Casal de idosos encontra dificuldades para fazer vacina da gripe em Cidreira - Notícias

Vers?o mobile

 
 

Seu Problema é Nosso15/04/2020 | 12h11Atualizada em 15/04/2020 | 12h11

Casal de idosos encontra dificuldades para fazer vacina da gripe em Cidreira

Prefeitura alega que número de doses está abaixo da procura do público

Casal de idosos encontra dificuldades para fazer vacina da gripe em Cidreira Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal
Mauricy e Denilze em foto feita pela filha Lucirene, há um mês Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

A campanha de vacinação contra a gripe começou em 23 de março e, poucos dias depois, as doses já haviam acabado em diversas cidades da Região Metropolitana, área mais populosa, e também no Litoral Norte. Apesar de a vacina que combate o vírus da influenza não possuir eficácia nenhuma diante da covid-19, a pandemia alterou o cronograma estabelecido pelo Ministério da Saúde. Além disso, a procura por vacinas gerou filas de espera em postos de saúde. 

Em Cidreira, moradores reclamam sobre a falta de informação por meio dos telefones da prefeitura. A assistente social Lucirene Alves Leite, 37 anos, moradora de Esteio, conta que seus pais idosos, integrantes do grupo de risco devido à problemas cardíacos, moradores de Cidreira há 10 anos, não conseguiram obter a vacina nos postos do município:

– Os telefones de atendimento da prefeitura não atendem. Desde o início da campanha, as filas são enormes e, às vezes, não informam se ainda tem vacinas disponíveis. 

LEIA MAIS  
Caso resolvido: cratera na calçada no bairro Auxiliadora recebe conserto
Idosa que depende de fornecimento de remédios via poder público não consegue retirá-los
Alunos e professores da UFRGS formam núcleo de solidariedade para apoiar comunidades

Segundo Lucirene, seus pais, Denilze Alves Leite, 67 anos, e Mauricy Leite, 70 anos, já foram diversas vezes ao posto, quando obtiveram a informação de que haveria vacinas. 

– Eu disse para eles não irem muito cedo para que não ficassem cansados. Mas eles foram cedo para a fila, dias atrás, e não teve vacinação. Ficaram horas de pé, e ninguém avisou ao público que estava lá de que haviam faltado as doses. Eu entendo que as vacinas não vêm dali, mas do Estado. Só que ambos (pais) são debilitados, cardíacos, e meu pai tem problemas para andar. Eles precisam ser informados por agentes de saúde – lamenta a assistente social, que afirma auxiliar os pais no acesso a informações. 

De acordo com Lucirene, nas redes sociais, as reclamações sobre a falta de informações da vacina se multiplicam. Fotos e comentários sobre o tamanho das filas e o número de idosos aglomerados geram discussões em grupos de Cidreira. 

Prefeitura avisa pelo Facebook

A prefeitura de Cidreira afirmou que os municípios do Litoral receberam uma quantidade menor de doses, se comparado com outras regiões. Explicou, ainda, que, na semana passada, recebeu novo lote de vacinas para pessoas acamadas. Porém, no dia seguinte, havia filas nos postos de saúde, contrariando a orientação da página da prefeitura no Facebook. O telefone indicado é o da central da prefeitura, que funciona das 13h às 17h, em dias úteis. 

A prefeitura não tem previsão de quando chegarão novas doses e depende da 18ª Coordenadoria Regional da Saúde (CRS), em Osório, para informação de novos lotes. Quando há a confirmação, a notícia é divulgada na página oficial. A administração pública alega que outro fator que pode afetar a vacinação de residentes é a procura por idosos de outras cidades que passam a quarentena em Cidreira. 

A Secretaria da Saúde do município recebeu 160 novas doses na segunda-feira passada. Conforme a pasta, “devido ao baixo número, a equipe de imunização destinará aos pacientes acamados”. Assim,  concluirá esta etapa da campanha. Segundo a secretaria, a quantidade é tão baixa que prejudica o planejamento de imunização. 

Conforme a 18ª CRS, todas as cidades do litoral recebem semanalmente novos lotes de vacinas. Contudo, o número de doses enviado corresponde a uma estimativa do público de cada etapa da campanha, não contabilizando idosos que estão nas cidades litorâneas devido à pandemia de coronavírus. Segundo a 18ª CRS, foram enviadas 2.740 doses para atender o primeiro grupo da campanha, pois a estimativa era de 2.716 pessoas para serem vacinadas. 

As 160 doses enviadas nesta semana são correspondentes ao próximo grupo do público-alvo. Entretanto, por causa do maior número de pessoas procurando, ainda há idosos a serem vacinados.

Saiba mais

Atendimento domiciliar de pacientes acamados:

Informe sobre o paciente acamado ainda não vacinado às seguintes unidades, pelos telefones:
/// Unidade Caminhos do Farol 3681-1379 (Salinas)
/// Unidas Brisas do Mar 3681-3628 (Nazaré)

Um familiar pode se dirigir ao posto e informar sobre o acamado que ainda não foi vacinado:
/// Unidade Dunas Claras (Centro)
/// Unidade Costa do Sol (Costa do Sol)

Produção: Caroline Tidra

Leia outras notícias da seção Seu Problema é Nosso   


 
 
 
 
 
 
 
Diário Gaúcho
Busca
clicRBS
Nova busca - outros