Barranco que desmoronou preocupa comunidade de Novo Hamburgo - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Seu Problema é Nosso03/03/2020 | 12h40Atualizada em 03/03/2020 | 12h40

Barranco que desmoronou preocupa comunidade de Novo Hamburgo

Incidente aconteceu em 24 de fevereiro em região que, além de residências, conta com uma escola de ensino fundamental

Barranco que desmoronou preocupa comunidade de Novo Hamburgo Isadora Neumann/Agencia RBS
Muro de contenção cedeu no bairro Liberdade Foto: Isadora Neumann / Agencia RBS

O que deveria ser apenas mais uma construção se tornou um medo para os moradores da Rua Rio Branco e para alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Presidente Hermes da Fonseca, no bairro Liberdade, em Novo Hamburgo.

Em 24 de fevereiro, durante as obras de expansão de um prédio comercial nos fundos de uma empresa, na Avenida Sete de Setembro, um muro de contenção cedeu. Com isso, o barranco, que era segurado por essa parede, desmoronou.

Residências do entorno sofreram rachaduras com a força do deslizamento de terra. O estrago afetou parte da pavimentação da Rua Rio Branco e chegou à calçada da escola. 

LEIA MAIS  
Lixão irregular volta a incomodar em São Leopoldo  
Vitão busca apoio para lutar em tatames europeus
Após diagnóstico de oftalmologista, angústia de morador de Alvorada tem fim  

O maior medo dos pais é de que o desmoronamento continue e atinja o pátio da instituição durante as aulas. O empresário Marcos Eugenio Wagner, 45 anos, pai de João Brombatti Wagner, oito anos, aluno do terceiro ano, se preocupa:

– A Defesa Civil de Novo Hamburgo emitiu uma nota afirmando que não há risco. Nós acreditamos neles, porém, temos um pouco de preocupação, principalmente com as crianças e funcionários.

Esse receio não atinge uma das professoras da Emef, que preferiu não ser identificada. De acordo com ela, a estrutura do colégio é recente e muito reforçada, por isso, não teme que o deslizamento afete a escola. Ela acredita que, se as obras pararem, como a prefeitura ordenou, a instituição não correrá riscos. Contudo, a professora diz se sentir preocupada com o desmoronamento da Rua Rio Branco:

– Eu perguntei ao coordenador da Defesa Civil do município, e ele respondeu que, até o momento, não havia a possibilidade de desmoronar de novo, mas tenho medo de que isso aconteça.

Não são apenas os pais dos alunos que estão preocupados. Os moradores do entorno convivem com o medo. O vendedor Salomão Bitencurte Oliveira, 55 anos, mora na região há 22 anos:

– Se chover, pode desbarrancar mais. Eu moro a cem metros da cratera e já estou apreensivo, morar lá do lado deve ser muito pior.

 NOVO HAMBURGO, RS, BRASIL - 28.02.2020 - Um barranco, criado para a construção de um emprendimento, está cedendo. Casas ao redor estão sendo afetadas com grandes rachaduras e, o problema maior, é que tudo isso acontece em frente ao pátio de uma escola. Se desbarrancar mais, vai afetar a área da instituição. (Foto: Isadora Neumann/Agencia RBS)
Alertas na regiãoFoto: Isadora Neumann / Agencia RBS

Defesa Civil está monitorando

Questionada, a Defesa Civil de Novo Hamburgo informou que mais uma vistoria foi realizada, na manhã da sexta-feira passada, na área externa da escola após o desabamento. O órgão garantiu que está monitorando o local desde o incidente e, no mesmo dia, notificou o proprietário do espaço, interditando a obra e proibindo, inclusive, a movimentação de máquinas, na época.

Ainda segundo a Defesa Civil, no dia 27 de fevereiro, o responsável técnico pela construção enviou à pasta um relatório que visava atenuar os problemas causados pelo deslizamento. Após a Defesa Civil receber o documento e realizar uma inspeção, ficou constatado que a situação permanece a mesma, sem nenhuma movimentação de massa, não oferecendo riscos para o estabelecimento de ensino e a comunidade em geral.

A pasta afirmou também que entregou ao proprietário da obra, na sexta-feira, um auto de Desinterdição Parcial do Espaço. Com este documento, a construção pode retornar, porém, deve seguir as orientações que a documentação implica, para minimizar o problema atual e proteger as casas vizinhas e a escola.

A Defesa Civil garantiu que continuará monitorando o andamento da construção. Procurada, a empresa responsável pela obra não quis se manifestar.

Produção: Thayná Souza

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso 


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros