessa vez, quem está precisando de ajuda é ela.Sem sede construída mas com um terreno cedido pronto para construção, o grupo necessita de doações de material de construção para conseguir edificar a estrutura que será o Núcleo de Operações Especiais, como é chamada a sede da equipe, para continuar o trabalho prestado ao município.
Aulas de primeiros socorros são ministradas para arrecadar recursosFoto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Contêiner 

Sem ter onde ficar, a equipe se revezava nos plantões de fins de semana entre postos de gasolina e rodando com as ambulâncias pela cidade, prontos para atender aos chamados. 

Este ano, a prefeitura disponibilizou novamente outra praça sem utilização, na rua Julio de Castilhos, no bairro Neópolis. Entretanto, agora, o grupo precisa de materiais de construção para erguer a sede dos voluntários. 

João de Mello explica o que é necessário:

— A prioridade agora é conseguir os materiais e instalar água e luz. Se não começarmos a obra o mais breve possível, com energia e encanamento, a gente consegue se virar até construir tudo. Estamos também tentando obter um contêiner para nos receber temporariamente. 

Orgulhoso de “ salvar vidas” 

Desde o seu início, a equipe, formada hoje por 15 pessoas, trabalha aos fins de semana de forma totalmente voluntária. 

Por isso, sem ter apoio financeiro da prefeitura – apenas o terreno –, a maior parte dos materiais utilizados provém de doações: desde a gasolina das ambulâncias até as luvas, máscaras e afins. 

Porém, apesar de serem muito bem acolhidos pela população, nem sempre o que ganham é o suficiente para manter o grupo: os automóveis utilizados nos salvamentos foram conseguidos por meio de pedágios solidários nas ruas de Gravataí. 

Aulas de primeiros socorros também são dadas pelo grupo com o intuito de juntar dinheiro para se manter. 

Mesmo com as dificuldades financeiras, o mecânico e socorrista Maurício Costa de Oliveira, 41 anos, sente- se orgulhoso de fazer parte da equipe:

— Pode ser difícil, mas participar disso é inexplicável. Salvar vidas sempre é maravilhoso. 

Produção: Thayná Souza

 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros